Draghi: “A equipe do governo é eficiente e está avançando. Eu federado no centro? Eu o descartei – Política

“Eu descarto”. Ele explica isso claramente. E o repete para evitar dúvidas e esclarecer que não há futuro na política para Mario Draghi. O primeiro-ministro fala pela primeira vez depois dos dias caóticos que marcaram a reeleição de Sergio Mattarella para o Quirinal, e que abriram feridas, ainda não cicatrizadas, entre as coligações e dentro dos partidos da sua maioria. E isso, no final de uma semana em que as “diferenças” entre aliados corriam o risco de atolar a reforma no topo da agenda de Mattarella, a do CSM. Chegar a um acordo levou dezenas de “interações” com as partes, mediadas pelo subsecretário da Presidência Roberto Garofoli. Draghi menciona-o e agradeceu-lhe várias vezes – após o Vereador de Estado ter sido alvo nos últimos dias e acusado, in loco, de preparar uma regra ad personam – por contar esta “riquíssima discussão” que resultou no acordo sobre a portas entre vestidos e política e regulamentos para a eleição do Conselho Superior da Magistratura, finalmente aprovado por unanimidade em Conselho de Ministros.

Garofoli por “sensibilidade institucional” não participa do MDL, nem participou da pré-conciliação matinal (na presença de muitos outros magistrados “empréstimos” à política em cargos técnicos): uma reunião bastante tensa – dizem eles – porque os técnicos dos ministérios queixam-se de não terem meios de escrutinar as 40 páginas elaboradas pela ministra Marta Cartabia. As partes, principalmente Fi, não estão convencidas, e pedem mais tempo para estudar as cartas. O MDL escorrega e os ministros Azzurri esperam, antes de avaliar os detalhes na sede do partido. Depois são os primeiros a regozijar-se com os resultados obtidos – e todas as forças políticas afirmam ter conseguido alguma coisa -, mas preparam-se também para pedir novos ajustamentos no Parlamento, onde o Primeiro-Ministro garantiu que não confiará, enquanto é em breve, a tempo para a eleição do novo CSM. Mas o embate, evitado pelo menos por enquanto na justiça, corre o risco de reacender no Superbônus: Draghi e Franco não mantêm palavras ternas contra uma das medidas da bandeira de 5 estrelas: “aqueles que agora trovejam escreveram a lei sem cheques “, disse o primeiro-ministro, “um dos maiores golpes da história da República”, indignado o ministro da Economia, desencadeando a ira do Movimento.

Mas a batalha passará agora ao Parlamento, quando forem apresentadas as medidas correctivas para a suspensão substancial da transferência de crédito que, segundo todas as partes, está a bloquear estaleiros de construção. Apesar desses tremores secundários, o governo, garante Draghi, continuará focado nas coisas a fazer no próximo ano. Ele continuará percorrendo o país – depois de Gênova, na próxima semana, estará nos laboratórios Gran Sasso com o Prêmio Nobel de Física Giorgio Parisi – para falar sobre excelência e divulgar o Pnrr. E “a equipa” está “eficiente e a avançar” sublinha o primeiro-ministro, encerrando o debate sobre a reorganização já iniciada durante a corrida a Colle. Quanto ao seu futuro, o ex-banqueiro descarta que depois da experiência do Palazzo Chigi ainda haverá política: “Tenho visto que muitos políticos – diz com sarcasmo – me aplicam em muitos lugares do mundo com grande preocupação, mas gostaria de tranquilizá-los de que se eu decidir seguir uma profissão, vou encontrá-la sozinho…”. Uma frase que esmaga os planos que também gostariam que fosse um “unificador” do novo centro. O governo, diz Draghi, continua firme e focado em “desafios importantes para os italianos”. É uma obrigação.” E a intervenção “prioritária” é aquela contra a energia cara, para evitar que os aumentos das facturas da electricidade e do gás “estrangulem a recuperação”. um farol para o executivo, como garante da “estabilidade”, mas também da “contabilidade”, da dívida controlada e da “credibilidade internacional”. Às onerosas contas somam-se as tensões geopolíticas e a inflação, três categorias de riscos sobre os quais o executivo está “refletindo” para implementar “intervenções” Até porque a inflação “ataca o poder de compra dos funcionários e corrói, mesmo que ainda não seja visível , a competitividade das empresas”.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.