é a primeira mulher a presidir o Conselho

O currículo político de Giorgia Meloni – A presidente da Fdi torna-se a primeira mulher primeira-ministra da República Italiana. Mesmo assim, um rumo alcançado após um longo caminho político. Roman, nascido em 1977, o novo primeiro-ministro cresceu no bairro operário de Garbatella, em Roma, com sua mãe Anna (“a pessoa a quem devo tudo”) e sua irmã Arianna, e teve que enfrentar uma infância marcada por abandono do pai. Hoje, aos 45 anos, sucede a Mario Draghi à frente do primeiro partido italiano e presidente dos conservadores europeus.

O compromisso político do novo primeiro-ministro tem raízes distantes. Em 1992, aos 15 anos, ingressou na Frente da Juventude, organização juvenil do Movimento Social Italiano – Partido de Direita Nacional e fundou a coordenação estudantil “Gli Antenati”, que participou do protesto contra o projeto de reforma da educação pública promovido da Ministra Rosa Russo Iervolino. Em 1996, tornou-se líder nacional da “Ação Étudiante”, movimento estudantil da Aliança Nacional, representando esse movimento no Fórum de Associações de Estudantes criado pelo Ministério da Educação. Em 1998, aos 21 anos, foi eleita conselheira da província de Roma para a Aliança Nacional, permanecendo no cargo até 2002. De fevereiro de 2001 a 2004, foi membro do comitê nacional de regência da Action jeunesse, movimento da Aliança Nacional.

Em 2004, foi eleita presidente da Action Jeunesse no congresso nacional em Viterbo. Em 2006, aos 29 anos, foi eleita para a Câmara dos Deputados na lista da Aliança Nacional do colégio Lazio 1, e de 2006 a 2008 ocupou o cargo de Vice-Presidente da Câmara dos Deputados. Em 2008, Meloni foi eleito para a Câmara dos Deputados na lista Popolo della Libertà, no Distrito XVI, Lazio 2.

De maio de 2008 a novembro de 2011, atuou como Ministro da Juventude no quarto governo Berlusconi. De 2008 a 2010, foi membro da VI Comissão de Finanças da Câmara dos Deputados. Desde 2010, é membro da XI Comissão de Trabalho da Câmara dos Deputados. De 2009 a 2012 foi presidente do Giovane Italia, movimento juvenil do Povo da Liberdade.

Em dezembro de 2012, Meloni deixou o Popolo della Libertà para fundar, junto com Guido Crosetto e Ignazio La Russa, Irmãos da Itália, pelos quais, durante as políticas de 2013 (em que arrecada 1,9%), foi reeleita para a Câmara dos Deputados então cobrindo o papel de líder do grupo em Montecitorio. Em 8 de março de 2014, depois de concorrer nas primárias do FdI, foi eleita Presidente Nacional (mais tarde reconfirmada em 2017). Em 2016 concorreu a prefeito de Roma, mas nos escritórios administrativos obteve 20,64% dos votos, falhando no primeiro turno. Nas políticas de 2018, o Fdi se apresenta dentro da coalizão de centro-direita, resultando no terceiro partido da formação após Forza Italia e Lega, obtendo 4,3% dos votos tanto na Câmara quanto no Senado.

Desde então, o partido liderado por Meloni tem se caracterizado por um crescimento constante. No Campeonato Europeu de 2019, Fratelli d’Italia atingiu 6,4%. No mesmo ano, o bom resultado também chega aos regionais, já que ele consegue ter seu primeiro presidente regional eleito em Abruzzo (Marco Marsilio). Em setembro de 2020, ele também conquistou a liderança da região de Marche com seu próprio candidato (Francesco Acquaroli).

A história recente foi marcada pela oposição aos governos Conte I, Conte II e Draghi, até o sucesso histórico atestado pelo resultado da votação de 25 de setembro. Nas eleições, o Fdi obteve o melhor resultado de sua história: foi o partido líder tanto na Câmara quanto no Senado com 26%, permitindo que a coalizão de centro-direita obtivesse maioria absoluta no Parlamento. E Meloni para se tornar o novo inquilino do Palazzo Chigi.

Mulheres na UE – Até agora, a Itália era um dos nove estados membros da União Europeia que nunca teve uma mulher à frente do governo. Os oito que mantêm este estatuto são atualmente: Espanha, Irlanda, Luxemburgo, Holanda, Malta, República Checa, Hungria e Chipre.

Enquanto há mais de 40 anos, o primeiro país da União Europeia Portugal teve um primeiro-ministro: Maria de Lourdes Pintasilgo foi nomeada chefe de governo em 1979, a primeira mas também a última a liderar um governo português.

Cinco países da UE, por outro lado, tinham mais de uma mulher à frente de seus executivos. França, com Edith Cresson em 1991 e hoje Élisabeth Borne; Polônia, com Hanna Suchocka, também em 1991, Ewa Kopacz, em 2014, Beata Szydło em 2015; Dinamarca, com Helle Thorning-Schmidt em 2011 e agora Mette Frederiksen; Finlândia, com Anneli Jäätteenmäki em 2003, Mari Kiviniemi em 2010 e agora Sanna Marin; Lituânia, com Kazimira Danutė Prunskienė em 1990 e agora Ingrida Šimonytė.

Os países da UE que tiveram apenas uma mulher à frente de seu governo são: Bélgica, com Sophie Wilmès em 2019; Alemanha, com Angela Merkel de 2005 a 2021; Áustria, com Brigitte Bierlein em 2019; Eslováquia, com Iveta Radičová em 2010; Eslovênia, com Alenka Bratušek em 2013; Croácia, com Jadranka Kosor em 2009; Grécia, com Vassiliki Thanou-Christophilou em 2015; Bulgária, com Reneta Indzhova em 1994; Romênia, com Viorica Dăncilă em 2018; Suécia, com Magdalena Andersson em 2021; Estônia, com Kaja Kallas em 2021; Letônia, com Laimdota Straujuma em 2014.

Mulheres Premier em toda a Europa – Com a saída de Liz Truss, havia oito mulheres na Europa à frente de um governo. Com Giorgia Meloni eles voltam a nove. As duas estreias mais recentes no Velho Continente são Elisabeth Borne, no cargo na França desde 16 de maio de 2022, e Mary Elizabeth Truss conhecida como Liz, primeira-ministra do Reino Unido de 6 de setembro a 21 de outubro de 2022, por 45 dias.

A Sérvia também está na lista, com Ana Brnabić, política e economista, primeira-ministra desde 29 de junho de 2017; Ingrida Šimonytė, economista, primeira-ministra da Lituânia desde dezembro de 2020. A social-democrata Magdalena Andersson é chefe do governo sueco desde 30 de novembro de 2021 e Kaja Kallas da Estônia desde 26 de janeiro de 2021. Na Islândia desde 30 de novembro de 2017, há é o líder dos Verdes Katrín Jakobsdóttir; Mette Frederiksen, primeira-ministra da Dinamarca desde 27 de junho de 2019, e Sanna Marin, eleita na Finlândia em 10 de dezembro de 2019.

Mulheres no topo da classe política italiana – Demorou até 1976, 30 anos após as primeiras eleições em que os italianos votaram, para ter uma ministra na Itália: Tina Anselmi foi escolhida por Giulio Andreotti como Ministra do Trabalho em seu terceiro executivo. Depois de Tina Anselmi, outra grande figura feminina da história da política italiana foi Nilde Iotti, a primeira mulher presidente da Câmara em 1979. Lá permaneceria por três mandatos até 1992. De 2013 a 2018 será a vez de Laura por Montecitório Boldrini.

Para o primeiro presidente do Senado, ele vai esperar até 2018, quando Maria Elisabetta Alberti Casellati chegará para assumir o cargo na legislatura que acaba de terminar com a dissolução antecipada das Câmaras em julho passado.

As cotas rosa no último governo Draghi – Em 76 anos de história da República desde o governo De Gasperi 2, o primeiro da República, no último liderado por Mario Draghi, foram 8 mulheres em 23, cinco em oito “sem carteira” e 3 em quinze principais ministros. Dos quarenta subsecretários, cerca de metade eram mulheres, pelo menos nesta representação justa de uma população italiana dividida quase exatamente em dois entre homens e mulheres com uma ligeira predominância feminina (cerca de 31 milhões de 60 no total, ou seja, 51,29% dos a população).

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *