A história continua: Portugal 1976, Itália 2022

[Un commento alle elezioni portoghesi del 1976 (che vide il partito comunista subire una storica sconfitta di fronte al socialista Soares che divenne Primo ministro), diventa oggi vitale e reale, una sorta di paradossale anticipazione, di quel che è successo in Italia. Una sorta di preveggenza … ]

Uma tarde silenciosa folheando velhos livros ilustrados. EU’Iconologia de Cesare Ripa, de Perugia, não me canso. Quase decido propor uma edição moderna. Suas trezentas e cinco gravuras retratam sentimentos, situações morais, razões e nações personificadas, conforme definido pela grande retórica do último Renascimento.. “Trabalho útil para oradores, pregadores, poetas, pintores, escultores, designers”, diz a página de rosto: para quem deve retratar ou pintar figuras morais.

Eram pessoas sérias: haviam elaborado seu aparato de metáforas em signos indubitáveis.

Se você quiser imaginar oBastante, que é a primeira figura do livro, foi necessário levar “uma mulher agradecida, com uma bela guirlanda de flores vagas circuladas na testa, e o vestido verde bordado a ouro, à direita ela segura a cornucópia cheia de muitos e frutas diferentes, no braço esquerdo segura um feixe de espigas de trigo… Você tem que pintar Abundância Bela e grata, como a Fome é feia e abominável”.

E assim sucessivamente, entre A preguiça E Adulação, Chiado E Agricultura, Alegria E AmbiciosoEnquanto Virgindade E Virilidade, Vida curta E Vida Longa, Vai ser E Zelosoque encerra o show.

Tentando ver se eu poderia dobrar Ripa para algumas situações atuais.

Onde eu iria procurar o Antílope com seu sapateiro? Depois Correçãoexiste, sim, o Corrupção, com apenas uma descrição verbal, sem figura. Mas não é a corrupção dos políticos que falta: é a dos “juízes”, ser retratada como uma mulher “sentada de lado no Tribunal”, uma corrente de ouro na mão e uma raposa nos pés”: à parte, para indicam a “deformação” da vontade do juiz; o colar significa o ouro que corrompe, enquanto a raposa representa a astúcia.

Se eu tivesse que imaginar nossa condição hoje com os métodos de Ripa, procuraria, por exemplo, uma “liberdade em perigo”. Mas aqui há apenas Liberdade, uma mulher vestida de branco, cujas bugigangas e situações não são para nós.

Fecho o livro, foi absurdo encontrar as metáforas de nossas ansiedades hoje. Substitui uma iconografia pessoal e secreta, pelas figuras que todos desenham em suas mentes. Sempre imaginei essa liberdade que é nossa, e não de hoje, como uma mulher amarrada a um poste, parada em um poço onde a água cresceu. Chegou primeiro aos quadris, depois ao peito, depois, numa longa agonia, à garganta, ao queixo. Excluiu-se que a mulher pudesse derreter e salvar-se, e ainda excluiu-se que a água pudesse descer. Ele pára a mulher, em sua condição passiva, forçada a sofrer todas as feridas, e a água que sobe sobe cada vez mais alto. A cada eleição uma linha mais alta. O último, o de 15 de junho, lambeu os lábios.

O que aconteceu em Portugal despedaçou a figura fatal desta metáfora. Antes da ordem estritamente política, os acontecimentos portugueses pertencem ao mundo da mitologia contemporânea.

A verdadeira força do comunismo, tal como se apresenta à mentalidade resignada e confusa do homem ocidental, reside na capacidade com que conseguiu fazer-se acreditar inescapável. Que o mundo só vai por um lado é um lugar-comum infiltrado nas mentes mais astutas, que fez seu ninho nos cérebros mais resistentes a todos os tipos de dogmas.. “O mundo vai para a esquerda”, gritado com triunfo ou suspirou com resignação, é uma das pedras angulares da retórica contemporânea. Como se o movimento fosse fixado por leis imutáveis ​​que orientam os planetas e constelações da política.

O que o comunista conquista não está mais em disputa. A luta pelo que resta continua. A comunidade gosta de se apresentar, na Iconologia de hoje, como filha da Necessidade e do Destino, e irmã da História.. Se eu tivesse que pintá-lo, eu o apresentaria com a História na coleira, tão difundida é a persuasão de sua fatalidade, e quase a persuasão, entre aqueles que ainda se opõem a ela, de travar uma batalha perdida.

Em vez disso, não. O Pequeno Portugal ensina que se alguém tirar o bujão da banheira ou fechar a torneira, a água para de subir e a mulher amarrada nunca morre.

Se alguém desamarra as histórias da coleira, o partido do progresso perde golpes, recua, reduz-se ao isolamento, implorando a sobrevivência dos insolentes e ameaçados companheiros de viagem de ontem.

É claro que esperar milagres não é suficiente. Para fazê-lo recomeçar, talvez seja necessário acordar e viver, e não espíritos resignados ao alojamento ou à fuga. Mas Portugal ensina que é possível.

Como escreveu o falecido Gaetano Arcangeli em um encantador epigrama: “A história, sim, continua; / mas também algumas paradas / às vezes, ele se permite… / Assim em certas estações, / onde entre multidões e gritos / de chegadas e partidas, / trovões de alto-falantes / anunciando coincidências, / há quem não perceba / que, com uma manobra rápida, sem que ninguém ouça nada, / as carroças da frente, / aqui, passam na cauda”.

Trecho de “Il Giornale”, 30 de abril de 1976

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *