Direita e esquerda? Não: competência, credibilidade e liderança

Luca Michelini é um homem inquieto, em constante busca de um lugar político para construir uma alternativa. Não podemos esconder que no passado assistiu à experiência da grillina com certo interesse e que em Como esteve próximo de Civitas, sem contudo partilhar com Bruno Magatti as escolhas mais recentes que levaram à candidatura de Adria Bartolich. Ensaísta e professor titular de história do pensamento econômico na Universidade de Pisa, ele também havia lançado nos últimos meses a ideia de receitas escolares municipais nestas páginas. Movido por uma grande paixão, sempre situado nesta área da esquerda social culturalmente mais turbulenta, Michelini muitas vezes assumiu posições que são tudo menos alinhadas ou domesticadas. Como o homem livre que é, muitas vezes ele deslocou politicamente até mesmo aqueles mais próximos a ele. Com Michelini, tentamos fazer um balanço da votação esperada que, no domingo, 26 de junho, decidirá quem, entre Barbara Minghetti e Alessandro Rapinese, será o próximo prefeito de Como. Nesta ocasião também, provavelmente, Luca Michelini (foto abaixo) não deixará de surpreender e fazer as pessoas falarem.

Professor, o que a primeira equipe de Como nos ensinou?

Os resultados das eleições de Como atestam a crise vertical dos partidos que estão no governo do país. Menos de um em cada dois eleitores foi votar. Fratelli d’Italia está avançando, mas a direção tomada é incerta: está acumulando um descontentamento crescente sem nenhum plano real. A identidade anunciada está ultrapassada, porque é construída em oposição ao “diferente”. Economicamente, representa o modelo esgotado do passado, dominado por Berlusconi. No nível local, o uso do ART demonstra a incapacidade de leitura de dados políticos, de clara derrota. O Forza Italia não consegue evoluir para um partido real e permanece politicamente órfão de seu fundador. A Liga está novamente em dificuldades na cidade, que sempre foi o reduto de uma classe média alta e de um profissionalismo que se ressente de se misturar com a classe trabalhadora.

E o centro-esquerda?

A centro-esquerda certamente não está em melhor situação. A lista de Minghetti não obtém o sucesso que lhe permitiria, em caso de vitória, evoluir livremente. Talvez não seja coincidência que ele tenha falado em liberdade em um comunicado após o resultado do primeiro turno. Ela convida Pizzarotti para apoiá-la: um prefeito que soube dizer um não firme a Grillo e que, sozinho, construiu um movimento político verdadeiramente ancorado nas necessidades da cidade. O PD tem uma tração cada vez mais liberal, no modelo americano. Um eleitorado cada vez menor e arbustos de partidos e associações de esquerda, cujas ideias muitas vezes são retóricas vazias, continuam arrastando-se pela inércia. A adesão de alguns ao apelo desconexo de um pároco de Como para não pagar os impostos que financiam os armamentos é significativo (Sinistra Italiana e Don Giusto, eds.). São ideias que impedem essas pequenas forças de ver a realidade como ela é: ou seja, o PD agora é um partido liberal, parte da direita. A Itália é o único país da Europa onde a esquerda desapareceu: basta olhar para cima e ver a situação na França, Alemanha, Espanha, Portugal. Finalmente, os 5S cometeram suicídio, assim como Civitas: desistiram de se enraizar no território, rua após rua.

No entanto, a votação parece apenas uma questão entre direita e esquerda

Pensar em ler a votação entre Rapinese e Minghetti usando a oposição entre direita e esquerda, como alguns são tentados a fazer, não faz sentido. Os grandes partidos estão unidos dentro do governo, alguns obtorto collo, fazendo escolhas muito claras e decididas, que os condenam à extinção: apoiam o governo Draghi, nascido para normalizar o cenário político que viu os primeiros tremores de uma remodelação política (Conte I e Conte II) que tentaram, certamente não de forma clara, colocar a soberania italiana de volta ao centro (econômica, social e politicamente) e empurrar para um europeísmo finalmente social. A guerra na Ucrânia e depois o Fed e o BCE estão agora voltando o relógio para novas políticas de austeridade. O dinheiro do PNRR corre o risco de ser desviado para lobbies e oligarquias, em vez de dar vida a um plano de desenvolvimento nacional orgânico: não é por acaso que os gastos com saúde e educação foram cortados.

Então, em que questões o destino de Como está em jogo na eleição?

Num futuro próximo, se o país for obrigado a voltar a propor políticas de austeridade, o Município, na minha opinião, será chamado pelos cidadãos para complementar os muitos deveres que a República impõe ao Estado central: segurança, apoio ao rendimento , escola. Aqui, as capacidades locais para inovação política serão medidas de verdade. Direita e esquerda não têm nada a ver uma com a outra. Os verdadeiros protagonistas destas eleições de Como são duas listas cívicas, que atraem competências e eleitores de uma forma completamente transversal: porque são transversais às traições sofridas há muito tempo pelo eleitorado. A maior traição foi a incompetência e a falta de credibilidade dos governantes de Como, isto é, centro-esquerda e centro-direita. A cidade está abandonada: isso é um fato, não uma opinião. Os partidos nacionais não construíram nenhuma classe dominante local. Não há pessoal político cujo objetivo principal seja o desenvolvimento da cidade. As escolhas fundamentais sempre foram sofridas, vieram de fora ou germinaram no pequeno jardim da casa e o preço pago foi muito alto. Competência, credibilidade e liderança. Esses são os fatores fundamentais do segundo turno que nos espera.

As diferenças entre os dois candidatos são óbvias, no entanto, vamos começar com Rapinese

Rapinese tem credibilidade e competência porque trabalhou anos e anos na prefeitura, com meticulosidade e meticulosa seriedade. Ao nível da antropologia política, Rapinese lembra os melhores radicais: pela constância, firmeza, competência e retidão de ação. Ele construiu o primeiro partido da cidade e, se vencer, Como terá um governo de uma cor e um prefeito que será seu líder indiscutível. Ele não tem lobbies atrás dele, que ele lutou repetidamente. Um personagem ruim? Não: ele tem caráter, que faltava aos prefeitos anteriores, incapaz de se conter: não tanto com a prefeitura, que era muito dócil, mas com as diretrizes que vinham de fora da cidade. Não tem ligações com outras experiências urbanas? Uma vantagem, nas condições dadas. Ele não tem visão? Dependerá da forma como governa: o risco que corre é o da autorreferencialidade.

E chegamos a Barbara Minghetti

Minghetti não é um líder político, pois seus anos no conselho da cidade não se traduziram em ação política. O PD é um aliado incômodo e já afirmou seu peso em algumas escolhas na composição das listas de outras. Ao contrário de Rapinese, tem muitos contatos com outras realidades da cidade, mas o risco é fazer de Como uma província, ou seja, uma cidade incapaz de expressar sua própria identidade política e cultural autônoma. Tem atrás de si vários lobbies, que até agora mostraram um horizonte limitado: ou porque são demasiado pequenos, ou porque são capturados por uma lógica supra-urbana. Acho que ele teme o confronto com Rapinese, mas apelar para os estrategistas de marketing político não é o que a prefeitura enfrenta. Agora, se o personagem está lá, ele tem que sair. A gestão é pessoal. Infelizmente.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.