Catar não é novidade: o futebol usado pelo poder político e o nascimento da Rimet Cup | nacionais

A fase final começa no domingo copa do mundo 2022. A decisão da FIFA de organizar a edição da Copa do Mundo no Catar tem motivações relacionadas a questões políticas, econômicas e geoestratégicas isto Eu não sou único na história da manifestação. Com efeito, hoje iniciamos uma viagem através as primeiras edições da copa do mundo do futebol, uma jornada que vamos enfrentar focando principalmente no que nas diferentes edições se desenvolveu ao lado da simples competição esportiva, especialmente nos vínculos que gradualmente se desenvolveram fatos cada vez mais semelhantes e característicos entre o futebol e certos aspectos econômico-políticos tudo menos secundário.

O FUTEBOL COMO FERRAMENTA DE IDENTIDADE – Como já dissemos várias vezes, o futebol é um jogo que se consolidou rapidamente a partir de meados do século XIX por uma variedade de razões em todo o lugar. Dentre tantos motivos, o futebol, mais do que outros esportes, teve um notável poder “indigenizante” ao conseguir se tornar ferramenta de identidade extraordinária útil para fortalecer a identidade nacional. Se, por um lado, de facto, o futebol tem exercido um irresistível poder de agregação de comunidades que se reconhecem numa paixão e “bandeira” comuns, por outro, é logo foi usado pelo poder político para criar e de alguma forma manipular uma identidade sócio-política nacional precisa. Não surpreende, portanto, que a classe dominante do futebol sentisse desde logo a necessidade de se organizar numa estrutura supranacional útil para a regulação das actividades e encontros internacionais, tanto mais depois da Primeira Guerra Mundial, quando o sistema geopolítico que emergido da Segunda Guerra Mundial varreu impérios multinacionais para dar lugar a uma ordem vestfaliana que, de um ponto de vista deliciosamente esportivo, era mais adequada ao declínio em desafios competitivos.

FIFA DE GUERIN A RIMET – Os primeiros a se organizar estruturalmente no alvorecer da história do futebol foram obviamente os britânicos e foi precisamente a eles que o resto da Europa se voltou pela primeira vez para criar uma estrutura supranacional, mas o isolamento em que os “mestres” se refugiaram logo deixou claro que era necessário tomar emprestado outro caminho. E outro caminho será de fato trilhado, mantendo sempre um canal aberto de comunicação com os “inventores” do jogo, tanto que os anos que antecederam o segundo pós-guerra foram marcados por entradas e saídas cíclicas das federações britânicas na assembleia da FIFA

Quando Robert Guérin conseguiu, em 1904, federar algumas federações nacionais – excluindo a britânica – criando a Federação Internacional de Futebol (FIFA) já tinha em mente um torneio aberto a selecções nacionais.mas estava sem dúvida muito à frente do seu tempo e de facto o primeiro torneio de futebol que a FIFA conseguiu organizar foi o dos Jogos Olímpicos de Londres em 1908. É verdade que já em 1905 Guérin sonhava em organizar um torneio da União Europeia na Suíça, mas a sua o custo ainda era muito alto e as dificuldades ligadas ao status de amador dos jogadores fizeram com que o projeto fosse abortado.

O sonho de Guérin será realizado por seu compatriota Jules Rimet.
O verdadeiro ponto de virada veio no torneio olímpico de 1924
ou seja, quando uma das seleções sul-americanas mais fortes do momento competiu pela primeira vez em Paris, Uruguai. Um torneio continental já havia sido disputado por estas paragens desde 1916, um fraco eco das façanhas da seleção uruguaia chegava à Europa e pouquíssimos tinham elementos suficientes para avaliar o exato alcance técnico desta equipe. Foi um triunfo que o Uruguai também repetiu na edição seguinte, a de 1928.

OS ARREBROSOS ANOS 20 DO FUTEBOL INTERNACIONAL – A década de 1920 foi decisiva para o crescimento orgânico da ideia pioneira de um torneio de seleções isso foi além dos primeiros torneios que aconteceram antes da guerra entre Nacionais de expressão de Nações dentro de Impérios.

A FIFA cresceu em número com a filiação das federações sul-americanas, enquanto em 1921 o francês Jules Rimet foi eleito para o topo que certamente não havia esquecido o sonho de seu compatriota Guérin de organizar um torneio mundial de futebol, em 1924 Rimet formou uma comissão formada por Meisl, Delaunay, Bonnet, Linnemann e o italiano Ferretti, com o objetivo de verificar se um evento de futebol não olímpico. Como apontam Nicola Sbetti e Riccardo Brizzi em sua História da Copa do Mundo (1930-2018) Rimet vê o futebol como uma ferramenta importante e decisiva útil para aproximar nações e povos que emergiram desintegrados e novos da experiência da Primeira Guerra Mundial.A Rimet apresenta reiteradamente a FIFA como “um clube (desportivo) das nações”, e é com a Rimet que o futebol e a política se unem num pacto que beneficia ambos e cujo selo é, sem dúvida, o Mundial FIFA.

nos anos 20como sabemos, alguns torneios de seleções nasceram no modelo de campeonato caseiro, como Nordisk Mesterskap, Baltic Cup e copa internacionalalém da já existente Copa Sul-Americana, que já acontecia na América do Sul desde 1916.

O resultado do trabalho da comissão indicada por Rimet – que se sentia encorajado por esses exemplos continentais – foi apresentado no Congresso de Amsterdã de 1928, quando foi anunciado que para 1930 seria organizada uma competição aberta a todas as seleções nacionais de todas as federações filiadas . . Com 23 votos a favor, o que era um sonho do pioneiro Guérin tornou-se realidade sob a liderança de Rimet. Havia também o troféu para entregar aos vencedores: uma estatueta de ouro de quase dois quilos representando uma “vitória alada” feita pelo ourives francês Abel Lafleur. Embora seja verdade que nem todos inicialmente acreditaram que fosse possível realizar esse sonho, a realidade é que Espanha, Itália, Hungria, Suécia, Holanda e Uruguai apresentaram suas candidaturas: a longa jornada da FIFA e de seus principais representantes para criar um competição global “aberta” havia chegado à linha de chegada, faltava apenas confiar a organização da primeira Copa do Mundo.
E comece a jogar.

(Alessandro Bassi também está http://storyedifootballperduto.blogspot.it/)

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *