Carlo Perrone “O Abano como Serie B”

Carlo Perrone e o Abano: duas linhas destinadas a se encontrar. Como admite o novo técnico do time preto-verde, acaba de ser rebaixado à promoção. “Por um dia, no verão de 1978, fui emprestado ao Abano. Eu tinha 17 anos e Pádua decidiu me mandar para a Série D para ganhar experiência. Fiquei muito feliz com essa chance e treinei no sopé das colinas por um dia. Pena que na mesma noite Pádua me ligou para me dizer que eu tinha que voltar ao biancoscudato, porque na época na quarta série havia um limite de 3 empréstimos de equipe profissional. O Abano realmente queria me levar com uma fórmula que não fosse um empréstimo, mas Pádua não concordou. Alla fine, quella stagione personalmente non mi andò male, perché debuttai Serie C, ma evidentemente l’Abano era nel mio destino.” Oltre a este necessario preambolo, è un Carlo Perrone a 360° quello che parla in esclusiva a Padova Oggi all’ indomani del suo nuovo incarico con l’Abano. Ambizioni, giovani, Portogallo, Padova, Cittadella, um caldeirão de argumentos com eterno al centro di tutto un solo aspetto: la qualità Quella che fa veramente la differenza nel calcio. Ecco le sue words .

Por que você escolheu o Abano? Voltei de Portugal com vontade de ficar em casa. A experiência foi muito boa do ponto de vista dos resultados, mas com alguns problemas fora de campo. Eu queria ficar na Itália. O presidente Garon e o diretor esportivo Sartori souberam me dar confiança. O projeto é lindo, a empresa tem história e caiu em uma categoria que não pertence a ela. Há muita paixão e eles acreditam muito nas minhas habilidades. Eles me deram muito respeito e queremos tentar ser competitivos, sabendo que haverá equipes bem equipadas.

De onde a equipe começa? Vamos treinar durante o dia, como os profissionais. Gosto desta escolha porque vou trabalhar com muitos jovens e é um aspecto do meu trabalho que adoro. Então, também procuraremos homens experientes. É claro que teremos algumas dificuldades com este último porque na Promoção, além do futebol, trabalhamos muitas vezes durante o dia, mas tenho certeza de que podemos fazer algo nesse sentido. Podemos encontrar alguém de fora ou podemos convencer alguém da região. Escolhemos outro caminho, igualmente competitivo.

O que você quer prometer aos fãs? Não posso prometer resultados, mas posso dizer o que prometi ao clube: uma paixão por este desporto, que me leva a assumir desafios sempre diferentes e estimulantes, e depois a fazer sacrifícios. Estamos confiantes e saímos com entusiasmo.

O mesmo que ele tinha em Portugal. Fizemos um percurso triunfal com o Olhanense, conquistando o campeonato. Todos remamos do mesmo lado, apesar das difíceis condições econômicas e da venda do nosso melhor jogador no final do primeiro tempo.

Ele tem um sentimento especial com os jovens. As chaves para fazê-los ter o melhor desempenho? Premissa necessária: não sou um treinador preconceituoso contra os jovens. Para mim, existem bons e maus jogadores. Na Itália, é feita uma distinção entre especialistas e menos especialistas, erroneamente. A idade é uma vantagem, pois eles têm a mente mais aberta e absorvem as informações mais rapidamente. Estaremos à procura de pessoas com fome e vontade de melhorar, que queiram seguir um caminho que os leve a melhorar e que também saibam jogar no futuro em categorias acima da Promoção. Tudo sem descuidar do fato de ser competitivo e subir de categoria.

Objetivo declarado, ascensão imediata à Excelência? Aqui também, apreciei os pensamentos e palavras do Presidente ao me mostrar o crescimento incremental como o caminho ideal do projeto para este Abano. Claro, há um desejo de voltar, mas também por raciocínio em uma base plurianual.

Falamos de jovens, qual a importância da cantera preta-verde nesse crescimento? Entre as razões pelas quais aceitei Abano está a escolha de Gigi Capuzzo como chefe do setor jovem. Pessoa que eu respeito profissionalmente e humanamente. Não vou interferir no trabalho dele, mas se ele quiser me pedir uma mão, ficarei feliz em apoiá-lo. Sempre com o maior respeito pelos papéis. Nesses níveis, as sociedades prolongam sua vida se trabalharem no trabalho com jovens, mas isso leva tempo.

Por que há mais paciência com os jovens na Europa? Também acrescento coragem, embora não goste de chamar assim. Posso saber mais?

Claro. Na Itália, por muitos anos, esquecemos uma palavra-chave: qualidade. Especialmente a técnica do jogador. Independentemente das capacidades físicas. Durante anos, cometemos erros nesse sentido. Pensávamos que a tática física e coletiva poderia superar a técnica. Nos países latinos, como na Alemanha ou na França, o jogador de futebol está no centro de tudo, cuidando muito bem dos aspectos técnicos do indivíduo. Durante anos fomos mestres na produção de números 10 e defensivamente em termos de marcação individual fomos todos invejados. A certa altura, abandonamos tudo isso, privilegiando a busca de resultados através da força física e do rigor tático. Eu me sinto diferente.

Você era um jogador caprichoso na verdade, mesmo como treinador você prefere uma abordagem tática, digamos “livre”? Sou um treinador que deixa muita liberdade no meio da corrida. Equilíbrio e estruturas são essenciais, mas o jogador não deve ficar preso a padrões rígidos. Trabalhamos para guardar certos ditames táticos, mas depois colocamos inventividade e imaginação, o 1 contra 1 que faz o sal do futebol.

Fiel à sua história como jogador de futebol. Sim, sempre tive um olho para talento e técnica. As partidas são decididas pelos episódios, pela inspiração, pelas boas escolhas dos jogadores. A certa altura, pensamos que a destreza física e as táticas de exasperação eram o caminho certo para alcançar o resultado e que o treinador é mais importante do que aquele que entra em campo. Pense em Roberto Baggio no banco ou no exilado Zola e Lords na ala esquerda. Estamos no teatro do absurdo. Na minha pequena escala, também sofri com essas decisões como jogador de futebol, principalmente nos anos 90, quando muitos começaram a imitar Sacchi sem ter suas qualidades, mas também os jogadores disponíveis. Com todo o respeito, mas jogar Lobisomens ou Van Basten não é a mesma coisa!

De volta às notícias. Quem são os rivais do Abano nesta temporada? Acima de tudo, acreditamos em trabalhar bem nós mesmos. Há muitas equipas a gastar muito, muito a apostar tudo e vai ser uma liga muito competitiva. Monselice quer vencer e prepara-se para subir, mas também já ouvi o Porto Viro a trabalhar nesse sentido. Vamos ver como serão os grupos e aí eu consigo ter uma ideia melhor.

Que ideia você teve sobre a situação em sua Pádua? Dois níveis de análise. A primeira, muito dinheiro foi gasto. A segunda, uma boa dose de azar, porque Perugia e Tirol do Sul fizeram algo incrível nos últimos dois anos. Dito isso, esperava ainda mais de Pádua em relação aos investimentos realizados. Vi poucos jogos este ano, mas nos playoffs fiquei decepcionado com a identidade e qualidade do time, assim como com a atitude de mais de um jogador. Não quero adicionar outros comentários. Fiquei chateado, porque tenho Pádua tatuada no coração e sinceramente achei que era o ano certo para voltar à Série B.

E na Cidadela? Alguém zombou de não ter acesso aos playoffs. Isso me faz sorrir com essas últimas palavras. Um monumento a Gabrielli e Marchetti deve ser construído pelo que eles vêm fazendo há anos em Cittadella. Um trabalho extraordinário, tendendo para o milagre. Parece que ouço torcedores da Atalanta reclamando da falta de acesso à Europa. É verdade que o ventilador tem memória curta.

Última pergunta: por que Carlo Perrone, com um bom passado com os profissionais, deixou a Promoção? Você não se sente um pouco esquecido pelo grande futebol? Honestamente, sou um homem feliz, contente e contente. Tenho boa autoestima e vivo o futebol como paixão. Em todos os níveis. Para o Abano, é como se me chamassem para treinar na Serie B. Ainda tenho o mesmo tipo de abordagem, mentalidade e compromisso. Eu não estou buscando vingança no profissionalismo. Quando e se eles notarem, estarei pronto. Na Abano estou numa empresa com história e espero que nos leve a uma categoria superior.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.