Bolsa: Milão volta a entrar em colapso com a Europa, construção a 4% – archyde

(ANSA) – MILÃO, 13 DE JUNHO – O BCE, que até agora não forneceu proteções contra a explosão de spreads e expectativas no Fed após os dados ainda muito altos da inflação nos EUA, provocou mais um dia de paixão nos mercados: o A Bolsa de Milão fechou com queda de 2,79% para o índice Ftse Mib a 21.918 pontos e para a ação Ftse All de 2,87% a 23.972. O início da semana foi marcado por violentas quedas nas bolsas de todo o Velho Continente: Amsterdã fechou em 3%, Paris em 2,6%, com Frankfurt e Madri negativos em dois pontos e meio. Londres caiu 1,5%. O último slide do índice Stoxx 600, que inclui as principais ações europeias, foi de 2,4%, o que se traduz em 235 bilhões de capitalização “queimadas” em uma única sessão. A Piazza Affari mostra um decréscimo de capitalização entre os principais valores de 15 bilhões. A tensão também foi muito forte, e talvez acima de tudo, sobre os títulos do governo europeu, em particular os dos países historicamente mais afetados pela especulação: o spread entre o BTP italiano de 10 anos e o Bund alemão do mesmo vencimento fechou em 238 , ajustando o máximo por mais de dois anos e até 10 pontos base desde o início. O rendimento do produto do Tesouro subiu 26 “bps” e fechou em 4,01%, atualizando os níveis mais altos desde o final de 2013. Os rendimentos dos títulos espanhóis também estão em alta, subindo 21 bps no final. ), francês (+15), mas também alemão (+11 ‘pontos básicos’). Entre as principais ações da Piazza Affari, a Saipem caiu 14% para 38,3 euros após o grupamento de ações, com Nexi, Amplifon e Iveco caindo sete pontos percentuais. Muitos bancos sofreram muito (Banco Bpm -4,9%, Intesa -3,4%), enquanto Recordati e Campari fecharam a tendência em um ponto percentual generoso. (MANIPULAR).

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.