As invasões bárbaras não eram exatamente invasões

O novo Ministro da Educação Giuseppe Valditara vem tentando há algum tempo estabelecer uma reputação como um divulgador histórico fora de sua carreira acadêmica como professor titular de direito romano na Universidade de Turim. Suas tentativas estão ligadas a uma abordagem muito categórica de um assunto complexo e delicado como a queda do Império Romano. Em poucas palavras, Valditara argumenta que o Império Romano entrou em colapso devido a um fenômeno que na Itália chamamos de “invasões bárbaras”: ou seja, o deslocamento nos territórios centrais do Império, muitas vezes com violência, de várias populações que anteriormente o habitavam em da fronteira, entre os séculos IV e VI d.C.

Em 2016 Valditara publicou um livro com um título bastante eloquente, O Império Romano Destruído por Imigrantese três anos depois numa obra colectiva intitulada Imigração: a grande farsa humanitária traça comparações bastante audaciosas entre as invasões bárbaras e os fluxos migratórios do norte da África para os países europeus, indicando como exemplo negativo “as periferias francesas e belgas com sua carga de desvio, rebelião, delinquência e raízes do extremismo islâmico, símbolo de o fracasso do multiculturalismo”.

Valditara vem da Lega, partido que desde sua fundação aproveitou muitas vezes os acontecimentos históricos para adaptá-los às suas teses políticas: da história de Alberto da Giussano, o personagem estilizado no símbolo do partido, que nunca existiu, até a cartazes com nativos americanos descritos como vítimas da imigração (na verdade foi colonização). Os livros e artigos de Valditara fazem parte dessa tendência, mas não encontram confirmação real no debate contemporâneo de historiadores e estudiosos especializados em história romana sobre o fim do Império.

A tese promovida por Valditara sobre as responsabilidades de um fluxo migratório é, de fato, muito menos compartilhada hoje do que no passado. Em seu livro Marés Bárbaras Walter Goffart, O historiador da Universidade de Yale, especializado na Alta Idade Média europeia, contesta a ideia de que os chamados “bárbaros” tenham sido os responsáveis ​​pela queda do Império. “Não havia unidade entre eles, nem havia pressão crescente. No século IV, o Império estava em pior situação do que trezentos anos antes, mas os culpados não eram os vizinhos do norte, que não eram mais numerosos, nem melhor organizados ou armados, nem mais hostis do que nunca”.

Os historiadores anglófonos preferem falar de idade da migração, ou seja, da “era das migrações”, e não das invasões bárbaras. Esta escolha esconde uma abordagem muito mais laica e transversal à queda do Império Romano, considerada uma consequência inevitável de múltiplos e diferentes fatores.

A expressão que usamos na Itália, “invasões bárbaras”, inclui dois termos que não são totalmente neutros. “Invasão” é um termo emprestado do léxico da guerra e designa um ataque armado. “Bárbaros” é uma palavra onomatopeica que nos veio do grego antigo que tem um significado negativo distinto: os gregos a cunharam para zombar de pessoas que não sabiam grego, cujas línguas soavam como um sussurro confuso para eles, barra barra barra. Mesmo em uma língua relacionada ao grego que era falada na Índia antiga, o sânscrito, Bárbara significa tanto “gago” quanto uma pessoa estrangeira.

O fenômeno ocorrido entre os séculos IV e VI nas fronteiras nordestinas do Império Romano não foi propriamente uma invasão, e “bárbaro” é um adjetivo pejorativo que não ajuda a entender exatamente o que “passou”.

O Império Romano do século IV d.C. era incrivelmente disfuncional. Tinha problemas econômicos gigantescos e corrupção endêmica. Estendeu-se por um território provavelmente incontrolável para uma única entidade estatal, de Portugal à atual Rússia, da Escócia à Líbia, à frente do qual estavam imperadores de todo o mundo, muitas vezes apoiados por exércitos pessoais, nos quais além de quase toda parte os habitantes abandonaram a religião romana para se converterem ao cristianismo. Hoje, também sabemos que um mundo tão conectado como o Império Romano é ainda mais vulnerável a rupturas como Pandemias e desastres climáticos.

A história de Roma é uma história de anexações. Durante séculos, a expansão militar da República primeiro depois do Império foi acompanhada por um processo de integração progressiva e pragmática dos territórios conquistados, aos quais restava certa autonomia e aos quais os conquistadores ofereciam a possibilidade, no não muito distante , futuro distante, para se tornarem cidadãos romanos, uma vez integrados à sociedade. Aconteceu tanto com os samnitas quanto com os habitantes de Jerusalém ou Belgrado. Santo Agostinho nasceu na Argélia de hoje, mas se definiu com orgulho e plenitude como cidadão romano. Enquanto o Império gozasse de boa saúde, tudo estava bem, ou quase. Em algum momento, no entanto, algo rachou.

Ao longo dos anos, os historiadores formularam muitas teorias para explicar a queda do Império Romano, que ocorreu oficialmente em 476 dC (a partir desta data apenas o Império Romano do Oriente sobreviveu). Alguns remontam às terríveis epidemias e secas do século III, que causaram centenas de milhares de mortes: segundo estimativas da época, a chamada Peste de Cipriano mais de 300.000 vítimas apenas em Alexandria, no Egito, uma das cidades mais prósperas da época. Outros falavam da impossibilidade de expandir ainda mais as fronteiras do Império e, assim, enriquecer-se com novos impostos e espólios de guerra. Outros ainda na propagação do cristianismo, que varreu muitas crenças, ritos e tradições seculares, na expansão da classe social dos burocratas, que aumentou a corrupção e fez com que impostos mais altos fossem necessários para operar a máquina administrativa. Todos esses foram fatores, embora seja difícil estimar a gravidade específica com exatidão.

A tudo isso se acrescentou uma circunstância histórica precisa: as incursões dos hunos, uma misteriosa população nômade da Ásia Central que deixou um rastro muito claro na história e na cultura popular, mas da qual sabemos muito pouco. Não sabemos de onde vieram nem que língua falavam, pois restam poucas palavras (uma delas, possivelmente relacionada com a palavra que hoje em turco significa “colher”, foi encontrada nas contas administrativas do Império Chinês). Pelo contrário, sabemos que por volta de 370 d.C. penetraram na Europa atravessando as estepes a norte do Mar Negro, obrigando várias populações que viviam na região a deslocarem-se para oeste, para o território do Império.

(um mapa da Enciclopédia Britânica das principais rotas seguidas pelos chamados “bárbaros”)

Os nomes desses povos nos parecem extremamente familiares, pois ao longo dos séculos seguintes ajudaram a dar o nome às regiões em que se estabeleceram. Havia os francos, os anglos, os saxões, os bretões, os lombardos, os alamanos, mas também os visigodos, que ficaram na história sobretudo pelo saque de Roma em 410, e os ostrogodos, que, em vez disso, depuseram o último governante de o Império Romano do Ocidente, Romolo Augustolo. Alguns desses povos compartilhavam traços comuns, como a língua de origem germânica e uma certa ideia de sociedade, que girava em torno da classe guerreira. Geralmente eram chamados de “góticos”, uma palavra bastante enigmática que parece derivar de um verbo Proto-Indo-Europeu que significa “derramar”. Todos esses povos não eram, porém, godos: os bretões, por exemplo, falavam uma língua celta, portanto de origem não germânica.

Por muitos séculos, os romanos administraram a longa fronteira no nordeste de seu império com uma dupla abordagem: rejeitaram as populações “bárbaras” mais agressivas e integraram as mais gentis e ansiosas por encontrar um lugar na rica sociedade romana. Por muito tempo, esse sistema funcionou.

Mais recentemente, o historiador Guy Halsall, que leciona na Universidade de York, em seu artigo Uma visão ‘contra-intuitiva’ do Império Romano e da migração ‘germânica’ salientou que “a condição normal das relações entre romanos e ‘bárbaros’ na fronteira ao longo do Reno e do Danúbio era muito provavelmente a coexistência pacífica. A fronteira quase nunca estava em tumulto de repente, e a maioria dos supostos ataques bárbaros provavelmente eram gritos, roubos que exigiam intervenção policial em vez de campanhas militares.”

Claro, houve exceções. No primeiro século dC, o líder “bárbaro” que conseguiu infligir uma derrota histórica ao exército romano, Armínio da população Cherusci, era na verdade um cidadão romano que serviu por anos no exército do Império, depois se rebelou.

No século III, também devido à crise demográfica e às crescentes necessidades de um império que se tornara incontrolável, grande parte do exército era composto por populações “bárbaras” que haviam sido romanizadas para efetivamente guardar as fronteiras. Algo semelhante também estava acontecendo em 376, alguns anos depois que os hunos chegaram à Europa. Várias populações expulsas pelos hunos pediram ao imperador Valente que se instalasse na margem sul do Danúbio. O imperador permitiu, e famílias inteiras de godos entraram no território romano com seus animais e posses. Mas então, por dificuldades administrativas e burocráticas, o Império não conseguiu integrar verdadeiramente esses povos, negando-lhes a possibilidade de encontrar comida e trabalho.

O historiador Ammiano Marcellino conta, por exemplo, que a recepção dos godos foi confiada por Valente a dois funcionários, Lupicino e Massimo, conhecidos por sua incompetência e desonestidade, que tudo fizeram para impossibilitar a vida dos recém-chegados. A certa altura, por exemplo, Ammiano Marcellino conta que “como os bárbaros, que haviam sido transferidos, sofriam de falta de comida, esses odiosos comandantes inventaram um comércio vergonhoso e, tendo recolhido quantos cães conseguiu reunir, insaciabilidade de todos os lados , deram-lhes em troca tantos escravos, entre os quais estavam também os filhos dos chefes”.

O facto de o acolhimento e integração de milhares de pessoas ter sido gerido com uma visão tão curta, e que no final não foi encontrada outra solução senão a intervenção militar, era o sintoma de tudo o que não ia para o Império Romano antes mesmo da tão -chamadas de “invasões bárbaras”.

Confrontos e tensões continuaram por dois anos, após os quais um grupo de godos destruiu grande parte do exército do Império na Batalha de Adrianópolis, em uma área que agora fica na Turquia, na fronteira com a Grécia e a Bulgária. O exército romano e seu império nunca se recuperaram. As populações que viviam na fronteira nordeste empurravam cada vez mais para o coração do Império, hoje em dissolução: depois de algumas décadas formaram-se os reinos romano-bárbaros.

Henley Maxwells

"Solucionador de problemas. Criador certificado. Guru da música. Beeraholic apaixonado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *