A hipocrisia do hemisfério sul sobre o conflito na Ucrânia

Kyiv se defende de uma guerra colonial. No entanto, os campeões da libertação nacional – como China, África do Sul e Índia – piscam para o imperialismo russo

Em uma conferência de segurança em Bratislava, o jantar de gala foi dedicado à Ucrânia. As mesas receberam nomes de cidades ucranianas, incluindo Irpin’ e Bucha. Os dignitários internacionais mal podiam conter as lágrimas ao proferir os discursos sobre a guerra”. Assim começa o artigo do analista português Bruno Maçães na revista New Statesman. “Um prêmio foi dado ao povo ucraniano. Um cantor ucraniano nos encantou com sua voz. Mas na manhã seguinte, o ministro das Relações Exteriores da Índia, Subrahmanyam Jaishankar, que estava sentado à mesa principal, subiu ao palco e admitiu que não tinha opinião sobre a disputa. A Europa, disse ele, deve parar de pensar que seus problemas são compartilhados por todo o mundo. Em mais de uma ocasião, Vladimir Putin defendeu sua guerra como uma guerra colonial. Em recente encontro com empresários russos – todo empresário iniciante deve aprender a adquirir uma ou duas colônias – o presidente explicou que se considera a reencarnação de Pedro, o Grande, e que o mundo está dividido entre países coloniais e colonizados. Poder-se-ia esperar que a Índia estivesse na vanguarda da reação contra um projeto tão claramente neocolonial.

Mas a Índia, que muitas vezes fala do papel destrutivo dos impérios britânico e mogol, não condenou a Rússia. De fato, 2 de março foi um dos poucos países que se abstiveram de uma resolução da ONU pedindo à Rússia que parasse a guerra e se retirasse da Ucrânia. Jaishankar estigmatizou o massacre de Bucha e pediu uma investigação, mas também o Kremlin, segundo o qual o assassinato de mil pessoas, incluindo muitas crianças, foi realizado por tropas ucranianas ou encenado pelo Reino Unido. A Índia está em boa companhia. A África do Sul, que tem uma longa e significativa história anticolonial, permanece indiferente à Ucrânia. Se a invasão do Iraque em 2003 foi o momento em que o Ocidente falhou em manter seus próprios padrões, como o princípio da integridade territorial e o direito internacional humanitário, A Ucrânia é a época em que o Sul Global falhou em honrar seus ideais anticoloniais e antiimperiais. Para os ucranianos foi uma guerra de libertação nacional, mas os profetas dessa ideia – China, África do Sul e Índia – ficaram de lado e assistiram.

Uma teoria popular é que o futuro da ordem liberal ocidental está na balança na guerra na Ucrânia. Neste caso, o conflito é um novo episódio de uma espécie de guerra fria permanente contra o poder totalitário. Mas há uma segunda história que une os acontecimentos mais importantes do século passado: a luta anticolonial. A questão não é tanto como organizar a sociedade, mas a ordem internacional. Reconhecemos que cada país é um ator – um sujeito autônomo nos assuntos internacionais – ou aceitamos que certas partes do mundo são apenas objetos de poder? É uma questão de liberdade projetada em grande escala. Quando Putin descreve a Ucrânia como um território de conquista, fica claro que a guerra é entre forças coloniais e anticoloniais. O Kremlin não está tão interessado em derrubar a ordem internacional, mas em retornar a uma época em que as grandes potências podiam se expandir de acordo com sua vontade de poder.

As reações na Europa seguiram uma tendência previsível. Nacionalistas poloneses do partido Lei e Justiça ficaram do lado da Ucrânia. Sua ideia nacional sempre foi baseada na resistência à conquista das potências industriais que cercavam a Polônia, para que não lutassem para reconhecer um velho inimigo. Mas nacionalistas na França, Itália e Hungria são a favor do Kremlin porque sua ideia nacional está intimamente ligada ao imperialismo – muitos estão ansiosos para retornar ao mundo dos impérios. A lição mais dolorosa da história do colonialismo ainda está viva. Essa ideologia parecia confinada ao passado devido ao fim do colonialismo europeu: levada a extremos inimagináveis, colidiu com as guerras devastadoras do século XX, das quais a Europa emergiu exausta e desacreditada.

O Terceiro Reich pretendia colonizar a própria Europa. “O que é o fascismo senão o colonialismo aplicado a estados tradicionalmente colonizadores? pergunta Frantz Fanon. O colapso da Alemanha nazista encerrou a era colonial, mas agora estamos testemunhando seu renascimento.
Além da Ucrânia, percebe-se uma tentação colonial na competição por recursos naturais, hoje dramaticamente exacerbada pela instabilidade geopolítica e pela transição energética. O debate público se concentrou na promessa de energia renovável, mas essas tecnologias complicaram as cadeias industriais. A necessidade de minerais de bateria, como cobalto ou lítio, por exemplo, pode levar a uma competição renovada pelo controle de áreas geográficas específicas. A crise alimentar global criada pela Rússia para ganhar influência nas mesas de negociação é outro reflexo de nossa história colonial compartilhada.

Muitos ficaram intrigados com a recusa da Índia e da China em condenar a invasão russa. As noções de democracia e autocracia estão longe de seus pensamentos: para esses países, as apostas são diferentes. China e Índia sentem sua força aumentar. Sua vontade de expandir voltou. Depois de suportar séculos de humilhação nacional, o futuro é deles. VS Naipaul chamou a Índia de civilização ferida, mas a civilização ferida se reafirma. Para esses gigantes, uma nova era colonial não deve ser temida e, para alguns em Nova Délhi e Pequim, pode até ser uma oportunidade”.

(Tradução de Gregório Sorgi)

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.