33.000 incêndios em um mês. Alerta de morte por calor

Enquanto o país está sob o domínio de calor abrasadorcom a umidade crescente e o mercúrio indo ainda mais longe 40 grausEU’Itália atingiu um recorde nada invejável: em 2021, foi o primeiro país Europa e o segundo a mundo pelo número de incêndios registrados, 1.422, para um total de 160.000 hectares de área queimada. Este é o maior número registrado na última década. Só no mês passado, as intervenções dos bombeiros foram de 33 mil, 4 mil a mais que no mesmo período do ano passado. E as expectativas para 2022 não são melhores.


O calor distorce os trilhos: em Milão o Metro2 desacelera: temperatura de 60°C. La Spezia, uma locomotiva descarrilha

A DETERIORAÇÃO
“Esperamos dados piores para este ano também”, disse Chiara Cadeddu, pesquisadora da Universidade Católica de Roma. Quem esperava um fim de semana com temperaturas de verão sim, mas não quente, não ficará satisfeito. O fim de semana promete ser quente, especialmente no Vale do Pó, no Centro e na Puglia, onde se esperam noites tropicais. Mas as coisas podem mudar a partir de terça-feira, quando o ar mais frio do norte da Europa pode enfraquecer o escudo de alta pressão, especialmente nas regiões do norte. E tempestades podem vir. Os efeitos do calor escaldante também incluem a desaceleração dos trens na linha 2 do metrô de Milão imposta pelos protocolos de segurança. No porto de La Spezia, uma locomotiva descarrila por causa dos trilhos deformados. De volta a Roma incendiada: Após os incêndios, alguns com suspeita de culpa intencional, nas últimas semanas, as chamas surgiram no pinhal de Castelfusano perto de um parque de campismo. As coisas estão melhores no Karst, devastado pelos incêndios, onde, após dois dias de paralisação, a fábrica da Fincantieri em Monfalcone (Gorizia) voltou à atividade normal e o tráfego ferroviário também foi retomado.


SARDENHA
Toda a região central da Sardenha, a região de Campidano e parte da costa leste da ilha estão em “alto” risco de incêndios. Incêndios também em Terni e Alto Adige.


SECA
O aperto da seca, nesta situação, não se solta. A vazão do Pó, estimada no trecho de Pontelagoscuro (Ferrara) no fechamento da bacia, continua preocupante, equivalente a cerca de 114 metros cúbicos por segundo e, portanto, em constante decréscimo. Condições hidrológicas extremas de seca também caracterizam os outros trechos principais do rio e a maioria de seus afluentes. As taxas de fluxo estão abaixo das mínimas históricas. Além disso, o mar continua a invadir o rio mais longo da Itália: a estimativa da subida da cunha de sal nos ramos do delta aumenta, sendo os ramos do Pó di Tolle, Maistra e Gnocca totalmente afetados pela intrusão. Para Po di Goro e Po di Pila, o comprimento de intrusão na maré alta é de 39 km e 36 km da costa.
A reserva de água disponível nos grandes lagos também está diminuindo constantemente. Os níveis dos reservatórios do Lago Como e do Lago Idro são iguais aos limites regulamentares, o Lago Maggiore tem um enchimento de apenas 16% e -19 centímetros no hidrômetro Sesto Calende. O Lago Garda está encolhendo, com 33% de enchimento.


O RISCO
As temperaturas extremas deste último período colocam cada vez mais em risco a saúde das populações, a ponto de 2022 registar um excesso de mortalidade semelhante ao observado durante o escaldante verão de 2003. doenças transmitidas, incluindo o vírus do Nilo Ocidental, tem especialistas em saúde preocupados com essas questões. Tanto que Walter Ricciardi, professor titular de higiene e medicina preventiva da Universidade Católica de Roma, alerta: “Milhares de pessoas em todo o mundo estão morrendo com o impacto das ondas de calor” e “nosso país, como o resto do mundo , ele não tem muito tempo para intervir”.


A PASTA
Isso foi discutido durante a apresentação do dossiê ‘Mudanças climáticas na Itália, apresentado pelo Instituto Italiano de Saúde Planetária. O documento chega em um momento de urgência em meio a ondas de calor extremas, com picos de mais de 40 graus nas principais cidades europeias, incêndios e crise hídrica. Mas o impacto dessas bandeiras vermelhas é muitas vezes subestimado. Já em 2020, de fato, a Itália marcou um dos maiores aumentos de temperatura de toda a Europa, com +1,54 C em relação à média do período 1961-1990 “e é considerado um hotspot climático, ou seja, uma área que continua superaquecer mais rápido do que a média global”. Isso tem “um impacto alarmante na saúde pública”, segundo especialistas. “Os primeiros dados – explica Chiara Cadeddu, professora de Higiene e Medicina Preventiva em Cattolica e coordenadora do arquivo – nos fazem acreditar que em 2022 teremos um excesso de mortalidade por calor, como aconteceu em 2003, quando houve cerca de 25% de óbitos além dos meses de verão, com picos de 32% em algumas cidades como Trento e Turim”.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.