a façanha de Simone Cesaroni de Misano

Simone Cesaroni44, voltou para casa no final de maio Misano Adriático depois de realizar um feito em que vinha pensando há algum tempo: enfrentar Caminho de São Jaques de Compostela. A diferença – em comparação com muitas outras pessoas que percorreram o Caminho – é que Simone perdeu a perna esquerda: “Aos 8 anos, fui diagnosticado com osteossarcoma” – Simon diz – “Alguns meses após o diagnóstico, tiveram que me amputar e fazer quimioterapia. A mortalidade por esse tipo de câncer, em 1987, era bastante alta, mas acabei me livrando. Fiz a primeira prótese poucos meses após a amputação e posso dizer que vi a evolução do mundo protético desde então, pois na época não havia nada tecnológico“.

Fascinada pelas histórias de seus amigos e pela vontade de se testar, Simone começa a planejar sua aventura: “Amigos meus fizeram a viagem e no ano passado um deles, que havia feito parte da seção francesa, se ofereceu para me acompanhar. Quis experimentar esta experiência, tanto para o atleta como para a interioridade. Então, depois de planejar todos os detalhes durante o inverno, o 14 de maio o sonho se tornou realidade. A escolha do percurso recaiu jeito português e a aventura começou na cidade de Oia.

Para enfrentar melhor sua jornada, Simone precisou de um auxílio especial, o joelho eletrônico Genium X3 – fornecido por Ottobock – graças ao que aconteceu santiago depois de uma semana, completando 7 passos de cerca de 20 quilômetros lua. “Devo dizer que fiquei surpreso com o nível alcançado pela tecnologia “- Simon continua – “Se há um aspecto que mais me impressionou, é este: nós amputados, quando andamos, sempre temos uma parte de nossa mente que controla o que a prótese faz, para estarmos preparados para lidar com todas as situações que surgem ao longo do caminho. Aqui com esse joelho não se faz tudo isso. Aos poucos o cérebro esquece de manusear uma prótese, pois o joelho pode te trazer uma segurança incrível, estar sempre no lugar certo na hora certa. A fluidez do passo elimina o efeito de mola de uma prótese mecânica ao retirar o pé e reduz significativamente o consumo de energia ao caminhar. Houve momentos durante a viagem em que me senti como se tivesse duas pernas novamente. Foi muito emocionante!”.

Curtiu isso Alessandro Paolettiresponsável pelas vendas de próteses Ottobock: “Simone, graças à tecnologia e próteses adaptadas, conseguiu enfrentar e superar um desafio que para muitos pode parecer trivial, o do Caminho de Santiago (147 km em 7 dias). Durante esses 147 km, Simone percebeu que agora é possível recuperar a mobilidade, o descuido e a qualidade de vida que desfrutava antes de perder uma perna e finalmente voltar a uma vida normal e independente. Estas tecnologias estão disponíveis para todos em muitos países da comunidade europeia, mas a Itália é um dos poucos países que ainda não o permite e por isso pode pagar para obter o que descobriu ser a norma para muitos, ele irá considerar se vai depender de angariação de fundos ou solicitar um empréstimo. O montante necessário ronda os 80.000 euros.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.