30 de setembro 3 de outubro os concertos e seminários do festival Erichetta

De 30 de setembro a 3 de outubro de 2022, Festival da Errichette ressoa com concertos e seminários com os grandes intérpretes da música dos Balcãs e do Médio Oriente que se realizarão em Roma na Monge e em Basílica de San Crisogono, ou na sede daIsmeu – associação internacional para estudos sobre o Mediterrâneo e o Oriente – para laboratórios. Da Grécia à Geórgia, da Córsega à Sicília, o Festival Errichetta em sua 11ª edição, idealizado e criado por Metrô Errichetta em colaboração com Oficina de Cultura aps recebeu este ano de Ministério da Cultura (MiC) o prestigioso reconhecimento na primeira instância do triénio 2022-2024 como Festival de Música Contemporânea e de Autor.

Erichetta Festival também apoiado por Ismeu e de Monge, criou ao longo dos anos uma verdadeira comunidade de jovens apaixonados pela pesquisa atentos às especificidades de cada tradição com profundo respeito por cada artista hospedado. A sabedoria milenar de músicos que se sucederam ao longo dos anos oferece um saber a ser colocado a serviço do público, algo vivo, longe de um exercício intelectual e mais próximo de um ritual coletivo. Recriar um espírito sem filtros, que leva o público a sentir essa força unificadora mesmo por uma noite, sempre foi a intenção de Erichetta.

O festival continuará com três concertos no Spazio Rossellini em 21 de outubro como parte do projeto “Performance Social” criado pela Officina delle Culture aps em colaboração com Martelive financiado pela Região do Lácio para a chamada Comunidade Solidária.

sexta-feira 30 de setembro O Festival Errichetta abre no Giardini del Monk com o concerto de Drumlanduo por Laura Giavon e Marco D’Orlando que, numa primordial voz orgânica e percussão, melodia e ritmo, se inspiram na tradição friulana. Laura Giavon – vocais, percussão, baixo elétrico; Marco D’Orlando – bateria, baixo elétrico.

Frederico Pascucci uma noite com convidados surpresa acontecerá como carta branca. Membro estável de muitos ensembles, participou na digressão da mítica formação macedónia Kocani Orkestar como saxofonista a solo, o único músico europeu a poder tirar partido desta colaboração. O programa deste ano, a partir de sua rica e variada experiência na música do Oriente Médio e da Europa Oriental, deixa a Federico Pascucci a liberdade de escolher seus companheiros de viagem e reservar surpresas imprevisíveis para o público.

A noite termina em Trio de Fausto Sierakowski fundada há dois anos para trabalhar em composições originais inspiradas na música tradicional do Mediterrâneo Oriental. Usando instrumentação mínima, mas versátil, a banda alterna batidas frenéticas inspiradas em Zurna com humor contemplativo ou vocais instrumentais. (Fausto Sierakowski – saxofone, Panagiotis Kaitatzis – oud, Stratis Skourkeas – percussão).

sábado, 1 de outubroa noite será aberta com Masih Karimi – tabu, Peppe França – ou, Ciro Montanari – tabla, percussões que cobrem os repertórios musicais de uma vasta área geográfica, aproximadamente estendida do Magrebe ao subcontinente indiano, unidas por terem desenvolvido, por um lado, uma linguagem melódica complexa baseada em sistemas modais, por outro um sistema de ciclos com métricas incomuns para a orelha Eurocollected.

Este terreno comum é o ponto de partida a partir do qual os três músicos começam a criar uma linguagem sincrética através da composição original e da reformulação dos materiais musicais das tradições que os formaram, em particular a música do Curdistão Iraniano, Índia Norte, Afeganistão e Anatólia . Região.

Para seguir o música essencial do Irmãos Mancuso. Canções, cantos sacros a cappella, narrações, poesias, juntas formam o tecido de uma trama onde a música e a vida se entrelaçam numa figura harmoniosa de expressividade e paixão. O teatro desta viagem, hoje como no passado, é a Sicília, bússola da sua busca contínua e ponte entre as margens opostas do Mediterrâneo, de onde se olham as afinidades e os acordos da poesia e da música. Você percorre seus caminhos cruzando, cantando, países e línguas: siciliano, árabe, espanhol, latim, grego, a língua imaginada dos migrantes que viajam no estreito da Sicília, a alma suspensa em um barco, como na beira de um precipício negro, na luta agora diária da vida contra a morte. (Enzo Mancuso – vocais, guitarra, saz baglama, saz divan, viela de roda, violino, sipsy; Lorenzo Mancuso – vocais, guitarra, harmônio, percussão).

O último set de sábado é com Metrô Errichetta. Errichetta é um espírito, uma força que paira sobre o festival como sobre cada apresentação do grupo. Pouco mudou desde o lema original da banda “tocar com alegria ou não tocar”: a música é uma oportunidade de recriar uma comunidade da qual os músicos e o público são parte inseparável. Para isso Errichetta é uma entidade orgânica que se desenvolveu ao longo dos anos integrando as experiências de músicos nômades, redesenhando uma geografia que transita entre Córsega, Grécia, Turquia, Romênia, Macedônia, Portugal, Holanda, França, Alemanha, Áustria e Estados Unidos . . A vontade insaciável de estar na estrada é o pivô do repertório, seja ele composto por composições originais ou peças tradicionais. A música do Leste Europeu, a do Oriente Médio, mas também a improvisação, o jazz e a música clássica fazem parte da bagagem dos integrantes do grupo. O Festival é um verdadeiro pouso, uma casa onde as pessoas se reúnem para falar de si e contar ao público sobre essa jornada ininterrupta.

(Fausto Sierakowski, sax alto; Federico Pascucci, sax tenor, clarinete em sol; Primo Salvati, sax alto e tenor; Ange Sierakowski, clarinete; Edoardo Petretti, acordeão e piano; Carlo Hintermann, percussão; Gabriele Hintermann, contrabaixo).

domingo 2 de outubro a partir das 18h30 Lavínia Mancusi percorre a poesia, os mitos e os rituais mais profundos da tradição popular italiana, desde as origens até o canto romano e napolitano contemporâneo do século XX e o canto civil. Soma-se a isso o amor pela música clássica e pela música de piano improvisada de Eduardo Petretti, com o objetivo de quebrar esse muro imaginário entre o sagrado e o profano, entre a música folclórica e a música da cultura tradicional. O convidado especial da noite é Arnaldo Vacca, percussionista e multi-instrumentista. (Lavinia Mancusi, voz, violão, bateria no quadro; Edoardo Petretti, piano, acordeão, voz; Arnaldo Vacca, percussão).

Também marcado para domingo François Lazarevich um dos maiores flautistas barrocos do mundo e diretor artístico do conjunto “Les Musiciens de Saint-Julien” que assinou 15 produções aclamadas pela crítica para o selo Alpha Classics. A pesquisa musical de Lazarevitch visa trazer à luz os tesouros do repertório barroco europeu, muitas vezes inédito, e peças de tradições populares relacionadas à dança. O solo proposto para o festival alternará o repertório para gaita de foles e flauta com surpreendentes acentos rítmicos, que levarão o público a uma dimensão extática atemporal. (François Lazarevitch, gaita de foles, flautas)

O quinteto chega a Roma vindo da Geórgia Ourmulus, liderado pelo multi-instrumentista Nugzar-David Kavtaradze. No repertório instrumental Urmuli junta-se ao canto polifónico, reproposto com arranjos originais de grande encanto. O elemento central do grupo é o uso de instrumentos de tradição georgiana, feitos artesanalmente pelos principais mestres artesãos: Phanduri, instrumento de três cordas; Baixo Phanduri; Chonguri, um instrumento de quatro cordas; Chonguri Basso (contrabaixo georgiano); Salamuri, flauta de pastor; Duduki, instrumento de sopro, baixo Duduki; Gudastviri, gaita de foles; Guda, gaita de foles; Chiboni, gaita de foles; Chuniri, um instrumento curvado da região de Svaneti. . Durante a sua atividade, a formação composta por Nugzar-David Kavtaradze, David Ratiani, Tamaz Mamaladze, Shalva Abramashvili e Gela Tabashidze já atuou em mais de mil concertos, nos principais eventos musicais europeus.

