De Magistris e Iglesias juntos contra a direita

O encontro entre o porta-voz da União Popular e o ex-vice-presidente espanhol, um dos fundadores do Podemos, representou uma espécie de dupla política e ideal da esquerda. Sobre temas que Iglesias aborda no posfácio do livro de De Magistris que antecipamos

A conferência “O poder da mídia. Como a informação nas mãos de poucos pode prejudicar a democracia”. Entre os participantes, Luigi de Magistris, porta-voz nacional da União Popular, e Pablo Iglesias, cientista político, ex-vice-presidente do governo espanhol, um dos fundadores do Podemos e hoje diretor do podcast A base. Iglesias sublinhou o paralelismo entre Itália e Espanha na ascensão da direita e o encontro sancionou uma espécie de geminação política entre Up e Podemos. O encontro em Nápoles foi uma oportunidade para antever o livro de Luigi de Magistris fora do sistema (Piemme), nas livrarias. Aqui antecipamos o posfácio escrito por Pablo Iglesias, enquanto o prefácio é de Nino Di Matteo.

Pouco depois de uma cúpula da OTAN em Madri, almocei com o ex-presidente José Luis Rodríguez Zapatero. José Luís é um aviso raro no seu espaço político: esteve à frente do governo espanhol e continua a sê-lo como lúcido analista da realidade e figura internacional. Mesmo Zapatero não se esquiva de questões desconfortáveis ​​para seu próprio partido. Ele o demonstrou na América Latina defendendo posições de esquerda que não são comuns entre os dirigentes socialistas e o demonstrou no comentário que me fez durante aquele almoço, que quero usar aqui como ponto de partida para falar sobre Luigi de Magistris.

A cúpula da OTAN gerou uma tensão considerável entre Podemos e PSOE (aliados em um governo de coalizão), mas também entre Podemos e outros setores da esquerda alternativa ao PSOE. Perante o entusiasmo atlantista dos socialistas, que não hesitaram em apresentar a OTAN como um baluarte da democracia europeia e insistiram na necessidade de infligir uma derrota militar à Rússia, todos à sua esquerda não ficaram claros quanto aos esforços a dedicar à crítica da OTAN e envio de armas para a Ucrânia. A pré-candidata a prefeito de Madri do partido Más Páis chegou a se declarar orgulhosa do fato de Madri sediar a cúpula, e algumas correntes do próprio Unidas Podemos sentiram que deveriam evitar expor seus principais dirigentes (especialmente aqueles que ministérios importantes) a um debate sobre a OTAN e a guerra na Ucrânia. Foi o Podemos e seu secretário-geral e ministro Ione Belarra que mantiveram uma posição de crítica inequívoca à OTAN, assim como sempre sustentaram que enviar armas ao exército e às milícias ucranianas foi um erro. Em um contexto em que todos os meios de comunicação, especialmente os chamados progressistas, criminalizaram descaradamente e desrespeitaram o pacifismo, a posição de Belarra, na tradição de Melénchon e Corbyn, mostrou-se corajosa, ao contrário da escolha de outros setores da esquerda para manter um baixo perfil e até abraçar uma infâmia amplamente divulgada pela mídia e por grande parte da ala esquerda do que já se chama em Espanha o “partido dos cronistas” por sua importância na imprensa e na televisão, que a Ucrânia estava em uma situação comparável à República Espanhola em 1936, quando um golpe apoiado pela Alemanha nazista e pela Itália fascista acabou destruindo a democracia espanhola diante da inércia das forças democráticas europeias.

Se nas semanas seguintes à invasão russa da Ucrânia houve um linchamento contra Belarra e Podemos, a cúpula da OTAN foi o pretexto para propor novamente a mesma criminalização do pacifismo que, como disse, se infiltrou significativamente em muitos setores da esquerda. Cuidado, nem acredito que a esquerda, que decidiu apoiar o envio de armas à Ucrânia e não criticar muito a OTAN, acredite que o envio de armas resolva alguma coisa ou que a OTAN seja um baluarte da liberdade. Penso, pelo contrário, que esta parte da esquerda vê na crítica à NATO uma batalha política já perdida, e que por puro pragmatismo considera necessário centrar-se nas questões do progresso social e numa defesa genérica do ambiente, mantendo das apostas que levarão a esquerda a se isolar e ser excluída do quadro político. Essa esquerda quer ser mais sofisticada e concreta do que interpreta como uma radicalização do Podemos e seus princípios, que alienaria a esquerda das maiorias sociais e a condenaria a um tratamento editorial muito agressivo por parte da mídia progressista. Ela está convencida de que criticar a OTAN hoje é sair do perímetro inevitável do consenso imposto pelo poder da mídia e acha que atacar os meios de comunicação é um erro porque eles continuam sendo os árbitros do jogo político. Com efeito, o destacamento em colunas de rádio, televisão e jornais dos chamados esquerdistas que defenderam entusiasticamente a OTAN e as armas contra a Ucrânia exerceu tal pressão que muitos mais movimentos políticos de esquerda no PSOE foram levados a acreditar que não fazia sentido lutar as ideologias de batalhas que não podem ser vencidas, e que para uma cidadania que pensa principalmente na conta de luz e no preço da gasolina, é melhor não discutir essas questões demasiado “políticas”. Da mesma forma, percebem que aqueles que apostam na luta ideológica sobre essas questões estão fadados à marginalização política e à hostilidade midiática impossível de resistir.

E aqui está o que Zapatero me disse, e sua relação com este livro de Luigi de Magistris. Zapatero, com sua clareza de velha raposa política, me disse durante este almoço: “Iglesias, olhe para os rostos dos chefes de governo na cúpula da OTAN. Vamos ver quantos ainda estarão na sela daqui a um ano”. O primeiro a confirmar a profecia do meu amigo José Luis, que não é suspeito de radicalismo ou de ter votado no Podemos, foi Mario Draghi. O terremoto italiano gerou uma crise política na Europa, com a maioria das elites atlanticistas europeias correndo como freiras fugindo de um incêndio diante da queda de seu tecnocrata italiano e a perspectiva de que a nova aliança direita/ultradireita italiana (com muitos antigos Putinianos como bem como berlusconianos e fascistas impenitentes) chegam ao governo da terceira maior economia da zona do euro após as eleições de setembro de 2022.

Mas a convocação de eleições políticas na Itália também acelerou o processo de articulação da união popular e da candidatura de Magistris. O livro para o qual fui convidado a escrever o posfácio também responde a essa urgência e à necessidade de contar um projeto político alternativo em construção, bem como a trajetória pessoal e o pensamento político de quem o carrega.

Li o rascunho com entusiasmo durante o mês de agosto de 2022. Não tenho nada a dizer aos leitores italianos sobre a figura de Luigi de Magistris como promotor engajado em uma luta atormentada e oposta contra a corrupção, nem sobre sua brilhante experiência como prefeito de Nápoles . . Os leitores italianos vão conhecê-lo muito melhor do que eu, especialmente depois de ler fora do sistema. Mas na última parte do livro destaquei duas passagens que me fizeram admirar o que considero não só uma demonstração de coragem, mas também de uma imensa lucidez de liderança política por parte de Luigi. Deixe-me trazê-los de volta aqui.

“Imagino uma Itália protagonista da paz. Uma Itália que repudia verdadeiramente a guerra e não envia mais armas como meio de resolver disputas internacionais. Além de assinar o tratado que proíbe armas nucleares de nosso território, será necessário reduzir os gastos militares em benefício das forças de paz civis e dos órgãos de proteção civil engajados na defesa do território e em muitas outras guerras: as ecoambientais, as direitos”.

“O nosso país deve trabalhar incansavelmente para criar uma Europa dos povos, das cidades, da fraternidade, da justiça ambiental, do trabalho, da livre circulação de pessoas, em vez de uma Europa unida apenas pelo euro e pelas restrições orçamentais, subjugada às finanças e aos bancos. Uma Europa humana , e, portanto, protagonista da corrida do desarmamento. Com isso em mente, a Itália não deve renunciar à amizade com os Estados Unidos, mas não como súditos e subordinados: pelo contrário, devemos pensar em superar a OTAN, uma organização que não ajuda a construir relações pacíficas na Europa, de Portugal à Rússia A guerra ilegal e sangrenta de Putin, não muito diferente das guerras ilegais e da NATO, não pode ser o pretexto para construir a nova guerra fria na Europa. estará ainda mais subordinada aos interesses dos Estados Unidos e poderá ser China em ascensão.

O pensamento de De Magistris não é o de um líder da esquerda radical que está divorciado do senso comum geral. Basta ler este livro para verificar que Luigi é acima de tudo um democrata, um defensor dos direitos humanos e do espírito social e antifascista que está no DNA da Constituição italiana. Mas neste parágrafo que vos indico, ele demonstra grande lucidez em termos de compreensão dos desafios que se colocam aos democratas e à esquerda na Europa.

A invasão da Ucrânia pela Rússia (cujo sistema político autoritário foi aliás elogiado até anteontem pelas democracias europeias, desde a chegada ao poder do autocrata Yeltsin) deu à OTAN um papel de liderança sem precedentes na Europa desde a Guerra Fria. Mas a OTAN não é uma organização militar das democracias, como afirmam os partidos de direita e autoproclamados socialdemocratas, mas sim uma ferramenta geopolítica dos Estados Unidos para sua luta até a morte contra a China. A estratégia política da NATO é hoje uma das principais ameaças ao que resta de liberdades e direitos sociais na União Europeia, e colocou os países membros da União perante uma crise energética ainda difícil de quantificar, que travou a tímida medidas que foram tomadas para combater a crise climática e está se agravando em uma dinâmica que empurra a mídia e as sociedades europeias para a direita e ameaça, hoje na Itália, mas muito em breve em outros países, os menores denominadores comuns da democracia liberal.

Enfrentar a amargura da batalha ideológica iminente de forma decisiva e sem desculpas é o maior exercício de pragmatismo político que pode existir para uma esquerda europeia que, mais uma vez, é chamada a defender a democracia e os direitos dos trabalhadores. O sucesso de Melénchon na França, com um discurso ideológico sem complexos de inferioridade, mostra o caminho para aqueles que ainda estão convencidos de que o abandono de posições ideológicas é um exercício de inteligência política. A Itália, que conheceu a esquerda eleitoral, social e ideológica mais forte de toda a Europa Ocidental, é hoje a melhor prova do fracasso de uma certa propensão ao compromisso.

Alguns interpretaram como sintoma de lucidez que em 1976 Berlinguer reivindicou “o guarda-chuva da OTAN” nas páginas de Corriere della Sera. Não sou eu quem vai julgar se foi um sucesso na época, mas hoje, claro, não seria. Para além da realidade dos blocos geopolíticos, a luta cultural e ideológica continua sendo o terreno fundamental da política e, certamente, o ensinamento mais atual do mestre Gramsci.
Enche-me de orgulho ver Luigi de Magistris e seus companheiros empreenderem esta tarefa.

Na foto: Imagem de um vídeo de Il Mattino do encontro em Nápoles em 17 de setembro entre Luigi de Magistris e Pablo Iglesias

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.