Economia: Labrenta portuguesa | Bassanonet.it

Local de produção de Labrenta (Breganze)

Empresas com vocação exportadora e internacional reajustam o tamanho da bússola em termos de aquisições e estabelecimento físico de plantas produtivas. Olhamos para a estabilidade política e social das áreas geográficas onde estamos estabelecidos, olhamos com maior atenção para a proximidade geográfica (o caso do navio encalhado em Suez e os portos fechados na China colocam todos em alerta) e muito distantes o globo começa a mostrar muitos elementos críticos.
Isso vale especialmente para o Extremo Oriente, muito menos – ele parece entender – para o continente americano. Um raciocínio sistémico que diz respeito sobretudo aos estabelecimentos produtivos, não a todas as relações comerciais, porque estas naturalmente são feitas se possível à ilha mais remota do atol mais exótico do globo (a globalização está à margem, o volume de negócios deve sempre crescer ). Voltando ao caso concreto, a Labrenta adquiriu uma empresa fundada em 1998 em Lobão, no norte de Portugal, que fechou 2021 com um volume de negócios de cerca de 3 milhões de euros.

A Anacorks conta agora com dois locais de produção com 20 colaboradores, aos quais será acrescentada uma terceira fábrica até ao verão, de forma a apoiar o crescimento dos mercados no México, Estados Unidos, Reino Unido e África, Sul e Singapura. A aquisição, explicou a alta direção da Labrenta, é um dos elementos fundamentais do plano de internacionalização e verticalização do controle da cadeia de suprimentos: dois sites de produção nas Américas (Brasil e México) operam atualmente em plena capacidade, além de o centro de produção em Breganze. .

“Começámos a trabalhar com a cortiça há 51 anos, hoje mais do que nunca consideramos que é um material extremamente atual e sustentável – explica o CEO Gianni Tagliapietra – e acreditamos que a tendência atual fará com que a cortiça natural seja cada vez mais apreciada no setor das bebidas espirituosas para os premium dos produtos”.

O grupo Labrenta, com 180 colaboradores, pretende ultrapassar os 30 milhões de euros de faturação até ao final do ano, após a exploração nos mercados americano e europeu em 2021, que levou o grupo Vicenza a duplicar a faturação face ao ano anterior . . No primeiro trimestre de 2022, registou uma tendência de crescimento continuado, registando um aumento superior a 60%.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.