Amplie o escopo dos responsáveis

A Itália que virá depende das decisões que tomaremos em algumas horas. A direita pode ganhar as eleições, mas não é certo que consiga governar um mundo em plena tempestade. Meloni, embora de repente tenha se tornado pró-Atlântico, tem um passado que pesa mais no exterior do que na Itália. Salvini já esteve no governo. De olho no desembarque na Sicília e nada mais. Eu me corrijo: na corte de Putin. Aqueles que decidem sobre o quadro do novo pacto de estabilidade na Europa, ajudas e refrescos, não se esquecem disso tão facilmente.

Chegamos a nós, a nós que defendemos até o fim a experiência governamental de Draghi. Um crime para ir em nenhuma ordem particular. Se as personalidades têm precedência, você sim, você não, realmente não há correspondência. Quanto custa uma frente unida, republicana e pró-europeia, uma nova geração CLN ligada a um projeto renascentista, que completa a agenda Draghi investindo em saúde e educação, atenta aos grupos sociais mais débeis, pronta para apoiar as empresas, confiável no capitais do mundo, um baluarte da democracia agora que os regimes autocráticos estão flexionando seus músculos.

Há apenas uma alternativa ao caminho principal: ampliar o alcance dos responsáveis, justamente a proposta apresentada pelo Cardeal Zuppi, presidente da Conferência Episcopal. Um problema de credibilidade e números. Credibilidade perante os italianos: colocá-los em posição de escolha inequívoca. Você quer uma Itália isolada na Europa, vote na dupla Meloni-Salvini. Sim, isolado, porque a direita italiana não tem igual de Portugal ao Leste Europeu, exceto a pesca na Hungria. Por fim, há os números, uma vez que haverá cerca de trinta círculos eleitorais uninominais que serão decisivos para a atribuição da vitória. Lá, ganhe ou perca por um monte de votos. Se a centro-esquerda for coesa, de Speranza, aos Verdes, aos Socialistas, a Renzi e Calenda, ao Partido Democrata, o partido mais forte da coalizão, você pode vencer nessas faculdades. Se você for dividido, a dupla Meloni-Salvini triunfa. O tão falado “centro” guarda grande parte do destino do país. É composto por pessoas que defenderam Draghi, que usou palavras duras contra quem o derrubou. Se o tema é salvar a Itália em uma temporada difícil, não espero escolhas diferentes.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.