África: um futuro difícil

Que futuro para África e como este futuro estará ligado ao futuro da Europa e ao futuro da cena internacional? Partindo desta questão, parece lógico dizer que os africanos e só eles devem, pela primeira vez na sua história, escrever o seu futuro com total liberdade de escolha. A crise do trigo ucraniano bloqueada nos portos pela guerra lembra a ONU e a Europa de suas responsabilidades na velha questão da FAO de apoio à agricultura na África. A convergência de interesses entre a União Africana, alianças regionais e continentais entre Estados africanos, a presença em si, não efêmera, mas não suficientemente decisiva, das Nações Unidas em África ainda parece insuficiente, líquida do esforço da FAO, para não falar Europa. O que e como fizemos depois da missão de Prodi no Sahel do lado europeu e da ONU? Mesmo que a deriva decisória amadurecida no caso ruandês da década de 1990 não tenha sido alcançada, há de fato uma estratégia coerente, concreta e concertada entre a Europa, a ONU e, sobretudo, os próprios Estados africanos que devem, tanto o colonialismo como os neocolonialismos desapareceram, sejam os únicos e legítimos protagonistas da mudança. Qual estratégia então? Ainda estamos na dúvida pasoliniana entre progresso e desenvolvimento no tema da África, ainda estamos nos projetos europeus dos anos 70, nunca realizados e permaneceram quiméricos por contingências e pragmatismos efêmeros. Ainda não existe uma estratégia multilateral compartilhada entre a ONU, a Europa, a União Africana e os atores regionais sobre a questão da imigração, do Sahel, das mudanças climáticas, da dívida dos estados africanos, a começar pela África do Sul, BRICS, Egito e estados africanos que aspirar a um papel de liderança ou coordenação pan-africano e intercontinental. As sinergias entre as duas margens do Mediterrâneo e entre as duas margens dos oceanos Atlântico e Índico têm sido repetidamente discutidas mas, quase sempre, as perspetivas multicontinentais têm resultado em acordos bilaterais entre Estados ou na hipótese de criação de espaços de desenvolvimento e assuntos econômicos nunca antes realizados.

É credível que os objectivos da ONU sejam utópicos e que seja impossível para África governar um desenvolvimento ecologicamente, migratório e economicamente sustentável? É legítimo delegar o futuro da África à Europa ou à ONU ou a novos atores como a China ou a tradicionais influenciadores econômicos e políticos como EUA, Rússia, França, Inglaterra? Não para nós: de fato, acreditamos que chegou a hora de a África se emancipar definitivamente de qualquer tipo de condicionamento externo, incluindo neocolonial e financeiro chinês. A África não é uma estrada que serve a Rota da Seda, nem novas especulações americanas ou europeias. Com efeito, deve ser dever moral da Europa, como Fassino e Prodi repetidamente enfatizaram em seus respectivos papéis, tratar a África e seus Estados como aliados com dignidade, direitos e capacidade proativa, planificação e igual autonomia. África deve, pode, quer ser uma nova Europa tanto porque faz parte do euromediterrânico e é um recurso ao serviço do futuro da Europa, como porque o objectivo da União Africana e das alianças entre os Estados do continente negro não pode falhar para seguir o exemplo europeu, a criação de uma aldeia africana global, portanto de um estado econômico, político e, esperemos, como na Europa, continental sem fronteiras. É a própria natureza da África que não tem e até nega as fronteiras traçadas em grande parte por colonizadores antigos e recentes, com base na exploração e pilhagem dos recursos africanos. Mas agora que a Europa já não é o centro do mundo e que os antigos colonizadores França, Inglaterra, Holanda, Bélgica, Itália, Espanha e Portugal já não o são, que na realidade vivem a crise da sua dimensão europeia unitária, o A África do futuro, antigamente superados os conflitos e as atuais crises bélicas, migratórias e ambientais, pode ser um exemplo e uma lição de civilização e evolução para a Europa ou o que se tornará no próximo século. A África é um centro mundial em construção, portanto: demograficamente, culturalmente, estou pensando no seu grande crescimento exponencial, no progresso das universidades, estudantes e pesquisadores, centros de pesquisa, sem esquecer o belo projeto Prodiano (proposto em conferência na Lincei), universidades euro-africanas com experiências de estudos bicontinentais, ao mesmo tempo em que a injustamente criticada imigração africana propõe, como historicamente tem acontecido para a emigração em massa para a América do Norte e do Sul. Sul e Canadá e Austrália, as condições para fortalecer o novo nação na economia e no multiculturalismo, sem contar que as raças como afirma L Cavalli Sforza não existem.

Mas é também o momento de promover o projeto de uma união política, econômica e de defesa africana, de afirmar a solidariedade entre norte e sul, mesmo que todos estejam sempre ao norte ou ao sul de um do outro, a centralidade de um continente que já deveria agora têm um assento no Conselho de Segurança da ONU, talvez combinado com o da Europa. Como ocidentais não temos o direito de assumir o futuro da África, pelo contrário somos e sempre seremos devedores da escravidão, do racismo, do colonialismo, da exploração secular. Cabe aos jovens de África, finalmente emancipados da pobreza, da emigração forçada, da fome, do racismo, da falta de cultura e exploração económica e social, construir a nova África sem mais jihadismo, Talibã, sem Estados islâmicos fundamentalistas, sem senhores da guerra em Nigéria como na Líbia ou no Chifre da África. A África do Sul no BRICS é o prenúncio dos estados africanos para o rápido progresso econômico, social e cultural. Mas a África também abriga as culturas mais antigas do mundo, juntamente com a Ásia. A civilização grega ocidental clássica deve muito de suas origens ao Egito e outras civilizações africanas antigas. O próprio Império Romano teve muitos imperadores africanos e nascidos na África, experimentando assim uma universalidade de acesso ao poder que antecipou a realidade atual em vários séculos. O Egito tinha faraós negros. A Turquia teve, especialmente durante o período imperial, uma contribuição decisiva de ideias, emigração e trabalho da África. A América do Norte acaba de viver a experiência de oito anos de Obama, o primeiro afro-americano, mas, mais ainda, em virtude do pai de Barack, o primeiro líder africano da maior potência mundial. A ONU teve líderes africanos extraordinários, incluindo Kofi Annan. Hoje, como resultado da expansão gradual da China na África, a Ásia, por sua vez, está experimentando uma presença africana sem precedentes. O Brasil deve muito de sua cultura e história às contribuições afro-americanas. Não há, portanto, futuro do mundo sem África e África está no centro do futuro do mundo.

Leigh Everille

"Analista. Criador hardcore. Estudioso de café. Praticante de viagens. Especialista em TV incurável. Aspirante a fanático por música."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.