Concluído o projeto Life Resilience, foram identificados 18 genótipos de oliveiras potencialmente resistentes à Xylella

está acabando Life Resilience, o projeto europeu – apoiado entre outros pela empresa agrícola Villa Filippo Berio pertencente a Salov – nasceu com o objetivo de combater a Xylella fastidiosa (XF) promovendo um modelo de produção agrícola sustentável, reduzir a pegada de carbono e mitigar as mudanças climáticas por meio do uso de recursos tecnológicos. Foram concluídos quatro anos de intenso trabalho, que nos permitiram obter um modelo de boas práticas que pode ser reproduzido em toda a bacia do Mediterrâneo. Entre as conquistas, a realização de 18 genótipos potencialmente resistentes a Xylella fastidiosa e a identificação de boas práticas que levaram a uma redução significativa das emissões de CO2 e da pegada hídrica.

Xylella fastidiosa e resiliência à vida Xylella fastidiosa é uma bactéria parasita que pode atacar vários tipos de plantas, incluindo videira, pêssego, amêndoa, citrinos, oleandro e oliveira, causando a sua morte em muitos casos: uma doença que representa um grave problema ecológico e econômico, uma vez que a rápida perda de espécimes está a prejudicar gravemente os ecossistemas e a economia rural dos países da região mediterrânica. Basta dizer que apenas na Puglia, a Xylella fastidiosa causou mais de 1,6 bilhão de euros em danos em 6 anos.

Perante esta situação, várias organizações italianas, espanholas e portuguesas – a sociedade agrícola Villa Filippo Berio di Salov, o Instituto de Bioeconomia (Ibe), pertencente ao Conselho Nacional de Investigação (Cnr), Balam Agriculture SL, a Universidade de Córdoba (Uco ), Agrifood Comunicación, Greenfield Technologies SL, Asaja Nacional, Nutriprado Lda, Sahc-Sociedade Agrícola de Herdade do Charqueirao, SA; – participou em 2018 no projeto Resiliência cofinanciado pela União Europeia no âmbito do programa Life, criado para desenvolver genótipos de plantas produtivas resistentes a patógenosaplicar práticas sustentáveis ​​e propor o uso de métodos naturais para o controle de vetores patogênicos.

O projeto também considerou uma questão prioritária para a UE, nomeadamente mitigação das mudanças climáticas através de melhor uso da terra e silvicultura mais ecológica. Para melhorar a sustentabilidade das práticas agrícolas, o projeto também se concentrou na otimização do sistema de abastecimento e uso de água e na redução da pegada de carbono. O principal resultado do Life Resilience é a obtenção de 18 genótipos potencialmente resistentes à Xylella fastidiosa caracterizados por excelentes propriedades agronômicas – entrada precoce em produção, vigor vegetativo e produtividade – além de excelentes perfis de ácidos graxos dos óleos. A nível prático, surgiram informações úteis para otimizar a monitorização e controlo da Sputacchina, o principal inseto vetor da bactéria Xylella Fastidiosa, através da obtenção de um melhor conhecimento do sistema de “insetos” nos olivais.

Um aspecto interessante do projeto é ter considerado o olival como um todo em vez da única oliveira. Com isso em mente, graças à introdução de flora auxiliar, caixas-ninho e boa gestão de controle de pragas, foi alcançado um aumento da biodiversidade em todas as áreas do ambiente agrícola. Além disso, foi possível aplicar a agricultura de precisão através do uso de dados de satélites e drones que ajudaram a entender como tornar a atividade dentro do olival mais sustentável. Por fim, através da implementação de práticas sustentáveis ​​de Resiliência à Vida, contribuímos para redução do uso de produtos fitossanitários e fertilizantes, bem como redução do uso de água e combustíveis fósseisreduzindo as emissões de CO2 em 18.665 toneladas e a pegada hídrica em 389.375 m3 nos 250 hectares de quintas de demonstração onde o projeto foi implementado (Villa Filippo Berio, El Valenciano, Herdade do Charqueirao).

Salov, durante os quatro anos do projeto, disponibilizou o terreno da Villa Filippo Beriou estudar o estabelecimento de práticas sustentáveis, o controle de insetos vetores, o aumento da biodiversidade e a saúde do solo. Os 50 hectares abrangidos pelo projeto foram divididos em 16 parcelas com 4 diferentes tipos de gestão de terrenos e plantas: – 1 área onde se cultivam oliveiras com técnicas tradicionais – 1 área onde foi plantada uma cobertura herbácea ao pé das oliveiras para promover o desenvolvimento de insetos úteis às plantas e combater o estabelecimento de espécies nocivas – 1 zona onde foram utilizados produtos fitoestimulantes naturais para aumentar a resistência fisiológica das plantas – 1 zona onde são adicionadas as variáveis ​​anteriores, depois o plantio da cobertura herbácea e o uso de fertilizantes naturais nas folhas das árvores.

Alguns dos genótipos potencialmente resistentes à Xylella fastidiosa estão plantados nas parcelas experimentais de Villa Filippo Berio. Esses parcelas experimentais eles continuarão a ser monitorados mesmo agora que o projeto está concluído, para definir a resistência à bactéria e as características agronômicas de futuras novas variedades de azeitonas.

“Os resultados obtidos no âmbito deste projeto são muito interessantes e confirmaram, mais uma vez, a importância da pesquisa. Conscientes da dinâmica e necessidades do setor em que atuamos, hoje mais do que nunca, tal como a Salov, sentimo-nos responsáveis ​​por ter de contribuir para a melhoria de todo o sistema de produção de azeitona de qualidade. Numa altura em que os desafios colocados pelas alterações climáticas são cada vez mais urgentes, orgulhamo-nos de que os nossos solos possam ajudar a identificar possíveis soluções para uma agricultura mais sustentável e resiliente”, comenta. Fabio Maccari, CEO do Grupo Salov.

Henley Maxwells

"Solucionador de problemas. Criador certificado. Guru da música. Beeraholic apaixonado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.