A bola tecnológica da Copa do Mundo salvou o Japão? Veja como funciona

No Mundial do Qatar 2022, os protagonistas não são apenas futebolistas e treinadores. o Tecnologia vai à loucura, e além do VAR, dessa vez tem também o tecnologia de bala para intrigar os entusiastas.

Chama-se Al Rihla e dentro dele esconde-se um tecnologia microscópica mas capaz de fazer grandes coisas. Tanto que, já na fase de grupos, resolveu problemas importantes.

Revelamos como funciona o Al Rihla, o que pode fazer e… como pode ser feito recarregarassim como um smartphone.

Como funciona a tech ball e por que precisa ser carregada como um smartphone

Assistindo à Copa do Mundo da FIFA 2022 no Catar, você pode notar futebol nas laterais que são conecte-se com a corrente. Como isso é possível?

Simples: porque são tecnológica Eles também. A bola da Copa do Mundo é chamada Al Rihlaque significa “a viagem”, e é produzido por Adidas. Dentro esconde um muito moderno um microprocessador de computadorquem coleciona enorme quantidade de dados e enviá-los (sem intervenção humana) para um computador.

Por se tratar de um objeto tecnológico, já não basta que o balão seja inflado. Como o chip descarrega com o uso, deve ser assim recarregado via energia, assim como um smartphone.

Isso não é tudo: tivemos que forçar o chip muita luz, ou teria afetado a jogabilidade da bola. Pesando apenas 14 gramas, sua bateria interna é pequena, por isso precisa ser recarregada muitas vezes.

A sua autonomia é de 18 horas se não for utilizada, e reduz-se a apenas 6 horas se estiver em uso. Em outras palavras, como os jogadores de futebol também se aquecem com ele, é preciso carregá-lo para ter certeza de que funciona. antes de cada jogo.

Para que serve a bola técnica da Copa do Mundo?

O chip de Al Rihla não é secundário. Outras tecnologias do passado no futebol coletaram dados importantes, sim, mas ainda renunciáveis; funciona no entanto diretamente no jogo.

Um dos fundadores da empresa que produziu o chip (Kinexon) esclareceu como funciona: cada vez que a bola é tocada, o chip detecta todos os movimentos. 500 quadros por segundo. Nada mal.

Seus usos são realmente práticos. Alguns dados são transmitidos ao pessoal da sala VAR, para intervir em casos muito duvidosos. Resumidamente, a bola técnica auxilia diretamente o VAR e o árbitro da partida em andamento.

O caso mais comum é o de impedimento semiautomático, porque o chip detecta se alguém o tocou e quando. Combinado com tecnologias instantâneas, o quadro exato para determinar se um jogador estava impedido por alguns centímetros. Mas esta não é a única aplicação.

O que a bola com o chip influenciou: entre Cristiano Ronaldo e o bom gol do Japão

Para o impedimento semiautomático, o chip já foi utilizado diversas vezes, de forma natural e sem publicidade. Mas uso diferente em causa Cristiano Ronaldoque afirmou ter acertado um cruzamento (depois finalizou na rede, para o gol de 1 a 0) chutado por Bruno Fernandes durante o Portugal – Uruguai.

O chip analisou a aceleração e a trajetória do cruzamento, calculando que o lançamento não foi alterado. Resumindo, Cristiano Ronaldo não tocou nela de forma alguma, então o golo foi concedido a Fernandes e não para ele, graças ao chip.

Ao contrário do caso degol inesperado de 2 a 1 para os japoneses em Japão – Espanha. O frasco “tech” não afetou o porquê Não é capaz dizer se ele estava em campo ou fora. Não há sensores no campo que delimitam a linha.

Aqui os fatores decisivos foram imagens de alta qualidade disponível para o VAR: descobriu-se que um pequeno canto do lançamento da bola ainda estava na linha. E a regra diz que a bola só está fora de jogo se toda a bola, incluindo o arremesso, cruzar a linha branca.

Então: meta normal e, graças a ele, o Japão eliminando a Alemanha!

Magia de um futebol que é questão de centímetros e que vive uma nova vida tecnológica, entre bolas de chips e câmeras de definição inimaginável.

Harlan Ware

"Aficionado por zumbis que gosta de hipster. Explorador típico. Defensor da cultura pop. Nerd de mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *