A inundação de Marche foi causada por um rio atmosférico tropical

O rio atmosférico de origem tropical que atravessou a Itália ontem na simulação do modelo IVT. O produto é feito com dados do NCEP Global Forecast System (GFS), North American Mesoscale Forecast System (NAM), Global Ensemble Forecast System (GEFS – v12) e European Center (ECMWF)

Depois de atingir a Espanha e Portugal, como evidenciado por este artigoInfelizmente, o mau tempo também atingiu muito a Itália, com uma inundação muito grave que semeou ontem à noite morte e destruição na província de Pesaro Urbino, afetando diretamente os municípios de Cantiano e Sassoferrato.

O desenvolvimento de um perigoso sistema de tempestade de mesoescalatipo linear “V-Tempestade”, despejou trovoadas que acumularam até 419 mm de chuva, em pouco mais de 6 horas, no município de Cantiano. É um número impressionante. já que estamos falando de 419 litros de água por metro quadrado.

Uma verdadeira avalanche de água, que caiu em um período de tempo muito curto, o que provocou o instantâneo completo dos principais rios do local, com as consequentes enchentes e importantes fenômenos de erosão.

A temida “tempestade em forma de V”

o “V-Tempestade” eles são poderosos sistemas de tempestade linear de mesoescala. A característica dessas tempestades, que assumem personagem de autocuraé aquela que, na parte mais meridional, ao longo da ponta do “V”onde ocorre a precipitação mais intensa, também podem existir elementos “supercelulares”, com intensa rotação, particularmente habituados ao desenvolvimento de violentas chuvas de granizo e fenómenos de turbilhão nas zonas costeiras.

Geralmente se formam na presença de fortes instabilidades, ao longo do setor quente (fluxo pré-frontal) de uma circulação de baixa pressão, estruturada nas camadas média e inferior, ou no ramo ascendente de um bolsão longo (como aqui), que desce diretamente das altas latitudes, ativando nas vertentes orientais destas últimas um intenso fluxo de correntes meridionais em todas as altitudes, com velocidades consideráveis ​​na média e alta troposfera (fluxo geralmente sul, S-SW e SW).

A forma característica de um “V” estas tempestades, características da estação do outono no Mediterrâneo, ela se desenvolve quando uma violenta “corrente ascendente” (corrente ascendente que alimenta a tempestade) entra na estratosfera inferior, causando um “topo transbordante” que bloqueia o vento em níveis mais altos, forçando o fluxo a divergir dela. O vento muito forte soprando na estratosfera inferior apenas corrói o topo da“Updraft” e transporta os restos da nuvem de tempestade para a área a favor do vento.

As células mais intensas estão ao longo do topo do “V”, Sul ou Sudoeste, onde se concentram os fenômenos mais violentos e extremos, com chuvas torrenciais e atividade elétrica em grande escala (muitos raios positivos). Uma grande parte das inundações repentinas que ocorreram na Itália, e mais geralmente na bacia do Mediterrâneo, deve estar associada a essas Tempestades em “V”.

O que favoreceu o desenvolvimento de uma tempestade tão violenta?

Comparado com outros “V-Tempestade” observado no passado na Itália, o responsável pela enchente de ontem foi formado no interior dos Apeninos, entre a região de Arezzo, a parte mais setentrional da Úmbria oriental e o interior das Marcas, e também foi alimentado por um intenso “forçamento” orográfico (efeito trampolim), induzida por relevos imponentes, como o maciço de Catria, que culmina a 1701 metros acima do nível do mar.

o violento tempestade de “auto-cura” no entanto foi bem alimentado por um longo “Rio Atmosférico”vindo do Atlântico subtropical, que ontem atingiu a bacia central do Mediterrâneo, em um leito de intensas correntes W-SW e SW.

Este canal de umidade tropical, na média troposfera, é conduzido por nada menos que os remanescentes da antiga furacão “Danielle”que nos últimos dias se aproximou para as costas da Galiza e Portugal, evoluindo para um ciclone com características subtropicaisentrou no centro-oeste do Mediterrâneo, disponibilizando para a atmosfera uma enorme quantidade de vapor de água que produziu fenómenos de precipitação muito intensos, como os que ocorreram nos últimos dias entre Espanha e Portugal.

Mas o que são “rios atmosféricos”?

Com o termo “Rio Atmosférico”Em inglês “Rios Atmosféricos”queremos dizer um canal de umidade, nas altitudes médias e altas da troposfera, que transfere enormes quantidades de vapor de água das latitudes tropicais para a Europa e América do Norte.

Analisando os mapas, referentes a ontem, notamos como a Itália foi atravessada por um importante “Rio Atmosférico”das latitudes tropicais do Oceano Atlântico próximo, o que ajudou a melhorar as chuvas, criando o ambiente ideal para o desenvolvimento de tempestades severas e extensas e intensas faixas de chuva ao longo da zona iônica.

Quando, por razões orográficas (presença de relevo), ou dinâmicas (dentro do correias transportadoras quentes de um ciclone extratropical), são forçados a subir, “rios atmosféricos” também podem causar precipitação de natureza aluvial. A de ontem deve-se, sem dúvida, ao primeiro caso, isto é, a razões orográficas.

Os relevos dos Apeninos da Toscana e Marchigiano elevaram esse canal de umidade, mesmo muito fortemente para cima, favorecendo a rápida condensação da umidade e o desenvolvimento da gigantesca tempestade cumulonimbus, responsável pelo evento de inundação.

Falando em “rios atmosféricos” e inundações

Estudos recentes mostraram como a maioria dos eventos de inundação, que ocorreram tanto na Europa quanto na América do Norte, deve ser atribuído a esses chamados “Rios Atmosféricos”, verdadeiros “rios atmosféricos” em grandes altitudes que carregam grande quantidade de vapor d’água ao longo do lado ascendente (pré-frontal) dos ciclones extratropicais.

Esses corredores de ar muito úmido, muitas vezes muito estreitos e escondidos na “Correia transportadora quente” de ciclones extratropicais individuais, são responsáveis ​​pelas chuvas extremas e inundações que afetam ciclicamente a Europa e o centro e oeste dos Estados Unidos, e também desempenham um papel vital no abastecimento de água dessas regiões.

Também é considerado tal Os “rios atmosféricos” também desempenham um papel vital no abastecimento de água dessas áreas. Na Califórnia, só para dar um exemplo, contribuem com mais de 50% da precipitação anual.

Irvette Townere

"Especialista em mídia social premiado. Viciado em viagens. Especialista típico em cultura pop. Analista vitalício. Amante da web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *