É assim que a Europa financia países individuais, mas não há ferramentas contra contas caras

A crise energética que afeta cada vez mais a Europa e que deve se agravar nas próximas semanas trouxe à tona todas as divisões existentes dentro das instituições europeias que explodiram nos últimos dias após o anúncio do maxiplano 200 alemães. bilhões para atender aos aumentos. A questão energética, no entanto, é apenas a ponta do iceberg de uma divisão muito mais profunda que divide os países em dois grandes blocos: de um lado a Alemanha com os países frugais, do outro a Itália, a França e outros países mediterrâneos. Em particular, as fraturas de ontem apareceram em quatro grandes questões: o Mes, o PNR, o Sûre e os fundos de coesão. Por detrás destas siglas, utilizadas sobretudo por instituições e meios de comunicação verdadeiramente compreendidos pelos cidadãos, encontram-se medidas fundamentais para o nosso futuro.

Na sua última declaração oficial antes do final do seu mandato como diretor-geral do MEE, Klaus Regling disse que “a união monetária precisa do MEE, porque o BCE não pode financiar diretamente os Estados-Membros, está excluído dos tratados”. E referindo-se à Itália, acrescentou: ‘Ele nunca precisou do dinheiro do Mes e, de fato, é um forte apoiador’ nem nunca teve ‘grandes desequilíbrios macroeconômicos’ como Grécia e Portugal a que recorreram.

Mes é a sigla para European Stability Mechanism, um fundo financeiro europeu criado para garantir a estabilidade financeira da zona do euro com uma capacidade máxima de empréstimo de 500 bilhões de euros. No entanto, a utilização do fundo pelos Estados-Membros condiciona os auxílios a condições estritas a ponto de os mais críticos falarem de um verdadeiro comissionamento dos Estados pela UE.

Diferente é o instrumento do Sure, o programa de empréstimos para apoiar os planos nacionais de apoio ao emprego lançado nos primeiros meses da pandemia. Os comissários Paolo Gentiloni e Thierry Breton propuseram a criação de um fundo no modelo Sure (constituído por empréstimos a taxas vantajosas concedidos aos Estados pela Comissão) para lidar com energia cara.

Este é um programa diferente do Next Generation Eu, um fundo de 750 mil milhões de euros para a recuperação europeia (o Fundo de Recuperação) que inclui o Pnrr (Plano Nacional de Recuperação e Resiliência) para gerir os 191,5 mil milhões (70 em subvenções não reembolsáveis ​​e 121 em empréstimos) devidos à Itália. Segundo o Vice-Presidente da Comissão, Valdis Dombrovskis, “nem o Fundo de Recuperação nem o RepowerEu financiam iniciativas de apoio ao rendimento ou situações semelhantes, que exijam recursos de outra natureza”.

Assim, para responder à crise energética, pode entrar em jogo outro instrumento: os fundos de coesão. Segundo Dombrovskis, Bruxelas está a trabalhar “para definir áreas de flexibilidade na utilização dos fundos de coesão que restam do orçamento europeu 2014-2020 para os utilizar no contexto da actual crise energética”. É um instrumento estrutural europeu destinado a determinadas áreas de investimento, como a protecção do ambiente, as infra-estruturas, mas também as redes eléctricas e os gasodutos. Independentemente da medida que será utilizada, os cidadãos e as empresas europeias estão interessados ​​no resultado e nas respostas imediatas para combater a energia dispendiosa e cada vez mais descontrolada.

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *