A ciência confirma; as estações não existirão mais

Pode ser chamado de palpite. É aquela que nas conversas de bar nos comunicamos usando expressões como “o clima enlouqueceu”, “as estações mudaram”, “não há mais meias estações” e assim por diante. Em suma, parece-nos perceber que o clima entrou numa fase confusa, como se tivesse ultrapassado um certo limiar, dentro do qual reina uma ordem feita de ciclos e regularidades.

Um novo estudo sobre Astrofísica terrestre e planetária parece chegar às mesmas conclusões, embora de forma matemática rigorosa. A tese de pesquisadores do Departamento de Física e Astronomia da Universidade do Porto, Portugal, é que a atividade humana está na origem de uma transição de fase no clima da Terra, comparável à dos materiais, por exemplo, um cubo de gelo mudando de sólido para uma fase líquida, ou uma poça de água mudando de uma fase líquida para uma fase gasosa. A nova fase do clima da Terra, segundo os pesquisadores, seria caracterizada por uma mudança radical na regularidade das estações e do clima.

Deve-se considerar que, em sua longa história, nosso planeta sofre periodicamente mudanças climáticas, passando de um estado de equilíbrio para outro. O desencadeamento dessas mudanças são fatores externos, como a erupção de um vulcão ou mudanças em escala astronômica, como as da órbita. O modelo apresentado pelos pesquisadores, chamado de “mapa logístico”, prevê que as emissões de dióxido de carbono levarão a Terra não a uma nova fase de equilíbrio, mas a algo que nunca vivemos, uma fase de “comportamento caótico” sem esperança de resolvendo ainda mais o problema.

Os mapas logísticos geralmente são usados ​​para descrever como uma população evoluirá até que um certo limite seja alcançado quando certos fatores mudam: aumento do número de indivíduos, disponibilidade de alimentos, pressões seletivas, etc. Nesse caso, os pesquisadores simularam diferentes evoluções possíveis do mapa logístico humano em função do aumento da população, da política de combate ao aquecimento global, das emissões de dióxido de carbono, do surgimento de novas tecnologias e muito mais.

No cenário mais otimista, as emissões de dióxido de carbono atingem um limite e o clima se estabiliza em uma fase difícil para a humanidade, e diferente de outras fases do passado apenas no clima mais quente. Em outras palavras, o cenário otimista prevê a agitação das correntes oceânicas, fenômenos extremos, elevação do mar, derretimento do gelo e muito mais, mas ainda uma certa regularidade das estações e outras características climáticas.

No entanto, no cenário mais pessimista, o clima da Terra evolui para o caos, ou seja, para um estado de não equilíbrio onde as regularidades estão ausentes. Em particular, a Terra teria estações que mudam a cada dez anos ou mais, mesmo de um ano para o outro. Por exemplo, um ano pode ter um inverno com fenômenos extremos nunca experimentados pela humanidade, no ano seguinte, no mesmo período, o clima pode se assemelhar a uma espécie de primavera constantemente amena e em outro ano o mesmo período pode até ser muito quente. A mesma temperatura pode oscilar repentinamente em pouco tempo, por exemplo, três dias muito quentes e os três dias seguintes frios. Tudo isso sem que haja uma direção, uma tendência previsível, um “padrão”, como chamam os anglo-saxões. É improvável que as plantas e a vida em geral se adaptem rapidamente a tal situação. A Terra se tornaria uma espécie de planeta louco onde a vida humana como a conhecemos hoje é impossível.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *