A revolta no Irã também oprime o ‘professor’

O português Carlos Queiroz, muito conceituado durante o seu primeiro mandato (2011-2019), viu o seu regresso à frente da “Team Melli” fortemente condicionado pela revolta em curso no Irão. Cada vez mais, ele é questionado por sua falta de empatia com os manifestantes.

Aquele que é apelidado de “o professor” em seu país natal provavelmente não imaginava as ciladas que enfrentaria ao voltar a comandar a seleção persa pouco antes do início da Copa do Mundo de 2022. Dez dias após a oficialização de seu retorno, o Irã foi abalado por uma onda inédita de protestos após a morte, em 16 de setembro, do jovem Mahsa Amini, que foi preso e espancado pela vice-polícia por não ter usado o lenço islâmico.

Depois de entrar no coração do povo iraniano graças às façanhas futebolísticas que permitiram à seleção persa se classificar para a Copa do Mundo de 2014 no Brasil e 2018 na Rússia, os portugueses rapidamente esbanjaram todo o capital de simpatia acumulado ao longo dos anos, evitando comentar a situação política do país, ao contrário do que tinha feito durante o seu primeiro mandato, durante o qual não hesitou em sublinhar as dificuldades económicas existentes.

O encontro da seleção com o presidente ultraconservador Ebrahim Raissi, organizado pouco antes da partida para o Catar, havia causado mal-estar, amplificado pela recusa do técnico em apoiar explicitamente os manifestantes durante as coletivas de imprensa organizadas na aposentadoria de Doha.

Questionado no dia 15 de novembro sobre os tumultos e possíveis demonstrações de apoio dos jogadores durante a Copa do Mundo, Queiroz explicou que os jogadores têm “o direito de se expressar”. Mas foi imediatamente apanhado de surpresa quando um jornalista inglês lhe perguntou sobre o seu papel como treinador de um país “que não respeita os direitos das mulheres”. “Quanto você está me pagando por esta pergunta?” Não coloque palavras na minha boca que eu não disse. Em vez disso, pense no que está acontecendo em seu país com a imigração”.

Dividir

O técnico português então criticou alguns torcedores do ‘Team Melli’ que estavam convencidos de que os jogadores não estavam apoiando os manifestantes o suficiente. “Por favor, vocês professores, moralistas, deixem essas crianças jogarem futebol – disse -. Não é justo trazê-los para esta Copa do Mundo e pedir que façam coisas que não são de sua responsabilidade. Se os torcedores não querem apoiar seu time, fiquem em casa, não precisamos deles.”

O lusitano de 69 anos sempre foi um treinador agressivo e otimista. No Irã, ele tem sido frequentemente criticado por algumas velhas estrelas por negligenciar os treinadores locais e a liga, às vezes forçando mudanças no cronograma das competições nacionais para realizar campos de treinamento com internacionais.

Em Portugal, quando era treinador (2008-2010, após uma primeira passagem entre 1991 e 1993), atreveu-se a defrontar o craque Cristiano Ronaldo após a má prestação do português no Mundial de 2010. O incidente manchou a imagem do cara. que, 20 anos antes, havia feito nascer a geração de ouro do futebol português.

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *