ADEUS GASOLINA E DIESEL DE 2035: AGORA ESTÁ FEITO

A Europa acordou esta manhã e ao tomar o pequeno-almoço descobriu que 2035 será um ponto de viragem para o continente. A razão está no acordo assinado de ontem para hoje com os ministros do Ambiente da União Europeia que encontraram um ponto de encontro fundamental para o “Fit for 55”, a disposição climática que, entre os seus principais pontos, prevê a a cessação, a partir de 2035, da venda de automóveis a gasolina e gasóleo. O objetivo da medida é um dos mais ambiciosos, ou seja, zero emissões de dióxido de carbono para veículos novos. Ainda que a data em questão pareça particularmente distante, estamos a falar de treze anos, é claro que esta é uma revolução potencialmente histórica, tanto para a vida dos europeus, para os fabricantes de automóveis e para o ‘meio ambiente’.

Há também a Itália entre as vozes que enfatizaram um futuro feito de tecnologias alternativas, incluindo combustíveis sintéticos e híbridos plug-in; afinal, o que está em jogo é a saúde do planeta e quanto mais emissões nocivas forem reduzidas em todos os aspectos, mais o bem-estar da Terra – e não só – será afetado positivamente. O que acontecerá até 2035? Certamente é muito cedo para dizer, mas alguns pontos interessantes surgiram do acordo de ontem à noite. Em primeiro lugar, a prorrogação por cinco anos da isenção das obrigações de CO2 concedida a fabricantes de nicho, nomeadamente marcas de luxo que produzam menos de 10.000 veículos por ano. Além disso, a Itália é um dos países, juntamente com Portugal, Bulgária, Eslováquia e Romênia, que solicitaram que no quinquênio 2035-2040, 10% dos carros movidos a biocombustíveis e sintéticos possam ser registrados, até 20 % no caso de veículos leves.

O Ministro da Transição Ecológica, Roberto Cingolani, também falou no Corriere della Sera, comentando o acordo da seguinte forma: “Esclarecemos o que é necessário para tornar a proposta aceitável para nós: alcançar a neutralidade tecnológica usando combustíveis neutros em carbono após 2035”. A estrada, inevitavelmente, parece destinada a um futuro em que a gasolina e o diesel sejam tão coisa do passado quanto os trens movidos a carvão. Mas pode não ser um futuro próximo apenas no signo elétrico; ou, pelo menos, não necessariamente, mas com uma gama de alternativas verdes. É precisamente neste sentido que Giancarlo Giorgetti, Ministro do Desenvolvimento Económico, afirmou na última edição do Festival de Economia de Trento: “Acredito que o futuro não passará apenas pelos carros eléctricos, mas devemos também olhar para as necessidades dos amanhã. . E também olhamos para as novas tecnologias. Devemos oferecer um conjunto de alternativas, se pensarmos que 80% dos produtos relacionados a carros elétricos são de referência chinesa, não devemos cometer o mesmo erro que cometemos com o gás russo”. De qualquer forma, a decisão tomada da noite para o dia é um passo crucial para a transição ecológica da Europa: a contagem regressiva para 2035 já começou. (29 de junho a fevereiro)

(© 9Column – fonte de citação)

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.