E-digital, energias renováveis ​​e inovação face à dispendiosa crise energética e climática

ROMA – A transição ecológica e digital, com a aceleração da transição para as energias renováveis ​​e investimentos em inovação tecnológica, é o elemento fundamental em que a Itália deve se concentrar para implementar a mudança econômica e uma sociedade social real, equitativa e inclusiva à qual se opor dispendiosos gastos energéticos, a persistência de crises climáticas, económicas e sociais, protegendo as empresas do fenómeno das contas malucas e os cidadãos da pobreza energética. Estas são as principais questões abordadas no encontro nacional da Italia EcoDigital “O desafio progressivo, cívico e ecológico para a transição EcoDigital”, promovido pela Fundação UniVerde, TeleAmbiente e Italia EcoDigital, que aconteceu no dia 12 de setembro no Palazzo Brancaccio, cuja foram relançadas as propostas de transição ecológica e digital compartilhadas por ativistas, jovens inovadores, empresários e administradores locais: www.ecodigital.it. Para Loredana De Petris, presidente do grupo misto no Senado, “é preciso lembrar as prioridades nas quais o país deve se concentrar. Uma verdadeira transição ecológica e digital não pode mais ser adiada. Infelizmente, nesta inusitada campanha eleitoral, ainda se ouve falar de soluções malucas como a energia nuclear limpa, que na realidade não existe, ao passo que hoje a prioridade deve ser investir nas energias renováveis ​​e a experiência de Portugal diz-nos que isso pode ser feito de forma tempo muito curto. chave e é por isso que o trabalho que levou à Next Generation EU nasceu na Europa, mas hoje ainda está em jogo a verdadeira transição verde e justa. Para isso precisamos daqueles que sempre passaram essa inversão de curso, se para a próxima legislatura queremos realmente vencer o desafio ecológico e progressivo”. Alfonso Pecoraro Scanio, presidente da Fundação UniVerde e promotor da rede #EcoDigital Itália, sublinhou: “Precisamos de uma grande Aliança pela Terra que alcance a transição ecológica e digital e contrasta as crises climáticas, econômicas e sociais em curso. O desafio de Conte é crível e ele é a pessoa certa para criar este vasto espaço ecológico, digital e cidadão que deve finalmente dar à “Itália uma resposta política em sintonia com os tempos. Raho, sobre questões de legalidade, demonstra esta vontade do novo Movimento 5 Estrelas liderado por Conte. O resultado das próximas eleições pode ser u n tremendo impulso para começar a construir este espaço progressista que falta ao nosso país, em oposição à velha economia e dependente de lobbies tradicionais”. “Nosso programa não nasceu para a ocasião eleitoral, mas para um projeto de país no qual trabalhamos de forma convicta, de acordo com uma agenda progressista e qualificadora. Estamos muito atrasados ​​e a única coisa que não podemos permitir é avançar atrasar os objetivos de neutralidade climática até 2050 – diz Giuseppe Conte, presidente do Movimento 5 Estrelas – Só podemos fazer política na direção da transição ecológica, o fóssil nos afasta A única certeza são os projetos que as empresas do setor de energia renovável sector já se prepararam: estão dispostos a investir 85 mil milhões de euros, criando 80.000 postos de trabalho, para 60 GW nos próximos três anos, isto significa uma redução de faturas de 20 mil milhões por ano, poderíamos até reduzir as importações de gás para perseguir este objetivo em qual a transição digital deve estar intimamente ligada à ecológica”. r Livio de Santoli, professor de energia da Universidade La Sapienza de Roma, “este é o momento da escolha decisiva. Estar ao lado de quem quer desacelerar o processo de transição energética, com a exploração do pouco gás que temos, com a energia nuclear e indo renegociar os objetivos climáticos europeus, ou com quem quer lutar contra as catástrofes climáticas, aposte sobre as energias renováveis ​​e querendo realmente proteger o meio ambiente, as energias renováveis, a eliminação dos subsídios prejudiciais ao meio ambiente, a luta contra a pobreza energética com a operação imediata das comunidades energéticas”. O evento, moderado por Stefano Zago (diretor da TeleAmbiente), também contou com a presença de: Rosalba Giugni (ecologista), Valerio Rossi Albertini (pesquisador sênior do Conselho Nacional de Pesquisa e divulgador da ciência), Paolo Cento (ex-subsecretário do Ministério da Economia e Finanças) e por mensagem de vídeo Gianfranco Amendola (magistrado ambiental); ao lado de jovens ativistas ecodigitais nativos e empreendedores inovadores: Domenico Giudici (Vice-Presidente do Circolo ARCI – Itália EcoDigital), Elisabetta Kalenda (advogada e ativista EcoDigital), Leonardo Palese (Conselheiro Municipal da Juventude de Ceprano), Leonardo Ruzzante (Bolsistas Aurora – Fundação Homo ex Machina); e com as contribuições de: Alfonso Colucci (advogado), Dario Tamburrano (ex-membro do Parlamento Europeu), Fabrizio Capaccioli (vice-presidente do Green Building Council Itália), Maurizio Natalia (vereador municipal de Canistro, L’Aquila), Lapo Sermonti (Gabinete de Clima e Florestas, Nações Unidas), Daniele Diaco (ex-presidente do Comitê de Meio Ambiente, Roma Capitale), Alessandra Maiorino (relatora sobre reforma ambiental na Constituição). As propostas, relançadas pela Italia Ecodigital por ocasião do encontro nacional, pedem: coordenar as duas transições para que o digital seja sustentável, especialmente em termos de consumo de energia, e sirva para monitorar e apoiar constantemente o ecológico; investir em tecnologias e inovações EcoDigital, inclusive organizacionais como o smartworking, que reduzem a pegada ecológica e melhoram a qualidade de vida (efetivamente reguladas no interesse da comunidade e do meio ambiente, sem pressão comercial e especulativa); os jovens são o verdadeiro motor da transição EcoDigital e é necessário envolvê-los como protagonistas e não como figurantes; muitas empresas sérias têm como alvo a transição ecológica e digital com mais convicção do que governos e partidos e estes devem ser apoiados distinguindo-os daqueles que praticam greenwashing e falso verde; As autarquias e todos os órgãos públicos devem ter gestores para a transição EcoDigital, em particular cada município, escola, universidade; precisam de educação digital e acesso digital universal; as medidas de mitigação e adaptação às mudanças climáticas precisam ser fortalecidas e monitoradas continuamente; uso de inteligência artificial e inovação digital para verificar e apoiar a verdadeira economia circular e a não destruição da matéria. O evento foi transmitido ao vivo nas páginas do Facebook da Fundação UniVerde, TeleAmbiente e na Rádio Radical. – Foto da assessoria de imprensa da Fundação UniVerde -. Sáb/com 13-Set-22 10:26

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.