Desaparecimento de Maddie McCann: uma investigação com várias pistas falsas

O enigma em torno do desaparecimento, no sul de Portugal, em 2007, da pequena Madeleine McCann – rebatizada de “Maddie” pelos jornais britânicos – está prestes a ser resolvido? Quinta-feira, 21 de abril, um suspeito foi denunciado na Alemanha a pedido das autoridades portuguesas. Que esperança concluir quinze anos de um caso cujas pistas falsas levaram os investigadores a suspeitar do ato de um pedófilo, mas também de um homicídio culposo disfarçado de sequestro pelos pais da menina de quase quatro anos.

Desaparecimento

Lembrete de pasta. Maddie é filha de Kate e Gerry McCann, um casal de médicos britânicos. A 28 de abril de 2007, a família e os amigos partem para a Praia da Luz, estância balnear portuguesa, onde pretendem passar uma semana de férias num complexo hoteleiro. Na noite de 3 de maio, os adultos jantaram a cem metros dos quartos. Os McCann, por sua vez, instalam torres de vigia a cada 30 minutos para vigiar seus filhos: Maddie, mas também seus gêmeos, Sean e Amélie, de 2 anos.

LEIA TAMBÉM: Quem matou Daniel Forestier, um ex-agente da DGSE encontrado morto em Haute-Savoie?

Gerry vem pela primeira vez, por volta das 21h, para se certificar de que as três crianças pequenas, que dormem no mesmo quarto, estão em suas camas. Às 22h é a vez de Kate. Então ele descobre a cama de Maddie vazia, as persianas e a janela aberta. Alertada, a polícia inicia a investigação. Mas a garota está longe de ser encontrada.

Em 9 de maio, a Interpol transmite um alerta global. O rosto da loirinha aparece nas telas de televisão de toda a Europa. Em 3 de junho, a ministra da Justiça alemã, Brigitte Zypries, acredita que o desaparecimento da jovem possa estar ligado a uma rede de pedofilia. Em 15 de maio, um britânico de 32 anos chamado Robert Murat foi indiciado. Trabalhando em uma imobiliária e residindo em um hotel, ele participou ativamente da busca. Ele será finalmente demitido algumas semanas depois.

Acusação dos pais

Estupor, 7 de setembro, quando Kate McCann é por sua vez indiciada, seguida por seu marido em 9 de setembro, mas liberada, suspeita de ter matado acidentalmente sua filha, depois inventado como sequestro. Os exames revelaram vestígios do sangue de Maddie no berçário e o DNA da mulher desaparecida também foi encontrado em um carro alugado 25 dias depois que ela desapareceu do casal. A mãe, em particular, é suspeita pelos investigadores de ter matado a filha. Na linha da frente o agente da polícia Gonçalo Amaral, à altura da investigação.

LEIA TAMBÉM: Violação de turista em 36 quai des Orfèvres: os dois policiais absolvidos em recurso

Questionado longamente, o casal nega os fatos. A acusação não impediu o regresso ao Reino Unido, os McCann deixaram Portugal a passos largos. Uma partida incompreendida na pequena estância balnear. Começa então uma competição entre investigadores britânicos e investigadores portugueses. A primeira aponta para o amadorismo da segunda. A imprensa, o tablóide inglês, também se envolve noticias do mundo chegando ao ponto de transmitir, sem seu consentimento, trechos do diário de Kate McCann.

Em Portugal, Gonçalo Amaral é afastado do caso após questionar as práticas da polícia britânica. Continua convencido da culpa dos pais e publica, no final de 2008, Maddie, a investigação proibida, livro em que reitera as acusações contra o casal, apesar do arquivamento do caso pelas autoridades portuguesas algumas semanas antes. Atacado por difamação pelos McCann, ele perderá o caso em 2015.

LEIA TAMBÉM: Mélenchon e as eleições legislativas, Lula e Macron, o caso Maddie: as 3 notícias da noite

o A teoria de Gonçalo Amaral carece na maioria das vezes de provasJuiz Alain Bauer, professor de criminologia do Conservatório Nacional de Artes e Ofícios, com jornal de hoje. A justiça portuguesa começou por proibir o livro e condenar o seu autor, antes de anular a sua decisão em recurso. Isso indica até que ponto uma hipótese não é uma pesquisa.

Reabertura do processo e aparecimento de um novo suspeito

Um novo ponto de viragem, desta vez em outubro de 2013. Na esteira das autoridades do outro lado da Mancha, a polícia portuguesa está a reabrir as suas investigações. Mas o arquivo continua a patinar. Será necessário esperar até junho de 2020 para que a polícia alemã, desta vez, declare ter provas da morte de Maddie e anuncie que suspeita de um certo Christian B.

Apresentado do outro lado do Reno como reincidente, já foi condenado por uma violação cometida em Portugal em 2005 e detido em Kiel, no norte da Alemanha, pela violação de uma americana de 72 anos. É este homem que deve ser acusado hoje, embora nenhum nome ou acusações contra ele tenham sido divulgadas.

LEIA TAMBÉM: Justiça francesa emite mandado de prisão internacional para Carlos Ghosn

No entanto, Alain Bauer alerta que ” esta acusação não está ligada a novos elementos mas sim a uma manobra processual para evitar a prescrição em Portugal O prazo prescricional para homicídio segundo a lei portuguesa é de 15 anos. Maddie foi considerada morta em maio de 2007, o prazo terminará em maio de 2022. Esta medida tomada pelas autoridades portuguesas não deve ser sobrestimada. “, comentou também o advogado de Christian B. à AFP.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.