Na segunda-feira, 3 de outubro, na Basílica de San Crisogono em Trastevere, os concertos gratuitos de Parafuso lo lop, lo fox, o lábio e de Um filé.

Vi o lobo, a raposa, a lebre dançar, como diz o texto de uma antiga balada provençal. Que dá nome a um grupo de músicos desejosos de fazer uma viagem entre a música antiga e os repertórios cultivados e folclóricos da tradição italiana e europeia. Passando entre os temas mais famosos do baixo contínuo europeu, a tradicional tarantela e as danças de corte do Renascimento, fundem-se sons distantes, caracterizados contudo por uma clara matriz popular e unidos pela força do treino rítmico, pela energia da dança. (Alessandro de Carolis – flautas, cruz, Lorenza Maio – violino, flautas, Carmine Scialla – violão, Antonino Anastasia – percussão).

Para acompanhar a música do curso Um filé com uma proposta vocal polifônica contemporânea, exigente, audaciosa, nascida de uma poderosa tradição oral.

O repertório produzido hoje por este sexteto vocal é um fiel reflexo de sua trajetória desde o início dos anos 1980: uma trajetória que delineia um movimento que começou na oralidade secular e que se afirma no labirinto da escrita liberada. um repertório de canções sacras e seculares com várias influências, composto por música de cinema, como a de Bruno Coulais, composições para as coreografias de Sidi Larbi Cherkaoui, retiradas do coro de uma tragédia antiga ou peças de réquiem encomendadas pelo festival de Saint- Denis. A música ao serviço de uma visão de mundo que recusa inequivocamente qualquer retirada identitária e cuja filosofia se poderia resumir neste belo aforismo de René Char: “As colheitas mais puras são semeadas numa terra que não existe; não conhecem a gratidão porque só devem a primavera”. (Jean-Claude Acquaviva – segundo, François Aragni – segundo / bassu, Jean-Do Bianco – segundo, Petr’Antò Casta – segundo / bassu, Paul Giansily – terceiro, Maxime Vuillamier – bassu)

O programa de performances ao vivo é acompanhado por quatro seminários gratuitos que serão realizados no Ismeo com Fausto Sierakowski sobre improvisação modal para instrumentos de sopro (quarta-feira, 28 de setembro, das 10h às 17h) com Peppe Frana sobre Iniciação à música modal (quinta-feira, 29 de setembro, das 10h). das 17h às 17h), com Masih Karimi (Masoud Karimibehjatabad) (Irã) em Tanbur, daf e repertório musical do maqam (sexta-feira, 30 de setembro, das 10h às 17h).

Domingo 2 de outubro às 11h no Monk Club, Place Enzo e Lorenzo Mancuso (Itália)

eles oferecem o guia de escuta: de “Uma canção essencial”, o guia de escuta confia à nudez da voz e a uma escolha cuidadosa dos instrumentos a tarefa de guiar o público pelas etapas mais significativas da jornada humana e musical do Mancuso Irmãos.

Segunda-feira 3 de outubro às 22h na Basílica de San Crisogono, Piazza Sidney Sonnino, Roma Jean Claude Acquaviva de A Filetta (Córsega) após o concerto.

LUGARES

MONGE Via Giuseppe Mirri, 35, 00159 Roma RM

IGREJA DE SÃO CRISOGONO – Piazza Sidney Sonnino, 44 ​​​​Roma

ISMEO – Corso Vittorio Emanuele II, 244 Palazzo Baleani

https://www.errichetafestival.com/

https://www.facebook.com/errichetafestival

errichettafestival@gmail.com

BILHETE DE ENTRADA PARA O MONGE

10€ CONCERTO ÚNICO, 20€ ASSINATURA DIÁRIA, 50€ ASSINATURA DE 3 DIAS

Pré-venda nos dados

No seguinte link

BAssociação Cultural LUEMOTION

via amerigo vespúcio 24 00153 Roma

Irvette Townere

"Especialista em mídia social premiado. Viciado em viagens. Especialista típico em cultura pop. Analista vitalício. Amante da web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.