Draghi-Macron-Scholz traz apoio da UE a Kyiv, mas sem esperança de paz

Quinta-feira, 16 de junho de 2022 – 21:17

Draghi-Macron-Scholz traz apoio da UE a Kyiv, mas sem esperança de paz

Draghi deixa Kyiv: “Apoio na guerra, paz e reconstrução”

Kyiv, 16 de junho (askanews) – Depois de convencer a França e a Alemanha a apoiar a candidatura da Ucrânia à UE. Este é o principal resultado da visita de Mario Draghi a Kyiv, juntamente com o chanceler Olaf Scholz e o presidente Emmanuel Macron. É certo que ainda há um longo caminho a percorrer: no Conselho Europeu haverá outras resistências a vencer, a começar pela dos países do Norte, mas o “bloqueio” dos três países fundadores é um passo importante.

“Estou muito satisfeito com a forma como decorreu a reunião, mostrámos unidade de apoio, conseguimos ter uma posição comum para propor a candidatura da Ucrânia, não é uma tarefa fácil”, sublinhou o primeiro-ministro, admitindo que “no entanto, decidimos por unanimidade no Conselho Europeu, há muitos países com ideias diferentes” e, portanto, não há garantia quanto ao resultado. A estratégia, explicam fontes governamentais, é implantar uma frente que inclua também Espanha e Portugal, para “forçar” o que os países ainda recalcitrantes mudem de opinião.Resultado apreciado pelo presidente ucraniano Volodymyr Zelensky: “Esta é uma decisão muito importante – comentou ele – para a Ucrânia, que Deus nos ajude a alcançar a unanimidade”.


Quanto ao resto, da reunião no palácio presidencial em Kyiv (com as sirenes antiaéreas soando duas vezes durante o dia) não surgiu nenhuma indicação de progresso significativo em uma possível negociação de paz. Para um cessar-fogo “não se vê margem”, sublinhou Draghi, explicando que por parte da Ucrânia a condição continua a ser a de “integridade territorial”. “O principal obstáculo é a relutância da Rússia em ter negociações reais, a Rússia não quer a paz”, acusou Zelensky, que por sua vez reiterou sua demanda por armas “mais poderosas e modernas”. O primeiro-ministro italiano informou que nenhum pedido de novos suprimentos foi feito durante a entrevista. A linha italiana continua sendo a de “ajudar a Ucrânia na guerra porque se ela não se defender não há paz”, mas também na paz, que no entanto, para ser duradoura, deve ser a aceita por Kyiv e na reconstrução.

Mesmo na questão do congelamento do trigo, não parece haver nenhuma abertura para uma solução. “Zelensky está pronto”, assegurou o primeiro-ministro, mas “a impressão é que os prazos estão se aproximando e que a tragédia de uma fome mundial se aproxima”. Uma solução só pode ser encontrada sob a égide da ONU, capaz de dar garantias a ambas as partes, mas a resolução que havia sido elaborada “foi rejeitada pela Rússia”.


O dia do primeiro-ministro começou, com Macron e Scholz, em Irpin, uma cidade nos arredores de Kyiv destruída pelo bombardeio russo, no qual morreram mais de 300 civis em fuga. Acompanhados pelas autoridades locais, os três líderes caminharam pelos escombros, vendo casas e carros rasgados pela artilharia e enegrecidos pelo fogo. “O mundo está convosco”, assegurou o primeiro-ministro, de um lugar “de dor mas também de esperança: tudo será reconstruído”.

À noite, o retorno de Kyiv a Roma, fazendo a viagem inversa que começou na tarde de quarta-feira no aeroporto de Ciampino: 11 horas de trem, no qual viajam os três líderes, para cruzar a fronteira e chegar à Polônia. O trem, com compartimentos e berços, é “escoltado” por outro trem emparelhado, pronto para ser transferido em caso de avarias ou ataques. Da Polônia, então, de avião para a Itália.


COMPARTILHAR NO:


Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.