Cisl Taranto Brindisi: “Comunidades energéticas uma oportunidade excepcional”

“Acreditamos que as comunidades de energia podem ser uma oportunidade excepcional e unificadora, pois é um modelo que prevê participação, inclusão, coesão, compartilhamento, para lidar com mudanças que, num primeiro momento, poderiam causar perplexidade, mas beneficiariam com o tempo o meio ambiente. , o sistema produtivo, econômico e social de cada comunidade individual”.

Início dos trabalhos da conferência sobre o tema “Comunidades de Energia” organizado com Adiconsum Nacional E Cisl Apúlia na Cittadella delle Imprese em 3 de outubro em Taranto, com o patrocínio de AdSP, Câmara de Comércio e moderado por Pierangelo Putzolujornalista e diretora editorial da Antenne Sud, Gianfranco Solazzosecretário geral Cisl Taranto Brindisi ele insistiu particularmente na necessidade de “promover um novo modelo de produção e consumo de energia que venha de baixo, ou melhor, da participação ativa dos stakeholders, sejam eles cidadãos ou empresas, administrações ou associações, que se tornam produtores e consumidores, os chamados prosumers”.

Aqui está um exemplo, acrescentou Solazzode como “Fazer da energia um bem democrático, que não é propriedade de poucos, mas um bem/serviço acessível a todos, ou seja, um bem comum. ”

Para o Arcebispo de Taranto, Felipe Santoro “Existe o gargalo de uma transição ecológica em nosso país que diz respeito à capacidade de autopromoção de energia, baixo carbono e contratação ilegal, o que também pode constituir uma oportunidade de renda para famílias e comunidades. Entre outras coisas, propusemos, durante a Semana Social dos Católicos Italianos, realizada no final de 2021 em Taranto, que cada uma das 25.610 paróquias italianas se tornasse uma comunidade energética. »

A escolha dessas comunidades “O que também pode afetar e envolver os sistemas de produção – argumentou o Professor Leonardo Bechetti, da Universidade de Roma Tor Vergata – é um modelo de produção participativa e generalizada a partir de baixo, para evitar que a energia se torne um sistema elétrico concentrado nas mãos de poucos. Para a Itália, a escolha de fontes renováveis ​​está se tornando fundamental. A energia autoproduzida pode se tornar uma fonte de renda para famílias e empresas. Outros países, como Portugal e Alemanha, estão melhor do que nós. »

O advogado Sérgio Prete Presidente da Autoridade do Sistema Portuário do Mar Jônico (AdSP), anunciou que “No Porto de Taranto já identificamos as áreas que poderiam ser de interesse, às quais também se poderia acrescentar a superfície do Distripark, para cuja gestão foi recentemente proposto o project finance. Quanto ao modelo de porto verde, estamos nos mobilizando para tornar nossas infraestruturas competitivas e atrativas” e para o comissário extraordinário da câmara de comércio O Excelentíssimo Gianfranco Chiarelli que trouxe suas saudações para o trabalho “É no território que se desenha e cria um novo modelo de desenvolvimento equitativo e participativo.”

Davi de José O Community Manager Autoconsumo e Energia GSE definiu comunidades de energia “Pessoa jurídica, regida por contrato social que deve ser arquivado a custo reduzido na Receita Federal. Para condomínios é possível produzir uma resolução simples para definir uma necessidade de energia compartilhada que pode chegar até 220 KW. »

A questão ambiental é “No centro de nossas demandas – afirmou Antonio Castellucci, secretário geral da CISL Puglia – é também por esta razão que continuaremos o nosso compromisso vinculativo de formação, informação e promoção sobre os vários temas da transição ecológica, que consideramos como oportunidades de desenvolvimento e empregos adicionais. As comunidades de energia devem ser amplamente divulgadas e socialmente compartilhadas com o sistema empresarial e com o sindicato, bem como com as instituições. A lacuna existente com os outros países europeus que são nossos concorrentes diretos deve ser fechada”.

Um estudo do Politecnico di Milano relata Carlos Cascella Chefe de Assuntos Institucionais e Sustentabilidade da Macro Zona Sul “Ele argumenta que nos próximos dois anos, até 20.000 comunidades de energia devem ser criadas; hoje somos algumas centenas. O salto dimensional também dependerá da administração pública, pois ainda há incentivos a serem implantados para pequenos municípios. Mas o instrumento tem todas as referências para dar uma ajuda concreta”.

Presidente Nacional Adiconsum Carlos De Masi lembrou que “Há um ano, instamos fortemente o governo a publicar os decretos de implementação que, também no que diz respeito às comunidades energéticas, poderiam amenizar os golpes de uma crise energética que hoje, infelizmente, está fazendo com que as pessoas paguem custos muito altos às famílias e às empresas. Estas comunidades são um instrumento de democracia e solidariedade social. Até o momento, as únicas intervenções governamentais são econômicas, mas não são uma solução, pois os sistemas fotovoltaicos poderiam ter sido fornecidos aos pobres de energia por pelo menos 20 anos com os mesmos gastos públicos (bônus) atualmente incorridos.

Por Ângelo Colombini, Secretário confederal nacional da CISL concluindo os trabalhos da conferência “A política energética na Itália não pode mudar a cada mudança de governo” e lembrou que quando falamos da comunidade energética, falamos de democracia, participação cidadã num quadro de necessidades e de bem-estar próprio e social. Há casos virtuosos em toda a Itália, mas ainda são poucos; esta oportunidade deve ser revivida. É um problema cultural, mas também um problema de financiamento do Estado. São necessários recursos, como toda política energética, que precisa ser relançada, mas não como até ontem, sem preconceitos e sem ideologias, mas com uma política que possa dar respostas diversificadas na frente das renováveis. E para isso precisamos de uma colaboração entre as forças vivas, o Governo, os sindicatos, as empresas e principalmente os partidos”. (Comunicado de imprensa)

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *