Casamento centenário de V Camilla Gonzaga e Pier Maria, lembra San Secondo

Daqui a alguns meses, em 2023, será celebrado o quinto centenário do casamento entre a Condessa Camilo Gonzaga por Vescovato (ilustre representante da casa nobre de Gonzaga) e o Conde Pier Maria III por Rossi de San Secondo Parmense. Um aniversário que mesmo nas terras que se estendem entre o Cremonese e o Mântua, entre o Oglio e o Pó, merece ser comemorado com dignidade, talvez com um evento que os una com as terras da Bassa Parmense, em benefício do cultura (e turismo) de ambas as margens do Pó.

Camilla Gonzaga, deve ser lembrado, nasceu em Mântua no início de 1500 para Giovanni, irmão do Marquês Francisco II e de Laura Bentivogliofilha de John senhor de Bolonha. Ele viveu em Mântua até 1519, quando foi transferido para Vescovato, que seu pai havia comprado. Em 1523 casou-se com o conde Pier Maria III de ‘Rossi, senhor de San Secondo e desde o início desempenhou um papel fundamental na política rossiana, muitas vezes substituindo o marido, empenhado na batalha, na atividade diplomática.

Suas viagens a Mântua eram freqüentes e muitas cartas foram enviadas ao seu primo Frederico II pedindo ajuda contra vários inimigos (uma de suas cartas solicitando a defesa da Rocca di Berceto, atacada pelos Rossi di Corniglio, é datada de 30 de abril de 1527 ).

A ajuda solicitada em 1537 contra a ameaça Farnese do Papa Paulo III, que pretendia atacar o castelo de Sansecondino, foi interessante e a resposta de Gonzaga rapidamente enviou um exército para protegê-lo.

O retrato pintado por Parmigianino por volta de 1538/39 transmite a imagem de uma mulher gentil, rodeada por três dos seus filhos (incluindo o herdeiro Troilo II), mas ao mesmo tempo decisivo, forte mesmo que seja pela simplicidade de um gesto.

É justamente por essas qualidades que ele se fez apreciado pela Duquesa Catarina de Habsburgo mulher de Francisco III Gonzaga E Margarida da Áustriaesposa do duque de Parma Otávio Farnese.

Com efeito, em 1559, acompanhou a Duquesa à Flandres como dama de companhia e depois passou a servir Isabel de Portugalesposa do grande chefe Alessandro Farnesetentando ajudar seu filho Troilo na condução bastante difícil das relações diplomáticas.

Camilla Gonzaga morreu em 1585 em San Secondo apenas seis anos antes de os dois filhos Troilo e Hipólito. Por mais de trinta anos, todos os anos em San Secondo Parmense o casamento de 1523 com o Conde Pier Maria III dè Rossi é celebrado com o Palio delle contrade, um evento sempre capaz de atrair milhares de pessoas.

O quinto centenário do casamento nobre será lembrado, nos próximos meses, com a devida ênfase. Enquanto isso, nos últimos dias, o logotipo da 33ª edição do Palio delle Contrade di San Secondo foi apresentado no pátio de honra da Rocca dei Rossi, na presença de autoridades locais e muitos contredaioli.

“Apresentamos com orgulho o logotipo que acompanhará e identificará a edição de 2023 – disse o presidente da associação Palio delle contrade Sara Bini – com este novo gráfico que mostra o leitmotiv que nos acompanhará de hoje até junho, onde precisamente “Cinco séculos depois” do casamento de Pier Maria e Camilla celebraremos seu 500º aniversário. Já estamos trabalhando – acrescentou – para organizar um programa que preste homenagem a um evento tão importante e sentido por todos nós. Aproveitamos para agradecer aos patrocinadores, aos colaboradores e à administração municipal o apoio sem o qual não seria possível realizar o nosso projeto num momento histórico particularmente difícil como o que vivemos hoje”.

O Palio será, portanto, dedicado ao importante casamento que uniu a família Rossi aos Gonzagas através das figuras de Pier Maria e Camilla. Uma união particularmente feliz para as terras de San Secondo, que experimentaram uma época particularmente próspera e positiva do ponto de vista artístico, arquitetônico e político, graças à ligação com uma família poderosa como a de Mântua. Um período de esplendor que continuou nas décadas seguintes com a nova geração de Rossi, que viu também um dos filhos do casal receber a púrpura do cardeal, a Rocca tornar-se uma joia do nosso território e o Casato dei Rossi sempre um protagonista na história da o Renascimento italiano.

Enquanto isso, e enquanto se espera que a figura de Camilla Gonzaga seja digna e justamente lembrada também na Baixa Lombardia, vale ressaltar que, graças à busca de Cesare Pezzarossaestudioso e pesquisador da história local, é possível publicar a certidão de óbito da condessa Camilla Gonzaga, encontrada pelo próprio Pezzarossa nos arquivos paroquiais de San Secondo Parmense.

A Condessa foi enterrada, como muitos outros membros da família Rossi, no oratório do castelo dedicado a Santa Caterina d’Alessandria. Com as demolições do final de 800 e início de 900 o oratório foi destruído e infelizmente os restos mortais dos nobres ali enterrados foram espalhados. Graças novamente à pesquisa do próprio Cesare Pezzarossa, também é possível mostrar uma carta, datada de 1580, assinada pela condessa Camilla que o estudioso rastreou graças a uma casa de leilões. Uma figura, a de Camilla Gonzaga, que merece ser mais conhecida e valorizada.

Eremita do Po, Paolo Panni

© Todos os direitos reservados

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *