A Direita e 25 de abril

Se é verdade que a direita italiana não questiona os valores fundadores da República, em 25 de abril terá que participar das comemorações do aniversário da libertação da Itália. Discurso de Vincenzo Mattina

Os atos de um governo merecem sempre atenção vigilante, mas devem ser objeto de diálogo político e, se necessário, de contestação social nas etapas de anúncio, formulação e formalização. I behavior dei suoi membri vanno, invece, valutati in tempo reale, ogni volta che si traducono in segnali di turbamento, che vadano a toccare i valori del patto costituzionale democratico voluto all’indomani di torsioni della storia, quali sono state la dittatura fascista e Segunda Guerra Mundial.

Entre esses sinais está certamente o silêncio do presidente Meloni por ocasião do centenário da marcha sobre Roma, certidão de nascimento do ponto de virada que levou a Itália a se transformar de uma monarquia constitucional em uma ditadura, marcada por perseguições e crimes contra dissidentes, por um político modelo feito de imposições, proibições, anulação da liberdade de pensamento e de imprensa. Inspirava-se nas viradas autoritárias na Espanha, em Portugal e, com uma comunidade ideológica mais forte, na Alemanha, antecipando a posterior aliança em ação e visão, com a conseqüente adoção da mais atroz discriminação racial de que a história da humanidade lembra. .

Para tornar o silêncio mais ensurdecedor foi acrescentada a entrevista do Presidente do Senado, Ignazio La Russa, um A pegada de 30 de outubro, em que se declara “super partes e não celebrará o 25 de abril”, pois para ele é importante afirmar todos juntos “W Itália e derrotar o fascismo e o antifascismo”… porque o que vale é ” pacificação”.

O sen. La Russa não é um imbecil e não entendemos como ele pode considerar no mesmo nível dois fenômenos políticos inexoravelmente opostos e completamente alternativos.

O ato de pacificação, em todo caso, foi feito com o decreto presidencial de 22 de junho de 1946, n.4 do governo De Gasperi por iniciativa do ministro da Justiça Palmiro Togliatti, tanto que o próprio nome do personagem qualifica esta anistia mais do que a sua numeração no Diário Oficial da República. Este ato era desejado por todo o governo, que era composto, assim como por Alcide De Gasperi para os democratas-cristãos e Palmiro Togliatti para o Partido Comunista Italiano, também por Pietro Nenni para o Partido Socialista Italiano da Unidade Proletária (posteriormente PSI), por Riccardo Lombardi e Ugo La Malfa pelo Partido da Ação, por Epicarmo Corbino pelo Partido Liberal Italiano, por Enrico Molè pelo Partido Democrático Trabalhista e por 18 outros membros ainda dos mesmos partidos com a adição de 2 soldados de alta patente.

Estas festas já não existem hoje, embora o seu património cultural ainda esteja vivo.

A data de 25 de abril é o marco no processo de libertação da ditadura e do nazi-fascismo. Milhares de italianos, civis e soldados, conscientes de terem sido usados ​​cinicamente numa guerra sem esperança e com motivos abjetos, merecem o crédito por terem reagido com coragem, apoiando a libertação do país com o apoio dos Aliados. Uma memória para todos remonta à mobilização do povo napolitano que, em quatro dias, de 27 a 30 de setembro de 1943, conseguiu fazer de sua cidade a primeira da Europa a forçar o Wermacht a recuar e antecipar que em 25 de abril de 1945, o dia da libertação de Milão, que marcou a derrota final do nazi-fascismo.

25 de abril é tudo isso; é a passagem histórica que permitiu a eleição e convocação da Assembleia Constituinte em 1946 e a posterior adoção em 1948 da Constituição, que continua a ser um arquétipo em todo o mundo e a partir da qual se legitima também a viragem de 25 de setembro de 2022, com satisfação para uma parte dos italianos, com amargura para outra, com desorientação para os 40% de eleitores/eletricistas que desistiram de votar; antes disso, esboça-se a perspectiva de uma dialética rígida e intransigente.

O optimismo da vontade leva-nos a crer que a sua gestão por agregados políticos e sociais (sindicatos, terceiro sector) está orientada para a compreensão das mudanças de época em constante evolução e para a identificação de objectivos e acções capazes de as dominar, contando com a melhor valorização do capital humano e não em modelos providenciais ou aventureiros. A primeira mostra bem a renda de cidadania na formulação adotada quando alguém a batizou como instrumento de abolição da pobreza; este último refere-se à propensão dos homens e mulheres do governo Meloni a considerar as instituições europeias como um fundo do qual se extrai sem regras e onde se batem os punhos, pelo menos na esteira de uma democracia iliberal nascente no Leste, não como o grande projeto de levar a ordem política mundial a um estado de estabilidade, baseado na extensão da democracia, no controle social da economia, na integração das atividades de pesquisa e não mais na balança de poder militar.

Segue-se que devemos preparar a celebração do 25 de abril com espírito de fraternidade nacional e europeia; a única bandeira a ser hasteada será a da ANPI (Associação Nacional dos Partidários da Itália). É verde, branco e vermelho, como a bandeira nacional, com uma estrela no centro que reproduz as mesmas cores; esta bandeira foi adotada em 1797 pela República Cispadana, então, em 1848, identificou o Reino da Sardenha, com a adição do escudo cruzado de Sabóia no centro, enquanto a partir de 1860 tornou-se a bandeira do Reino da ‘Itália; com a proclamação da República em 1946, o brasão de Savoy foi removido e a bandeira voltou à sua versão original.

A celebração de 25 de abril de 2023 deve ser a mais rica em termos de participação, a maior oportunidade de encontro popular sobre nossos valores constitucionais e, portanto, deve ser dividida em 7.904 iniciativas locais, tantas quantas são os municípios italianos. Se é verdade que a direita italiana não questiona os valores fundadores da República, ela deve participar.

ASSINE A NOSSA NEWSLETTER

Subscreva a nossa mailing list para receber a nossa newsletter

Registo com sucesso, deverá receber um e-mail com o qual deverá confirmar o seu registo. Obrigado da EnergiaOltre!

Erro

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *