Bolkenstein e balneários, candidato Lucci: “O caminho a seguir é o de Espanha e Portugal”

Sabaudia – “A questão da diretiva Bolkenstein está voltando com força para o primeiro plano e continua gerando um clima de preocupação entre os profissionais porque, em vez de esclarecer o assunto, torna-o cada vez mais ambíguo. Como coalizão que apoia minha candidatura a prefeito e se propõe a liderar a cidade de Sabaudia pelos próximos 5 anos, estamos monitorando de perto o desenvolvimento da situação”.

A palavra é dada a Maurizio Lucci, candidato à presidência do prefeito da cidade de Sabaudia, que acrescenta: uma coalizão muito grande, não parece capaz de dar uma resposta unitária e orgânica até o momento. Em Sabaudia, reiteramos que esta diretriz se refere especificamente às concessões estatais e não aos quiosques localizados na estrada municipal. A própria diretiva é um ato legislativo que estabelece um objetivo que todos os países da UE devem alcançar. No entanto, cabe a cada país da União Europeia definir por meio de disposições nacionais como esses objetivos devem ser alcançados.

Neste contexto, a aprovação pelo Parlamento com um voto de confiança da compensação para os estabelecimentos balneares (cujos decretos de aplicação provavelmente ficarão suspensos até estarem concluídas as disposições globais) parece um desvio do fim, uma opção política que tenta conciliar a diferentes almas presentes no governo e ao mesmo tempo enviar uma mensagem à Europa de que a Itália está começando a lidar com isso por meio de atos parlamentares.

Como uma coalizão que visa liderar a cidade de Sabaudia, focamos em soluções concretas e não em controvérsias. Entendemos, portanto, que não deve ser feito um uso instrumental e ainda menos eleitoral da votação de ontem no Parlamento, muito menos por aqueles que votaram a favor da directiva Bolkestein na altura na Europa, mas sim sentimos a necessidade de explicar aos nossos concidadãos o que é e qual posição como coalizão e como prefeito como representantes institucionais locais manteremos consistentemente.

O estabelecimento dos critérios de candidatura de Bolkestein decorrerá inevitavelmente da próxima legislatura que, após as eleições nacionais, terá uma matriz política unitária mais clara e que terá em conta a especificidade do tipo de empreendedorismo dominante no setor.

O caminho a seguir é o traçado por outros países da zona mediterrânica. Pensa-se na Espanha, cujas concessões foram, em todo o caso, alargadas com base em critérios ambientais e de protecção do domínio público marítimo e terrestre que, em todo o caso, devem ser respeitados dada a historicidade da empresa em proteger de forma particular a família de a empresa, ou seja, aquela em que estão localizadas as concessionárias e seus familiares.

Ou Portugal, cuja legislação estabeleceu critérios que prevêem também que os concessionários que tenham realizado investimentos superiores aos inicialmente previstos (e documentem que não podem ser recuperados) podem solicitar ao Estado o reembolso desses investimentos, ou a prorrogação da concessão. E por isso ontem também a votação dos subsídios de certa forma, numa reflexão politicamente mais pragmática e menos instrumental, parece para todos os efeitos remeter para o exemplo português e será inevitavelmente incluída num plano de implementação mais articulado e abrangente”.

O Faro online – Clique aqui para ler todas as notícias da Sabaudia
ilfaroonline.it está no GOOGLE NEWS. Para acompanhar nossas novidades, clique neste link e selecione a estrela no canto superior direito para seguir a fonte.
ilfaroonline.it também está no TELEGRAM. Para se inscrever no canal do Telegram com apenas notícias da Sabaudia, clique neste link

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *