A política italiana olha para Paris e a lacuna Macron-Le Pen – Política

O resultado da eleição presidencial francesa pode ser dado como certo para alguns, dada a ampla margem de Emmanuel Macron sobre Marine Le Pen retratada pelas pesquisas, mas a política italiana vive às vésperas da votação francesa com alguma turbulência. As diferentes porcentagens que os dois candidatos obterão no Palácio do Eliseu reforçarão as demandas de alguns partidos das coalizões italianas, com repercussões também na estrutura da maioria do governo.

O primeiro-ministro Mario Draghi, ao contrário de seus colegas alemães, espanhóis e portugueses – que apoiaram Macron – manteve uma estrita reserva, mantendo-se longe do humor da maioria transversal que o apoia. Após o primeiro turno, de fato, se o secretário do Partido Democrata Enrico Letta ou o líder de Iv Matteo Renzi aplaudiram a “pole position” de Macron, Matteo Salvini parabenizou Le Pen. É certo que o actual inquilino do Elysée é actualmente o parceiro mais forte de Draghi na Europa e – observaram os comentadores – a sua confirmação facilitaria ao primeiro-ministro italiano a realização de alguns dossiers fundamentais na Europa, a começar pelo tecto europeu do preço do gás, até à dívida comum para determinados investimentos europeus.

Se no centro-direita a falha foi menos sensacional, no centro-esquerda o desenvolvimento de Giuseppe Conte na sexta-feira em sua equidistância inicial entre Macron e Le Pen acalmou as águas. Letta, sem polêmica, reiterou que “alegrou” Macron: “Se Le Pen vencesse – disse ele – a Europa acabasse, Putin teria vencido e as forças populistas e antieuropeias de direita em nosso país teriam um impulso único e fundamental”.

Talvez para se afastar ainda mais da posição inicial de Conte, Letta repetiu: “Acho que as eleições de amanhã são um referendo sobre a UE, por um lado há quem queira destruí-la e quem ouviu Putin, ou seja, Le Penser, no Por outro lado, aos que querem uma Europa mais forte e defendem o povo ucraniano. Esperamos que Macron vença. “Enquanto isso, dentro do Partido Democrata, a zona reformista, à qual Andrea Marcucci deu voz, insiste em evitar uma aliança com os M5s, em sintonia com o líder da Ação Carlo Calenda.

Dentro do Movimento, no entanto, a ala que se refere a Luigi Di Maio é “macroniana” pelos motivos citados por Letta, como lembrou Sergio Battelli, presidente do Comitê de Política Europeia da Câmara. “Neste momento – comentou o Ministro dos Negócios Estrangeiros – se queremos uma UE forte capaz de limitar o preço do gás, que é uma batalha muito importante, é claro que precisamos de mais europeísmo e a soberania tende a fechar os Estados e destruir a UE e a OTAN”.

Na centro-direita, se Salvini elogiou Le Pen, todos os Fi esperam o sucesso de Macron, definido por Silvio Berlusconi como “um pró-europeu, um moderado, um homem que olha para o Ocidente”. Entre os Azzurri, há temores de que, se a diferença entre Macron e Le Pen for reduzida abaixo de 10 pontos, o segundo podendo romper parcialmente no centro, Salvini possa ser tentado por uma operação semelhante na Itália, com repercussões também sobre a estabilidade. da maioria da equipe Draghi e executivo. A líder da FdI, Giorgia Meloni, por outro lado, reiterou nos últimos dias que compartilha muitas das batalhas de Le Pen, comentando: “Se ela for às urnas com Macron e o resultado for menos óbvio do que da última vez, significa que a posições são consensuais na França e tenho grande respeito pela democracia, ao contrário de outros”.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.