Cinquenta e um detentos morreram em uma prisão colombiana em um incêndio

Cinquenta e um presos morto devido a um incêndio ocorrido durante uma revolta na prisão de Tuluá, cidade colombiana a oeste de Bogotá, a capital. Trinta outros detidos ficaram feridos e foram levados para o hospital. O general encarregado da agência penitenciária do país, Tito Castellanos, disse que uma investigação foi aberta para esclarecer o que aconteceu, mas ele espera que o fogo tenha começado depois que os presos incendiaram alguns colchões, por iniciativa deles, para evitar guardas parem. evento.

A prisão de Tuluá tem 1.267 detentos e o bloco onde ocorreu o incêndio tinha 180. As prisões colombianas têm um problema de superpopulação: são 81.000 lugares, mas as pessoas presentes são cerca de 97.000, segundo dados oficiais.

O ex-presidente colombiano Iván Duque, em visita a Portugal, escreveu no Twitter que estava “solidário com as famílias das vítimas” e que havia “dado instruções” para realizar as investigações que vão “esclarecer esta terrível situação”.

O presidente eleito Gustavo Petro – um progressista de esquerda que venceu as eleições em junho passado e tomará posse em agosto próximo – escreveu que o Estado colombiano vê a prisão como um lugar “de vingança e não de reabilitação” e que isso que aconteceu em Tuluá “força um completo repensar da política prisional” para que a “dignidade do preso” seja colocada no centro.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.