Biden ratifica a entrada da Finlândia e da Suécia na OTAN. Mas 7 países ainda estão faltando na chamada

“A OTAN provou ser uma aliança indispensável para o mundo de hoje e de amanhã. Nossa aliança está mais forte do que nunca, mais unida do que nunca.” Foi com essas palavras que Joe Biden comentou sobre a assinatura pelos Estados Unidos do tratado que aprova a entrada da Suécia e da Finlândia na OTAN. Com os Estados Unidos, os países da Aliança Atlântica aumentam para 23, incluindo a Itália, que já deu luz verde à adesão de Estocolmo e Helnsinki. 7 membros da OTAN estão ausentes da chamada, incluindo a Turquia.

quem perde a chamada

Os Estados Unidos “trabalharão com a Finlândia e a Suécia para permanecer vigilantes contra quaisquer ameaças à nossa segurança comum e para prevenir e enfrentar agressões ou ameaças de agressão”, acrescentou Biden em um telefonema ao primeiro-ministro. da Finlândia. Sauli Niinisto. Agora a espera é pelas demais ratificações. A par de Ancara, que assinou com os dois países escandinavos um acordo de colaboração sobre terrorismo (que prevê essencialmente o transporte de expositores curdos considerados terroristas pela Turquia e atualmente alojados na Suécia), estão faltando em recurso Espanha, Portugal, Grécia, Hungria, Eslováquia e República Checa.

Os prazos para esses países prometem ser longos: as ratificações devem chegar entre setembro e dezembro, mas a Turquia também pode esperar até 2023, data das eleições legislativas e presidenciais: Erdogano pode pedir à Suécia que mantenha o acordo com a entrega de um número de ativistas curdos e usá-lo como um sucesso para reivindicar no calor da ação eleitoral. O primeiro-ministro Viktor Orban também poderia usar sua assinatura durante a ratificação como instrumento de pressão política sobre os parceiros da Aliança.

Chip e geopolítica

De volta aos Estados Unidos, o presidente Biden assinou no mesmo dia uma lei que favorece a produção interna de semicondutores, ou chips, o Chips and Science Act. Não é apenas uma medida de política industrial: a questão dos chips tem se tornado cada vez mais estratégica do ponto de vista geopolítico ponto de vista. ponto de vista, especialmente porque a maioria deles é produzida por Taiwan, a ilha onde está ocorrendo um impasse de longa distância entre Washington e a China.

“Há alguns meses – disse Biden – fui à fábrica da Lockheed no Alabama. Eles produzem mísseis Javelin que são fornecidos aos ucranianos para se defenderem da guerra não provocada iniciada por Vladimir Putin”. “Precisamos de semicondutores – acrescentou Biden – não apenas para esses mísseis Javelin, mas também para os sistemas de armas do futuro, que dependerão ainda mais de microchips avançados. Infelizmente, hoje produzimos 0% desses microchips avançados. A China está tentando nos superar e produzir esses microchips também. Não é de admirar que o Partido Comunista Chinês tenha pressionado ativamente as empresas americanas contra essa lei. Os Estados Unidos devem liderar o mundo na produção desses microchips avançados. : e essa lei fará exatamente isso”, concluiu. .

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.