Deformações permanentes da pedra induzidas por agentes atmosféricos: flexão

o curvando-se Consiste emgravação de lajes de pedra natural finas, com espessura variável de 5-7 mm até 40-50 mm e ocorre especialmente em mármore. É uma deformação permanente devido a vários fatoresdeterminado principalmente pelas características intrínsecas da pedra e pelas condições climato-meteorológicas do local.

O processo, no passado, era certamente pouco conhecido, pelo que nem as espessuras nem os sistemas de fixação eram certamente adequados antes da colocação de uma laje: portanto é uma patologia que afeta principalmente as obras dos anos 800-900.

>> Gostaria de receber informações como esta? Clique aqui e assine a newsletter de patologias da construção

O fenômeno de se curvar em monumentos históricos

De fato, esse fenômeno pode ser observado especialmente no lajes de memoriais, lápides e placas toponímicas locais históricos de várias cidades (Figura 1).

Fig.1_ Esquerda: enchimento de uma placa de mármore Carrara (Cagliari); à direita: embarque de duas pranchas toponímicas (Milão). Imagem retirada do manual “Degradação, danos e defeitos de pedras e tijolos naturais” publicado pelas edições Maggioli (2021). Entende-se que, embora Milão e Cagliari estejam em altitudes diferentes, o fenômeno de inclinação é fortemente influenciado pelas condições climáticas locais e não por parâmetros fixos e universais que caracterizam todos os lugares ©Degradação, danos e defeitos de pedras naturais e tijolos_Editor Maggioli

Os mármores têm estrutura granular em petrografiadefinido como granoblástico criado em ambientes metamórficos, com altas pressões e temperaturas que muitas vezes também determinam uma orientação preferencial dos cristais de calcita (Figura 2).

Os cristais têm, portanto, diferentes coeficientes de expansão térmica de acordo com as diferentes direções cristalográficas: são deformações anisotrópicas.

Fig.2_Orientação preferencial de cristais de calcita em um mármore ao longo de um eixo cristalográfico ©Degradação, danos e defeitos de pedras naturais e tijolos_Editor Maggioli

Este comportamento anisotrópico determina a sensibilidade de mármore ou em geral materiais anisotrópicos, para sofrer deste problema. Isso ocorre como resultado de repetidas oscilações diárias de temperatura, onde a pedra aquece e esfria em pouco tempo.

Nos países anglo-saxões, o fenômeno é conhecido como “Ciclos de aquecimento-resfriamento”. Esses ciclos levam inicialmente a microfraturas e desintegração granular das lajes, até as próprias placas quebraremcausando perigosamente seu desprendimento.

Não se perca: Guia para reformar a envolvente do edifício: 5 passos a seguir para um bom protocolo

Fatores que causam curvatura

É importante considerar que além da degradação dos materiais devido às excursões térmicas, outros fatores desempenham um papel vital no desenvolvimento desta patologia:

  • a presença de impurezas altamente higroscópicas na pedra,
  • alta umidade relativa do ambiente,
  • condensação superficial e presença de sais (de origem natural ou antropogênica).

Diante do que foi explicado, a escolha de espessuras e o dimensionamento certo os sistemas de fixação são essenciais para prevenir a patologia, pois quanto mais fina a chapa, mais rápido o fenômeno ocorrerá e com maior intensidade.

O padrão UNI EN 16306 – Métodos de ensaio para pedras naturais – Resistência do mármore a ciclos e umidadeestabelece os procedimentos para o comportamento do mármore submetidos a ciclos térmicos na presença de condensação, sendo necessário o cálculo das deformações bem como a variação da resistência à flexão antes da realização do ensaio, após os primeiros cinco ciclos e após cinquenta ciclos. Essas análises são acompanhadas de cálculo do módulo de elasticidadede acordo com padrão (UNI 14146)a velocidade das ondas ultrassônicas (UNI EN 14579) e análise petrográfica de seção delgada para estudar a deformação de cristais de calcita.

Artigo de Carla Lisci e Fabio Sitzia, autores do volume Degradação, danos e defeitos de pedras naturais e tijolospublicado por Editora Maggioli.

Carla Lisci – Doutoranda no laboratório Hércules da Universidade de Évora, os seus estudos actuais centram-se na aplicação de formulações químicas úteis para a protecção e conservação de materiais de pedra natural. Participa em atividades destinadas à caracterização física, mecânica e mineralógica da pedra natural de acordo com a UNI-EN-ISO.

Fabio Sitzia – Possui o título de Doutor em Ciências e Tecnologias da Terra e Ambientais pela Universidade de Cagliari. Atualmente investigador e membro integrado do Laboratório Hércules (Universidade de Évora, Portugal). A sua actividade de investigação centra-se em georecursos minerais e aplicações mineralógico-petrográficas para o ambiente e património cultural.

Nós sugerimos

Degradação, danos e defeitos de pedras naturais e tijolos

Degradação, danos e defeitos de pedras naturais e tijolos

Carla Lisci, Fabio Sitzia, 2021, Editor Maggioli

O manual descreve e analisa as patologias dos materiais de pedra natural e tijolos para fornecer ao leitor informações valiosas e úteis para o seu uso correto, especialmente na prevenção de possíveis patologias. O livro é enriquecido com imagens, tabelas, gráficos e casos…

Foto da capa: Deformação por flexão de uma placa de mármore usada como placa toponímica ©Degradação, danos e defeitos de pedras naturais e tijolos_Editor Maggioli



Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.