Brasil em uma encruzilhada. O empate entre Lula e Bolsonaro (apoiado pela China)

Uma multidão em Brasília torceu pelo presidente brasileiro, que também foi saudado pelos aliados de Pequim. O que dizem as sondagens para as eleições de 2 de outubro e a hipótese de uma “revolução”

Jair Bolsonaro, presidente do Brasil e candidato à reeleição, foi recebido por grande multidão durante o desfile militar organizado no centro da capital Brasília, por ocasião das comemorações do bicentenário da independência do país. Ele está acompanhado da esposa Michelle, Walter Braga Nettocandidato a vice-presidente Paulo Sérgio Nogueira, Departamento de Defesa. Mas também líderes internacionais como Marcelo Rebelo de SousaPresidente de Portugal, Umaro Sissoco EmbaloPresidente da Guiné e José Maria Neves, Presidente de Cabo Verde

Da China, Presidente Xi Jinping enviou seus parabéns a Bolsonaro: “O Brasil é o maior país em desenvolvimento do Hemisfério Ocidental e embarcou em um caminho de desenvolvimento independente e pacífico […] Estou pronto para trabalhar com o presidente Bolsonaro para promover o desenvolvimento profundo da parceria estratégica abrangente entre os dois países.”

O evento inevitavelmente se tornou um comício de campanha de muito sucesso devido ao comparecimento popular. “A vontade do povo se concretizará no dia 2 de outubro – disse Bolsonaro -. Vamos todos votar, convencer quem pensa diferente de nós, convencê-los do que é melhor para o nosso Brasil”. nosso país, que quase destruiu nosso país. Eles não vão voltar. As pessoas estão do nosso lado. As pessoas estão do lado do bem. As pessoas sabem o que querem.”

Segundo a imprensa brasileira, as manifestações pela reeleição de Bolsonaro foram organizadas em Brasília e no Rio de Janeiro pelas duas almas do eleitorado do líder brasileiro: uma parte ligada ao setor do agronegócio e outra ligada a organizações evangélicas.

Outros eventos comemorativos da independência organizados pelas Forças Armadas brasileiras foram cancelados devido ao risco de infiltração de extremistas. A decisão foi tomada após alguns relatórios do serviço de inteligência militar que identificaram o risco de movimentos radicais de direita, apoiadores de Bolsonaro, aproveitarem os desfiles para exigir a intervenção das Forças Armadas na política.

Enquanto todas as pesquisas dão ao ex-presidente uma clara vantagem Luiz Inácio Lula da Silva, a última reportagem da Paraná Pesquisas registra aumento do apoio a Bolsonaro e empate técnico entre os dois principais candidatos.

A pesquisa aponta que no primeiro turno, em 2 de outubro, Lula terá 40,2% contra 36,4% de Bolsonaro. Com margem de erro de 2,2 pontos percentuais, seria um empate técnico entre os dois. No final de agosto, porém, mais de quatro pontos os separavam.

Além das pesquisas, mais de uma vez Bolsonaro também quis desacreditar as próprias eleições. Ele criticou o papel do Supremo Tribunal Federal e levantou questões sobre a transparência do processo eleitoral. Lembre-se de um amigo e um aliadodonald trumpdisse que não aceitaria nenhum resultado que não fosse a vitória.

Para alguns, isso pode ser um vislumbre do plano de golpe de Estado de Bolsonaro, com a ajuda dos militares. No entanto, nem todo mundo pensa assim. Miguel Lagodiretor do Institute for Health Policy Studies e professor da Columbia University, acredita em uma estratégia mais estruturada.

“Bolsonaro não tem intenção de deixar o poder, independentemente do resultado das eleições – ele Explique A agulha -. No entanto, ele não busca um golpe, que precisa do consentimento da elite para evitar protestos em massa. Ele está perseguindo uma revolução.”

Desde o início do mandato, segundo o analista, Bolsonaro atuou mais como um líder revolucionário do que como um presidente. O apoio popular começou online, mas está se espalhando pelas ruas. Aliás, no ano passado ele reuniu cerca de meio milhão de pessoas para protestar contra o Supremo Tribunal Federal, este ano com o desfile ele demonstrou que tinha o apoio das Forças Armadas (cerca de 6.000 militares fazem parte do governo, ocupando cargos civis ).

Segundo Lago, não há indicação de que os militares possam ser protagonistas ativos de um golpe, ou que uma tentativa de revolução de Bolsonaro encontre resistência.

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *