DECRETO AUXÍLIO-BIS / Por que o cheque único é cortado e não a renda de cidadania?

Uma medida que desencadeia as Erínias de quem queria mais do que os 17 bilhões alocados e sem desvio orçamentário. Foi possível nestas condições, um pequeno corte na carga tributária de 2% de julho a dezembro, a modesta reavaliação antecipada das pensões em 2% até 35 mil euros brutos, pequenos descontos na fatura e redução dos impostos especiais de consumo prorrogados até 20 de setembro e maior endurecimento dos lucros excedentes. É verdade que eles certamente representam espalhado artigos solicitados pelas categorias econômicas e sociais mais sofridas. E, francamente, a boa notícia é que o teto da previdência social corporativa subiu para € 600, mas descobrimos que o aumento de recursos é consequência deixar o fundo “salvo” docheque único e universal para as famílias que atualmente não é utilizado e, portanto, está ativo e pronto para transfusão em outros capítulos.

Mas a motivação para a operação de subtração está inteiramente nas famílias que 20% não enviaram o Isee solicitado e receberam apenas o mínimo exigido. Mas a verdade é que este instituto em dor profunda desde o nascimento com o redundante motivação que teria reorganizado e aumentado o apoio pré-existente às famílias, não tendo ainda conseguido, como o INPS e os Ministérios, o planeamento e reorganização das instituições anteriores, acaba por ser um fiasco para as famílias a que se soma a não restauração extensão do trabalho inteligente para pessoas frágeis e para pais menores de 14 anos.

Entre medidas também a criação de uma nova figura no mundo escolar, o professor especialista, que teria direito a mais 5.650 euros por ano, ou 400 euros por mês. Porém intervenções desnecessárias como bônus (psicólogo, veterinário, etc. quando são propagandas que substituem status social) Por quê o financiamento da figura do professor especialista, um mecanismo de selecção de professores que apenas abrangerá 8.000 trabalhadores por ano, insere-se na reforma da escola que carece de uma renovação contratual que favoreça a actualização de todo o pessoal escolar.

A opção de continuar a financiar o Rendimento de Cidadania, que ainda hoje se revela uma fraude sistemática por parte de um número crescente de inelegíveis, continua a ser o pecado original de uma política não selectiva. A Itália permanece na parte inferior do ranking de mobilidade social, que é um componente essencial do desenvolvimento econômico de um país. No relatório do Fórum Econômico Mundial de Davos, atenção é dada à escola e nosso país entre os 82 analisados ​​pelo índice de mobilidade social global medido entre 5 parâmetros saúde escola, tecnologia, trabalho, instituições e proteção social chega pouco antes do Uruguai, Hungria e Cazaquistão então Portugal, Espanha, Alemanha, Reino Unido, Estados Unidos, Letónia, Chipre e Polónia. Ou seja, a Itália está bloqueada pela imobilidade social e a escola está em primeiro lugar como causa porque uma educação e treinar promoveria a ajuda às famílias e a mobilidade em 10%, aumentando o PIB da Itália em 5%, ou 100 bilhões de euros em 10 anos.

O novo governo chamado para aprovar a lei financeira, como sugerido pelo FMI, terá que escolher medidas seletivas porque, com um espaço fiscal reduzido, terá que se concentrar nos mais vulneráveis ​​e nas famílias italianas em grande parte empobrecidas. A plena implementação do PNR visando resolver os problemas estruturais da Itália que pesaram nas últimas décadas pode transformar, modernizando-o, seu tecido econômico, produtivo e social com efeitos benéficos na redução da relação dívida/PIB, a implementação de uma estratégia virtuosa de gestão das finanças públicas e de política de subsidiariedade e vontade de reforma, centrada sobretudo na capacidade fiscal da família.

– – – –

Precisamos da sua contribuição para continuar a fornecer informações de qualidade e independentes.

APOIE-NOS. DOE AGORA CLICANDO AQUI

© DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS

Harlan Ware

"Aficionado por zumbis que gosta de hipster. Explorador típico. Defensor da cultura pop. Nerd de mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.