“É necessário um sujeito político com questões ambientais no centro” – Lavocedialba.it

Escreve-se COM, e lê-se a Aliança Verde e Cívica. É uma nova entidade política, nascida de pessoas que têm experiência em questões ambientais. Entre os promotores estão também Roberto Cavallo, Diretor Administrativo do ERICA (Educação, Pesquisa, Informação, Comunicação Ambiental), uma realidade nascida em 1996 em Alba na sequência da trágica inundação dois anos antes, que atingiu o sul do Piemonte dois anos antes, com o objetivo de lidar com o meio ambiente , tanto em termos de comunicação como técnico apoio com órgãos públicos e privados.

E Roberto usa sua experiência também em uma chave política, graças ao seu know-how em questões como gestão de resíduos, prevenção de riscos, ciclo da água, energia, agricultura orgânica e sustentabilidade ambiental. E ele faz isso com outras pessoas, como Edo Ronchi, Monica Frassoni, Rossella Muroni, Danilo Bonatocom quem deu à luz a AVEC após recolher os pedidos e desenvolver um programa sólido no dia 28 de julho.

AVEC significa Green and Civic Alliance: por que este projeto nasceu?

“É claro que um fato foi e ainda é óbvio: nenhuma força política abordou, como esperávamos e como os fatos exigem, a questão da crise climática, acesso a matérias-primas, economia de energia e energias renováveis, circulares economia, gestão sustentável da água, mobilidade, inovação tecnológica aplicada ao desenvolvimento sustentável, economia verde, cidades inteligentes, direito a um futuro sustentável para as gerações futuras. não só continua a ser extremamente atual, mas não é mais indescritível.

Criamos assim a AVEC (Aliança Verde e Cívica), uma nova entidade política que se baseia num projecto nascido há cerca de um ano e meio, na análise da gestão dos fundos PNNR relativos à sustentabilidade que representa cerca de 50% deles, e nos debates europeus sobre questões de sustentabilidade e política do sector agrícola, que representa o primeira rubrica da despesa da União Europeia, equivalente a 37% dos fundos a reembolsar.

Tudo isso está relacionado ao reflexão sobre a crise climática, social (classes cada vez mais distantes) e ambientale, em Itália, não encontra um interlocutor político actual que o coloque no centro, e sobretudo no bom caminho que, para nós, assenta no diálogo, nas propostas, e não na realização de protestos que, embora legítimos, se não assentam em bases sólidas, não conduzem a soluções para o futuro”.

O que quer ser COM?

Nascemos com uma vontade clara de governar, uma escolha clara que não inclui a maneira “mais fácil” de apoiar protestos que são filhos do descontentamento. Este caminho é legítimo mas, e os factos provam-no, não deu em nada: basta ver que os Verdes em Itália lutam para alcançar 2% dos votos.

COM não é um orador de protesto mas quer ser uma voz política que se propõe em chave construtiva e que quer se tornar uma referência para a transição ecológica em nível local, regional e nacional, no diálogo contínuo com os sujeitos que lidam com o meio ambiente e, portanto, , com outros aspectos como a sociedade, a economia, a cultura, porque há um vínculo entre todos”.

Você está dando os primeiros passos: quais são os passos?

“Partimos também de uma análise genuína das necessidades e do que é parte integrante da sociedade europeia em matéria de ambiente. No plano político, o trabalho está sendo bem feito na Alemanha, onde os Verdes administram dois ministérios importantes e atualmente são apoiados em 25%, o que os leva a ser o segundo partido absoluto. Forte crescimento nestas noites também em França, Irlanda, Espanha e Portugal.

aqui na Itália, você precisa de uma entidade política forte porque, com base nos dados do Observatório Nacional, as soluções para os vários problemas acima mencionados são solicitadas pelos grandes grupos industriais, artesanais e agrícolas.
Os primeiros passos dados nestes dois anos foram os de confrontação com o tecido local ativo a nível cívico, através da escuta e do diálogo de igual para igual em toda a Itália.

Criámos primeiro uma associação com o objectivo claro de chegar a um futuro tema político, o actual VSLA, no qual já estão presentes determinados temas e com os quais também estão geminados partidos pan-europeus.
Estamos a registar muito interesse nos diferentes territórios e vamos continuar a ter um diálogo aberto sem prejuízo de mantermos no centro os conteúdos que referi anteriormente, tendo também em conta aassembleia geral de 17 de dezembroe em que serão criados os órgãos competentes para estruturar o projeto. Decidimos contribuir para as próximas eleições regionais no Lácio e na Lombardia. Em particular, na Lombardia, criamos um manifesto com três outras realidades”.

Roberto Cavallo: como você se envolve no campo da AVEC?

“Sigo os aspectos contidos, estive na sede nacional da associação e agora cuido desse aspecto.
Não tenho uma expectativa específica no momento. Veremos após a assembleia de 17 de dezembro o primeiro prazo para a eleição dos órgãos necessários e prioritários para melhor estruturar o AVEC.

Meu objetivo é dar vida à assembleia regional. Até agora temos vários grupos no Piemonte, e a intenção é consolidar pelo menos uma dúzia deles, e entre estes gostaria de alguns na região de Alba e na província de Cuneo.
Uma vez criados os grupos, abriremos um diálogo com os atores do território que lidam com questões ambientais que, em geral, se dividiram no passado, e que, ao contrário, devem unir as pessoas porque estamos falando da o futuro de todos.

um conhecido grande interesse dos jovens que foram os primeiros a se juntar a nós: devemos começar com eles para tentar fazer uma oferta credível para as gerações futuras. A verdadeira política é a do diálogo que leva ao interesse pelo futuro do território: devemos recuperar esse conceito, que também está presente nas questões ecológicas”.

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *