Editorial de Roberto Napoletano A OUTRA VOZ DA ITÁLIA TAMBÉM UMA VERDADEIRA OPOSIÇÃO É BOM PARA O GOVERNO

Há um gigantesco trabalho pragmático a ser feito porque as armadilhas estão à espreita em todos os lugares. Falamos pela primeira vez em Itália de planeamento marítimo, mas depois deparamo-nos com um documento legado pelo Ministro Giovannini que quer combinar as estruturas administrativas das Infraestruturas com as do Património Cultural para o qual se torna um matemático que não pode ser não faça mais nada. Não interrompamos o ciclo de reformas que delineia um processo realizado pela inovação na máquina executiva, sim, no espírito de coordenação unitária que transparece da decisão de confiar todos os poderes europeus ao ministro Fitto. Também podemos mudar muito mas dentro de um caminho que não avança que perdemos tempo com projetos irrealistas como autonomia diferenciada mesmo nos bancos escolares. Tudo o que dizemos também se aplica a objeções. Opor-se não significa apenas dizer não, mas fazer propostas, indicar soluções, partindo do mesmo tema dos migrantes e na ponte modelo de Génova do estreito

Este país deve ter muito cuidado para nunca perder de vista o fato de que tudo depende da economia. Este país deve entender que todos os elaborados desvios da rotina traçada por Draghi de ajuda em tempo real aos grupos mais fracos, que vêem suas escassas rendas corroídas pela inflação e pelo apoio seletivo a negócios intensivos em energia que arriscam sua sobrevivência devido à inflação são extremamente perigoso. conta cara.

Este país deve compreender que deve ser dada prioridade absoluta à máquina de investimento para melhorar significativamente a sua taxa de eficiência de implementação, utilizando todos os poderes extraordinários conferidos pela nova governação pretendida por Draghi para o trabalho do Plano Nacional de Recuperação e Resiliência e, mesmo mais, É inovando no espírito de coordenação unitária que transparece da escolha de confiar ao Ministro Fitto todas as procurações europeias.

Há realmente um gigantesco trabalho pragmático a ser feito porque as armadilhas estão à espreita em todos os lugares. Pela primeira vez em Itália, por exemplo, estamos a falar de planeamento marítimo, mas depois deparamo-nos com um documento legado pelo Ministro Giovannini que pretende combinar as estruturas administrativas de infra-estruturas com as do património cultural para o qual se torna um matemático que nada mais pode ser feito. Devemos agir, quero dizer, com o máximo pragmatismo: se graças às reformas dos institutos técnicos projetados e implementados pelo ex-ministro Bianchi, posso finalmente aumentar as academias que formam o pessoal marítimo e, portanto, levo o bem, vice-versa elimino o perigo de sujar o património cultural e aproveitar todos os recursos do PNR para evitar que os fenómenos climáticos corroam literalmente os cais portuários do Sul e comprometam as redes ferroviárias que percorrem a costa. Fizemos o ministério do mar, é verdade, a França e Portugal ensinam, mas cuidado na distribuição das responsabilidades porque onde já existem as delegações fundem-se com as da economia.

Teremos que pagar cerca de 72 bilhões de gastos com juros só em 2023 com um aumento líquido de 11,3 bilhões igual a seis casas decimais do PIB em relação às previsões e parece a você que hoje há um espaço concreto para continuar a campanha do governo sobre pensões e imposto fixo? Você pode pensar que tudo isso deixa Bruxelas e seus funcionários indiferentes em cujas mãos temos o nosso futuro, que são os investimentos em todos os níveis para a reunificação do país que devem ser financiados com os recursos do PNR, o desenvolvimento e a coesão e a Fundo complementar que se baseia no orçamento público italiano?

Somos rápidos em apoiar quem tem que se sustentar e não interromper o ciclo de reformas que desenha um processo completo do sistema nacional. Também podemos mudar muito, mas em um caminho que está avançando, não aquele que perde tempo com projetos irrealistas como autonomia diferenciada mesmo nos bancos escolares ou guerras ideológicas que dizem respeito a questões importantes, mas que, como a autonomia diferenciada, dividem em vez de unir .

Tudo o que dizemos se aplica ao governo, mas também à oposição. Porque estamos perante o jogo capitalista de um país que, depois de vinte anos de estagnação e atraso no crescimento europeu, se tornou em menos de dois anos a locomotiva da Europa. Tudo o que foi feito não pode ser posto em desuso porque não nos permitiriam prova de recurso. É por isso que continuamos perplexos com um partido democrático que diz que não pode apoiar Moratti na Lombardia porque esteve com a centro-direita como se o grupo que hoje governa o país e o representa no mundo pertencesse aos condenados da terra. Ou estamos testemunhando os grillini ditando os termos da aliança para o Lazio do ponto de não essencial à usina de energia de resíduos.

Mas estamos brincando ou estamos falando sério? Opor-se não é apenas dizer não, mas fazer propostas, indicar soluções, partindo do mesmo tema dos migrantes, mas ainda mais da Ponte sobre o Estreito com o modelo de Génova, em vez de pensar em perder uma identidade que já não têm… colocar o problema da prestação de contas, delineando e divulgando um verdadeiro projeto reformista que responde às necessidades das pessoas e se mede contra os problemas, não contra a propaganda. Mas será que percebemos que o Five Stars tomou um rumo mais populista do que o de Grillo e Casaleggio? Que os fundadores inventaram uma utopia e seus sucessores ainda estão pensando em algo para levar para casa amanhã de manhã?

A mesma oposição de centro que oferece uma perspectiva alternativa real ao país terá que entender que para crescer e se consolidar não pode se fechar no masoquismo dos do Partido Democrata. Mesmo quem está no governo hoje não pode ser feliz vivendo em um país onde não há oposição ou, melhor, onde há muitos uniformes que não contam para nada. Ele não pode ficar satisfeito com uma oposição que o leva a acreditar que pode fazer o que quer. Em um momento como este, esse seria o pior de todos os males.


A qualidade da informação é um trunfo absoluto, que exige empenho, dedicação, sacrifício. Il Quotidiano del Sud é o produto deste tipo de trabalho coral que nos absorve todos os dias com o máximo de paixão e habilidade possíveis.
Temos um ativo valioso que defendemos todos os dias e que pode consultar todos os dias. Este bem precioso chama-se liberdade. Temos uma bandeira que não temos intenção de baixar. Esta bandeira é a de um Mezzogiorno que nunca deitou e que reivindica direitos que foram desrespeitados, mas sabe e cumpre seus deveres.
Contamos convosco para preservar esta voz livre que quer ser a bandeira do Sul. Que é a bandeira da Itália unida.
INSCREVA-SE NO DIÁRIO DO SUL CLICANDO AQUI.

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *