A caravela portuguesa infesta os mares da Sicília, banhando-se no hospital de Catania

Primeiro uma observação de Chiavari. Outro na Sardenha e, finalmente, no lado calabrês do Estreito de Messina: em Villa San Giovanni. Há várias aparições nesta temporada de verão de Physalia physalis, em “arte” caravela portuguesaque à primeira vista pode parecer uma água-viva, mas na realidade é uma espécie completamente diferente que, segundo a Universidade de Catania, é “uma das criaturas marinhas mais perigosas que um banhista pode encontrar em nosso mar”.

De fato, sua presença parece ter levado à hospitalização de um nadador, devido à sua picada nas ilhas Cyclops, agora na unidade de terapia intensiva do hospital Policlinico San Marco, em Catania.

Para ser justo, ainda no ano passado a espécie foi avistada ao largo da costa da Sicília e isso não deve surpreender: de facto, a caravela portuguesa de origem atlântica já está presente no mar Mediterrâneo. meados do século 19.

Sem psicose então, apenas muita atenção. Mas o que é a caravela portuguesa? Como mencionado anteriormente, esta não é uma água-viva, mas uma um sifãoum animal marinho formado por uma colônia – na verdade – de 4 polvos e medusas que estão conectados entre si e funcionam como órgãos únicos de organismos celulares, especializados a ponto de serem totalmente dependentes uns dos outros.

A cabeça mede entre 9 e 30 centímetros de comprimento, até 15 centímetros de altura, principalmente transparente com tons que variam entre azul, roxo, rosa ou malva. Um animal com cores e origens certamente fascinantes que, no entanto, é melhor observado de longe, dados os tentáculos capazes de atingir 30 metros de comprimento, que o tornam o animal mais longo do mundo.

Precisamente este último, os tentáculos, causam danos e sintomas semelhantes a medusas mas mais grave: vão desde feridas sangrentas, que podem deixar cicatrizes significativas, até choques anafiláticos nos mais sensíveis aos 10 tipos de venenos contidos nos tentáculos. No entanto, na grande maioria dos casos, as picadas causam dor intensa que geralmente desaparece após algumas horas. A situação é diferente para feridas vermelhas, que precisam de 48 a 72 horas para cicatrizar.

© Todos os direitos reservados

Frideswide Uggerii

"Extremo nerd do Twitter. Especialista freelancer em cultura pop. Fã de zumbis. Amante de comida. Fanático por música certificado. Jogador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.