ARCOlisboa 2022, continua a apoiar a cena artística local

ARCO Lisboa volta à presença (de 19 a 22 de maio, no Torreão Nascente da Cordoaria, em Belém) com 65 galerias de 14 países inseridas num percurso que, para além da sessão principal, apresenta “Abertura”, composta por 13 jovens galerias, e pela terceira vez “Africa in Focus”, com nove galerias selecionadas pelo curador Paula Nascimento, da França, Uganda, Moçambique, Angola, África do Sul e Portugal. A oferta das galerias, visitadas por 11 mil pessoas, já era visível poucos dias antes da abertura em versão digital na plataforma ARCO E-EXPOSIÇÕES e outra novidade desta quinta edição, a decisão de limitar, ao contrário do passado, o número de artistas expostos nos estandes proporcionalmente aos metros quadrados: um artista a cada dez metros quadrados, portanto dois artistas para os estandes pequenos (20 metros), seis artistas para os mais velhos (60 m²). A escolha responde ao desejo de favorecer uma leitura mais aprofundada da obra dos artistas.

A feira e a cidade

maribel lopez -, depois de dois anos muito difíceis, é ter acreditado em seu modelo de feira que apresenta uma dimensão muito diferente da de outros eventos e, se no passado, poderia ter sido amplamente criticado, principalmente quando a atenção e o interesse foram exclusivamente para as marcas mais famosas das feiras internacionais, a ARCOLisboa soube conquistar um lugar para si e representou uma experiência diferente para galeristas e colecionadores. Participar permite – continua López – descobrir uma seleção de artistas de diferentes gerações e níveis de carreira, historicizados, famosos, mas também muitos jovens, que até as galerias de primeira linha desta feira podem oferecer. Hoje, apesar dos dois anos de pandemia, e de um número ainda excessivo de feiras em todo o mundo, a feira de Lisboa é um momento muito importante e como o autarca quis salientar, o curador Carlos Moedas durante um encontro com a imprensa internacional “em Lisboa podemos falar de turismo, inovação, tecnologia, mas se não tivermos cultura e arte no centro não teremos sucesso e a ARCOlisboa é o elemento fundamental da minha estratégia, que é fazer de Lisboa a capital europeia da cultura ligada à inovação”.
Entre as prioridades, portanto, está a continuidade da mostra para as próximas edições, que se baseia em um acordo entre IFEMA MADRIuma das cinco instituições expositivas mais importantes da Europa e a primeira em Espanha, e a Câmara Municipal de Lisboa, que, embora tenha expirado em 2020 e preveja um financiamento anual de 180.000 euros por três anos, foi prorrogado para esta edição.

A oferta das galerias portuguesas

Uma das estratégias de crescimento futuro da Arco é reforçar a identidade portuguesa do evento, que nesta ocasião recebe 23 galerias locais (35% dos participantes), com um público internacional, colecionadores internacionais, diretores de museus e outros profissionais. galerias portuguesas de Galeria Filomena Soares ao lado de obras mais recentes do artista cubano Carlos Garaicoada série “puzzle” lançada em 2019 (os preços por tamanho variam de 35.000 a 80.000 euros, 55.000 euros é o preço de “Sin Titulo: Chocolates”, 2022 vendido na inauguração) também as obras de portugueses Sara Bichao (nascido em 1986) já presente em várias exposições no estrangeiro (os seus desenhos oscilam entre os 600 e os 3.000 euros). Dois artistas apresentados por Madragoaque então inaugurou uma exposição coletiva “As obras de arte são contemporâneas? », um diálogo entre artistas de diferentes gerações – Belen Uriel (trabalhos em olho de boi e ferro niquelado, preços a partir de 10.000 euros) e uma instalação muito divertida de Luís Lázaro Matos (2.000 euros cada) que, aparentemente lúdico e leve, na verdade questiona a complexa dinâmica que envolve as construções sociais e filosóficas atuais. Desde a Galeria Miguel Nabinho duas pinturas de Pedro Cabrita Reis cujos preços atingiram níveis elevados nos últimos anos, mas segundo o galerista “esta tendência vai continuar no futuro porque o interesse dos coleccionadores aumentou” (o desenho “Caminando sobre la tierra entre árboles y piedras # 14”, media mix em cartão vendido por 65.000 euros; outros desenhos em papel japonês estavam disponíveis no stand por 25.000 euros cada). Interessante para Carlos Carvalos as obras de M.Onica de Miranda (“Porto”, 1976) centrando-se em temas de arqueologia urbana e geografias pessoais, criados de forma interdisciplinar com recurso ao desenho, instalação, fotografia, filme, vídeo e som para esbater as fronteiras entre ficção e documentário (de 4.000 a 12.000 euros para fotografias em edições de quatro). Galeria Vera Cortes apresentou as obras do artista português Alexandre Farto aka Vhils (1987) cuja videoinstalação Prisma, 2022 está exposta na MAAT o museu apoiado pelo Fundação EDP, que consiste em uma série de filmes em câmera lenta projetados em telas da vida cotidiana em nove grandes cidades: Pequim, Cincinnati, Hong Kong, Lisboa, Los Angeles, Macau, Cidade do México, Paris e Xangai, onde o artista produziu nos últimos anos de importantes obras de arte pública. Além da videoinstalação (imagens da mesma cidade por 24.600 euros a serem montadas em quatro telas), a galeria apresentou outras obras do artista mais relacionadas à sua experiência como artista urbano (obras únicas com prêmios que variam de 40.000 a 50.000 euros). Dois artistas no estande da galeria Uma Lulik ambas portuguesas, ao lado de esculturas em bronze ou metal da jovem Isabelle Cordovil (Lisboa, 1994, preço a partir de 3.100€) monumentos-dramáticos-elegias sarcásticas dos “piores momentos da vida”, que vão das crises amorosas aos acontecimentos quotidianos, as obras de Paulo Lisboa (nascido em 1987) cujas edições únicas de grafite sobre alumínio viajaram cerca de 17.000 euros.

A oferta internacional

Entre as galerias internacionais, terceira vez para o austríaco Galeria Krinzinger que apresentou as obras de vários artistas, incluindo o espanhol, em um estande muito grande Secundino Hernandez (preço de 50.000 até 100.000 euros), Monique Bonvicini (com preços de 17.000 a 27.000 euros). Do londrino Greengrassi dezoito obras de Alessandro Pessoli que se inspiram nas fotografias do alemão Wilhem de Gloeden, mais conhecido por seus estudos de nus masculinos, à venda por 7.500 euros cada. Do espanhol Juana de Aizpuru trabalhos de Wolfang Tillmans (a partir de US$ 100.000) e o austríaco Heimo Zobernig (de 20.000 a 60.000 euros).

A seção de abertura

A seção de abertura, organizada pelo espanhol Chus Martinez e luso-brasileiro Luiza Teixeira de Freitas apresentou uma seleção de 13 galerias de diferentes países cujos projetos inovadores chamaram a atenção dos curadores. Cada galeria expõe as obras de dois dos artistas representados, estabelecendo um diálogo entre eles mas também entre as obras de artistas das outras galerias, o projeto expositivo dos curadores procura retirar as tradicionais paredes que separam um stand de uma galeria do outro. o Galeria Verveúnica galeria brasileira presente nesta seção, optou por expor as obras dos artistas Dudu Garcia (Rio de Janeiro, 1966) e Luísa Malzoni (San Paolo, 1980), que levantam questões sobre a memória individual e coletiva e sobre a dicotomia ausência/presença, representativa do atual momento global. Galeria Artbeat, da Geórgia, trouxe dois artistas de gerações diferentes, representando momentos distintos da história artística do país. Por um lado, Nascido Sirbiladze (Tbilisi, 1955), autodidata que continuou a fazer suas pinturas apesar da falta de reconhecimento, hoje o Museu de Belas Artes da Geórgia dedica-lhe uma retrospectiva (preço de 3.200 euros). Por outro lado, o artista Nika Kutateladze (Tbilisi, 1989), que faz parte de uma geração com formação artística e formação académica (preços a partir de 900 euros). Com esta exposição, a Artbeat recebeu o prémio de melhor projeto no setor de Abertura.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.