Com receitas eletrónicas, será possível retirar medicamentos em toda a UE

A Estônia e a Finlândia mantêm estreitos laços sociais e econômicos. Mais de 6 milhões de passageiros viajam entre Helsinque e Tallin todos os anos. Ao cruzar a fronteira, os cidadãos de ambos os países têm a oportunidade de adquirir medicamentos sem necessidade de receita médica e sem se preocupar com a barreira do idioma.

Tipo, como? Isto é possível graças à prescrição eletrónica transfronteiriça, que permite aos cidadãos europeus obter medicamentos receitados pelo seu médico numa farmácia de outro Estado-Membro. O procedimento é simples e rápido.

Por meio do cartão de identidade eletrônico do paciente, o farmacêutico acessa uma plataforma online, verifica qual produto foi prescrito e pode entregá-lo ao cliente. “Assim que entramos no sistema – explica Aleksandr Vares, farmacêutico – vemos a lista de prescrições feitas para essa pessoa traduzida automaticamente para o estoniano. Então, tudo é compreensível. Uma vez que o medicamento é vendido, o sistema leva alguns minutos para enviar informações para o país de origem do paciente. A prescrição é então cancelada ou a quantidade de medicamento prescrito é reduzida. Quase todos os tipos de medicamentos podem ser adquiridos, exceto psicotrópicos, narcóticos e medicamentos especiais, que são preparados nas farmácias”.

Tehic é a agência pública que introduziu a prescrição eletrônica na Estônia. Uma experiência que representa um valioso contributo para o Espaço Europeu de Dados de Saúde, o projeto recentemente lançado pela Comissão Europeia, que utiliza dados de saúde do doente para um cuidado transfronteiriço mais eficaz, apoiando a investigação científica e as políticas de saúde.

A ligação entre médicos e farmácias é assegurada pela Infraestrutura de Serviços Digitais para e-Health Care, uma rede que permite a continuidade dos cuidados aos cidadãos que viajam pela Europa. Estão a ser implementados serviços de prescrição e entrega eletrónica de saúde transfronteiriça e registos médicos de doentes.

Os primeiros países que começaram a usar prescrição e administração são Estônia, Finlândia, Croácia e Portugal. Os outros países europeus irão gradualmente aderir ao sistema ao longo dos próximos anos. “Hoje, quando viajamos, já não pensamos se temos roaming com o nosso telefone – explica Tõnis Jaagus, chefe da divisão de saúde da Tehik -. Com o sistema de serviços de saúde electrónicos transfronteiriços, deveria ser a mesma coisa. Não teremos mais que nos preocupar em ter a receita em papel. Basta ir à farmácia, mostrar o RG e pegar o remédio que precisamos.”

A ligação entre as diferentes agências nacionais de saúde europeias exige elevados níveis de segurança e interoperabilidade. “Temos que identificar as pessoas de forma segura – explica Artur Novek, arquiteto de TI da Tehik – e no caso da Estônia temos duas maneiras de fazer isso: o cartão de identidade eletrônico e o cartão SIM do telefone. C é um chip que contém a chave privada que o identifica para o sistema.

O futuro dos serviços de saúde transfronteiriços em toda a Europa será semelhante ao roaming do telemóvel. Os dados e prescrições médicas permitirão que os pacientes que viajam para o exterior sejam rastreados para garantir uma melhor qualidade dos cuidados médicos.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *