banhista acaba no hospital Catania

Um banhista ficou duas noites por precaução internado em Catânia depois de ter sido picado pela caravela portuguesa, um animal marinho bastante perigoso cuja presença nos mares italianos tem aumentado consideravelmente.

caravela portuguesa

É conhecido como o Caravelle Português e sua presença no mar na temporada de verão pode criar muitos problemas para os banhistas. O animal, que à primeira vista pode parecer uma água-viva, é na verdade uma sifonor, ou uma colônia de pólipos e águas-vivas que vive flutuando na superfície da água, mas que possui longos tentáculos que se esconde na água e que podem atingir 30 metros de comprimento.

E são justamente os longos tentáculos que representam um perigo para os homens que, em caso de contato, podem desenvolver até reações bastante graves, como aconteceu com um banhista de 68 anos em Catania. A mulher, segundo uma primeira hipótese, poderia ter sido mordida pelo animal marinho, como explica a chefe do hospital Benedetta Stancanelli: “Sintomas tão importantes e lesões cutâneas características nas costas, nádegas e pernas sugerem que é precisamente o ferroada de uma caravela portuguesa”.

No entanto, a mulher está bem e voltou para casa. O paciente, que sofre de problemas cardíacos e arritmia, dada a toxicidade do “veneno” libertado pelo português Caravelle, esteve duas noites, por precaução, no serviço de cardiologia de Cannizzaro. Ela foi então visitada novamente em San Marco, onde o diagnóstico foi confirmado e ela voltou para casa.

É importante ressaltar que os sintomas de uma picada de caravela nem sempre são graves, mas muitas vezes podem resolver por conta própria em poucos dias, como é o caso de picadas de água-viva.

Nos últimos dias, o animal marinho, cujo nome científico é Physalia physalis, tem aparecido com frequência nos mares italianos, principalmente nas águas sicilianas. A sua presença no mar Mediterrâneo remonta a meados de 1800 mas nos últimos anos o número de Caravalle portugueses aumentou consideravelmente e, mesmo sem alarmar, é considerado, até pela Universidade de Catania, “uma das criaturas mais perigosas dos marinheiros que um banhista pode encontrar no nosso mar”.

Leigh Everille

"Analista. Criador hardcore. Estudioso de café. Praticante de viagens. Especialista em TV incurável. Aspirante a fanático por música."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *