continuarão seus esforços em nome da saúde, limitando os direitos e liberdades

Agora estamos falando de ‘tambur battend’ variante BA.5variante de Coronavírus Obviamente. Nova variante que aparece como um fantasma para perturbar o nosso sono e sobretudo para já aludir ao que é provável que seja um outono quente, mesmo muito quente. A variante BA.5 afeta principalmente Portugal, dizem-nos, e atinge-o com uma onda de infecções verdadeiramente preocupante, segundo especialistas. Mas também pode se mover rapidamente em nosso belo país.

Destes agora dois anos de emergência pandêmica permanente, aprendemos muito. Acalentamos nossas feridas e nossa dor. Pelo menos aqueles de nós que mantiveram o soberania sobre suas próprias cabeças e escolheram a capacidade de pensar sobre o gesto do avestruz que, notoriamente, esconde a cabeça na areia. Aprendemos, por exemplo, que cada variante do Coronavírus é, por definição, a penúltima. Também aprendemos que cada variante do Coronavírus é sempre, invariavelmente mais contagiosa que a anterior, mas sobretudo aprendemos, nestes dois anos e meio, que a emergência infinito representa a base do novo normal neoliberal.

Figuras de emergência infinitas, de fato, como um método preciso de Governo. o o poder usa esse modo de governo para administrar de forma total e totalitária, despótica e distópica, coisas e pessoas. De fato, com urgência, o que normalmente era inaceitável de repente se torna inevitável e, como inevitável (portanto, nem certo nem bom, mas simplesmente inevitável) tudo é aceito com resiliência, com uma euforia estúpida. Com rendição agradecida. Na verdade, eles não nos limitam liberdade sim direitos, como pode parecer à primeira vista (em um estado normal isso seria certeza), de forma alguma. Eles estão fazendo todo o possível para proteger nossa saúde e proteger nossas vidas, para isso é necessário limitar direitos e liberdades em nome de uma urgência infinita para que nossa atenção durante esses dois anos seja desviada do que eles tiraram de nós para o que nós eles garantiram. Eles não estavam tirando nossa liberdade, não, eles estavam apenas dando segurança no contexto da emergência. Claro que, sem a urgência, retirar as liberdades desta forma teria sido um gesto despótico E totalitário mas, como havia urgência, tornou-se na verdade o gesto benéfico de um poder que cuidava de nós. Esse é o fundamento último do paradigma de segurança da ordem neoliberal, que usa a segurança comprometida como álibi para restringir liberdades e direitos.

Aprendemos e valorizamos, neste momento teremos que ter os anticorpos, ser imunes para permanecer no léxico médico científico e, em vez disso, cada vez com novas emergências e novas variantes, todo o dispositivo reaparece como está e a maioria aceita com louca alegria, acreditando verdadeiramente que liberdades e direitos são dispensáveis ​​em nome da saúde, mas sabemos que nada vale a pena justificar redução liberdades e direitos. Eles estão, por definição, indisponíveis e não há vírus que possa justificar uma restrição de liberdades e direitos também porque (pense nisso) se a mensagem tivesse sido transmitida como em parte, que uma emergência pode justificar a limitação de direitos e liberdades, o que nos impediria de pensar que o poder não usa Ad hoc urgência, justamente por isso? Apenas para limitar liberdades e direitos. Em outras palavras: quem nos impediria de pensar que a emergência e seu tratamento são apenas um meio para um outro fim que é o da remodelação do fim dos direitos? Este é o ponto fundamental para o qual a atenção deve ser sempre chamada repetidamente.

Atividades de rádio – Flashes de pensamento diário com Diego Fusaro

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.