Barreiras, não há delegação. Um esclarecimento de Tommasi está em ordem

Como a deficiência tomou conta da minha família a cada mudança de governo, convidei o novo prefeito a andar de cadeira de rodas pelas ruas da cidade para ajudá-lo a verificar como estão cheios de barreiras de todos os tipos: gargalos, postes, pavimentação raízes, lâminas ausentes, ausência de zonas de reversão, estrias desbotadas ou ausentes, etc.

Sironi gentilmente respondeu que já sabia o que fazer; nenhuma resposta foi recebida de Zanotto; nem mesmo por Tosi, mas devo admitir que durante seu primeiro mandato, alguns obstáculos que indiquei foram rapidamente removidos.

Com o Sboarina fora, parecia melhorar, pois ele respondeu educadamente ao meu convite, mas delegou o Conselheiro Segala para fazer o tour; Fiquei feliz, porque era mais leve para atacar, mas não funcionou. A realização do PEBA (Plano de Eliminação de Barreiras Arquitetônicas) é a seu crédito; Infelizmente, dos 2304 problemas críticos encontrados apenas no centro histórico, só conseguiu resolver 26.

Ainda desta vez, apesar de entretanto terem sido acrescentados 20 anos ao meu registo e de empurrar uma cadeira de rodas já não ser um exercício recomendado, preparei o convite tradicional.

Eu teria enviado diretamente para o novo conselheiro, pensando em deixar o bom Tommasi em paz, mas ao repassar o press release sobre o conselho várias vezes, percebo que não há delegação para gestos de barreira. Obrigado outras fontes, esperando um erro, mas é isso.

Não tendo a oportunidade de consultar o prefeito, questionei alguns eleitos que se interessaram pelo problema das barreiras em sua atividade política anterior. O sentido predominante de suas respostas é que a delegação foi dividida entre os diferentes departamentos.

Certamente houve algum raciocínio para chegar a tal decisão, mas pessoalmente – se for o caso – não acho que seja um bom método.

Existem milhares de barreiras em Verona (e não apenas no centro histórico, pelo contrário…) e impossibilitam a mobilidade e as relações sociais para um grande número de cidadãos. É um problema cuja solução deve ser iniciada de imediato por uma necessidade de civilização, mas também porque a persistência de obstáculos afeta negativamente a habitabilidade da cidade, a utilização dos espaços sociais e culturais até pelos visitantes, a integração dos menos afortunados.

Diferenciar as responsabilidades de acordo com as competências dos diferentes serviços parece ser uma solução eficaz na aparência, mas na prática levará a perda de tempo, sobreposições, conflitos.

Um exemplo: para acessar a biblioteca cívica Cadidavid é preciso dar um passo na calçada e depois – impossível – encarar uma escada. Quando será decidido torná-lo acessível (seria agora…) quem terá que fornecê-lo? O vereador das ruas? Mobilidade? À Cultura? Em Património? Para a descentralização? Eles devem se reunir para decidir? Quem vai escrever a deliberação? Com que capítulos orçamentais?

Logo fica claro que isso não pode funcionar. Esperando que não seja o caso – mas na verdade falta a delegação – é desejável e urgente um esclarecimento resolutivo por parte do Prefeito.

Gianni Falcone

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.