Concessões, corrida por uma solução sob o olhar atento da Europa

A trabalhar para fazer uma proposta estruturada, alargando a delegação ao Governo por três ou quatro meses. O tema quente das concessões de praia marca outro episódio: sem prorrogação para os gestores, sem tensão, não só no seio da maioria mas sobretudo nas relações com a Europa, evitando o risco de processos de infração que seriam desastrosos para a serenidade das negociações também em termos de financiamento do Pnr.
Não é por acaso que o ministro dos Assuntos Europeus, Raffaele Fitto, interveio como ponte numa reunião em que participaram os pró-forzistas Licia Ronzulli e Maurizio Gasparri, apoiantes da Liga do Norte Gianmarco Centinaio e Edoardo Rixi, do Fdi, Francesco Lollobrigida e Gianluca Caramanna e pelos centristas Lorenzo Cesa e Maurizio Lupi.

A ordem do Tribunal da UE

O que fez a diferença, explicou o ministro Fitto, foi o teor de um despacho de 16 de janeiro do Tribunal da União, que decidiu não marcar a audiência para discussão, agilizando o prazo da decisão. Os juízes europeus foram investidos pelo TAR de Lecce em maio passado. Portanto, cautela máxima e a decisão de prosseguir com o projeto de lei de revisão do setor pelo governo de Giorgia Meloni antes do prazo de 31 de dezembro de 2023 ou 2024 para casos especiais e a proibição simultânea de praias. “Ficou acordada a constituição de uma mesa interministerial – lê-se na nota -, bem como a abertura imediata de discussão com as categorias e instituições interessadas. Portanto, é necessária uma prorrogação para o exercício da delegação pelo Governo”.
De facto, o dispositivo final deveria ter chegado a 27 de fevereiro com os decretos de execução da reforma das concessões litorâneas com base na cartografia das costas. Prazos impossíveis de cumprir, razão pela qual chegou o adiamento de alguns meses, provavelmente consagrado no decreto Milleproroghe.

Alterações ao decreto Milleproroghe

Apesar disso, as emendas apresentadas pelo Forza Italia, que pediu o adiamento, não foram retiradas e serão avaliadas durante a revisão. Os 30.000 empresários do setor estão agitados, preocupados com as consequências da diretiva Bolkestein, como admitiu o senador italiano Maurizio Gasparri em uma discussão no Rai Radiouno com o prefeito de Lecce, Carlo Salvemini e o presidente do Sib nacional, Antonio Capacchione. “O medo é que o contexto atual seja destruído, para dar lugar a uma Amazônia de praias”, disse Gasparri. “Adeus aos grupos familiares históricos, aos pequenos negócios, que obviamente têm de pagar a quantia certa. Queremos destruir um recurso produtivo italiano fundamental como este? Então vamos fazer o mapeamento, os espaços estão aí. Restauramos praias abandonadas e garantimos empresas italianas que investiram fortemente nos últimos anos. E então a Europa não pode ameaçar a infração por nós e conceder concessões plurianuais em Espanha e Portugal: não temos filhos e enteados”.
Para a Sib, a atividade da concessionária sempre foi transparente e baseada na proteção das praias. “Os valores do aluguel não devem enganar – disse Capacchione -, o trabalho dos gerentes é exercido em apenas três meses, os meses de verão, apesar de os impostos serem pagos durante todo o ano. A nossa proposta é fazer com que o dinheiro das concessões vá para os Municípios, de forma a garantir o alojamento e equipamento das praias gratuitas, que são um recurso para nós”.
Salvemini, por outro lado, não fez descontos ao lembrar a necessidade de aplicar a lei de forma discreta. “O quadro é claro e foi definido pela Assembleia Criminal e pelo governo Draghi”, sublinhou o prefeito de Lecce. “As forças políticas prometeram um adiamento agora que estão no governo e perseguem esse objetivo. As estâncias balneares como empresários beneficiariam de se confrontarem num quadro claro também do ponto de vista do tempo”. Salvemini quis então sublinhar uma distinção fundamental. “Ninguém pôs em causa o regime de utilização dos banhos turísticos – acrescentou -, mas sim as modalidades de atribuição dos títulos de concessão. Um procedimento diferente para outorgar a concessão sem repetidas renovações e prorrogações. O uso de lidos deve ser autorizado com a liberação dos títulos que passam por procedimentos de provas públicas. Sempre lembramos que são propriedade do Estado e não propriedade privada.”
© DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS

Leigh Everille

"Analista. Criador hardcore. Estudioso de café. Praticante de viagens. Especialista em TV incurável. Aspirante a fanático por música."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *