Decisão do juiz brasileiro sobre a aquisição do Vasco da Gama pelos proprietários do Génova | Primeira página

Venda suspensa por falta de transparência. O juiz da terceira seção comercial do tribunal do Rio de Janeiro, Luiz Alberto Carvalho Alves, interrompeu a venda do Club de Regatas Vasco da Gama para 777 Sócios, o fundo que controla o Gênova junto com outros clubes e que, em sua bulimia para comprar clubes de futebol, fez o negócio para a aquisição da empresa brasileira.

Nas últimas semanas, espalhou-se triunfantemente a notícia de que o fundo adquiriu 70% da Sociedade Anônima de Futebol (SAF), a forma jurídica de sociedade anônima específica para clubes de futebol e instituída por lei há alguns anos. parlamento brasileiro. . O SAF foi concebido para permitir a entrada de capital privado nos clubes de futebol profissional brasileiros e envolve a transformação das associações em sociedades anônimas, a ser deliberada por votação da assembleia de torcedores. Terminada a assembleia geral de acionistas, com transformação em SAF, é possível proceder à venda da totalidade das ações, com uma participação de até 90%.

Mas esse processo de alienação deve, em qualquer caso, ocorrer em condições de transparência. E justamente a ausência dessas condições de transparência estaria na base do recurso apresentado pela Comissão de Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) ao juiz Carvalho Alves. Que o cumprimentou e suspendeu a transferência de titularidade para o 777 Sócios, pendente de esclarecimentos, e sobretudo que os contratos e toda a documentação para a transferência para o 777 Sócios sejam disponibilizados aos torcedores do Vasco.

Ressalte-se que há um argumento que cheira a retaliação para justificar a medida de suspensão. O juiz deu provimento ao recurso da Alerj, por considerar que a relação entre o clube de futebol e o torcedor é a mesma estabelecida entre a empresa e o consumidor. Para a série: “Você queria que fôssemos clientes em vez de fãs? E nós, como clientes, vamos quebrar as caixas reivindicando os direitos do consumidor”.

Além de suspender o contrato de venda à 777 Partners, O juiz Carvalho Alves determinou ao Vasco da Gama multa de 5.000 reais (920 euros) por cada dia de atraso na ação de transparência solicitada e multa de 100.000 reais (cerca de 18.300 euros) em caso de não transferência das atividades do SAF para 777 Sócios. Esta rodada vai para os fãs. E agora estamos aguardando a divulgação dos termos da transação, com a liberação dos documentos. Podemos encontrar algumas coisas muito interessantes.

@pippoevai

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.