A ascensão da extrema direita em Portugal

O Bairro da Jamaica, bairro popular nos arredores de Lisboa, tem estado no centro de um dos episódios mais polémicos da política portuguesa nos últimos meses. Em 2019, durante uma visita surpresa, o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa posou para uma foto com uma família residente na zona. André Ventura, líder do partido de extrema-direita Chega, havia criticado a iniciativa, chamando os familiares do grupo de “bandidos”. Uma indignação pela qual Ventura foi denunciado e condenado em 2021 por um tribunal de Lisboa, que o obrigou a pedir desculpas publicamente.

Apesar do pedido de desculpas, Ventura disse discordar fortemente da condenação do tribunal, salientando ao mesmo tempo que não queria arrastar o partido para “um abismo jurídico e financeiro”. Em Santo Isidoro, cidade a 50 quilómetros de Lisboa, o partido obteve forte apoio nas recentes eleições autárquicas e presidenciais. Ainda assim, encontrar alguém que admita ter votado no Chega é quase impossível. “Eles falam muito e as pessoas os ouvem, eu também os escuto – disse um morador à Euronews -. Mas não acho que os extremistas vão a lugar algum. As coisas vão ficar como estão”.

“Quando falo com meu grupo de amigos e conhecidos sobre a última eleição, não posso dizer quem são os eleitores desse partido, ou quem defende esses ideais, porque ninguém aqui na região os conhece”, disse outro morador . Em 2019, no entanto, um membro local do Chega foi eleito para o parlamento.

O projeto jornalístico “Settantaquattro” estuda os fenômenos da radicalização. Recentemente, membros do grupo se infiltraram na versão em português dos Proud Boys, um conhecido grupo de extrema-direita americano, por três meses.

“A ideia de que não havia extrema direita em Portugal era, de facto, um mito – explica o jornalista Filipe Teles -. A ascensão do Chega ocorreu no contexto do crescimento da extrema direita a nível europeu e internacional, com a eleição de Bolsonaro, a eleição de Donald Trump e a ascensão de Marine Le Pen na França. Na Espanha, o Vox já havia entrado no parlamento antes do Chega”.

“A extrema direita mudou esteticamente, não são mais skinheads com cabelo raspado e jeans – diz o jornalista Ricardo Cabral Fernandes -. certo, mas ao mesmo tempo há tempo para dizer coisas de extrema-direita e brincar com essa ambiguidade e bancar a vítima. As ideias ainda estão lá, mesmo que não sejam expressas explicitamente”.

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *