Angola: Candidaturas eleitorais encerradas a 24 de agosto. Adalberto Costa Júnior principal concorrente do Presidente Lourenço e do MPLA

A seguir 24 de agosto Angola vai às urnas para eleger o Presidente da República e a Assembleia Nacional. O partido no poder, o MPLA, que procura um segundo mandato Presidente cessante João Lourenço e para o primeira vez como vice-presidenteEsperança Costa, foi a primeira a apresentar as listas eleitorais ao Tribunal Constitucional.

cabeçalho da lista

De acordo com a Constituição de 2010, o primeiro candidato do partido que recebe mais votos é eleito presidente. Os 220 membros da Assembleia Nacional são eleitos de duas formas: 130 com lista fechada num único colégio nacional, com assentos distribuídos proporcionalmente. 90 são eleitos em 18 círculos eleitorais provinciais usando o método d’Hondt. O principal adversário de Lourenço e do MPLA no próximo escrutínio será novamente Adalberto Costa Júnior, líder da Unita (União Nacional para a Independência Total de Angola).

Duelo

Um duelo histórico é reproduzido. Após a independência do domínio colonial em Portugal em 1975, Angola foi dominada – em plena Guerra Fria – por uma longa e sangrenta guerra civil, iniciada pelo então líder da UNITA Jonas Savimbi com o apoio da África do Sul. , a CIA e o sanguinário ditador zairense Mobutu. O conflito fratricida só terminou com a morte de Savimbi em combate, em fevereiro de 2002. Imediatamente depois, foi assinada a paz, que acaba de completar 20 anos. Desde então, o confronto passou pela votação, que viu a Unita ainda derrotada pelos eleitores angolanos.

Geração

Fraturas antigas ficaram evidentes no confronto, felizmente nunca violentas o que é muito raro no continente, entre o ex-presidente dos Santos e o sucessor de Savimbi, Isaías Samakuva. Hoje, os dois líderes rivais, Lourenço e Costa Júnior, representam mais uma geração no país, com problemas como todos os outros, mas avançando no caminho da convivência democrática e o desenvolvimento. Formou-se uma coligação em torno da Unita, a Frente Patriótica Unida (FPU), que inclui também o Bloco Democrático e o PRA-JA Servir Angola, esta última força expressa pelo candidato à vice-presidência, Abel Chivukuvuku.

CONTESTAÇÃO

Mas Chivukuvuku, que no seu tempo abandonou sensacionalmente a Unita, foi desafiado por um grupo de militantes do partido Costa Júnior que não o perdoa pela sua “traição” passada. Protesto minimizado pelo porta-voz da Unita, Marcial Dachala, para quem “no momento o principal objectivo é construir a união para determinar a alternância política de que o país precisa tanto de oxigénio para respirar”. Para já, entre os partidos que têm representação parlamentar, ainda não foram apresentadas as candidaturas da Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA) e do Partido da Renovação Social (PRS).

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.