Efeito Penélope

Ontem mais um dia inútil, do ponto de vista da direção dos mercados financeiros, foi adicionado ao 7 que o precedeu. O índice de chumbo SP500 novamente passou toda a sessão dentro da caixa delimitada pela baixa da semana passada (4.074) e alta (4.177).

Se na terça-feira o índice passou de suporte para alguns pontos de resistência, ontem esse caminho foi seguido de trás para frente, até dispersar o que o índice havia acumulado na terça-feira.

Como já vimos este ir e vir 4 vezes durante as últimas 8 sessões, podemos metaforicamente perturbar o mito homérico de Penélope, a esposa de Ulisses, que, para aguardar o retorno do marido e atrasar a escolha de um novo pretendente, teceu a teia de dia e de noite a desfez.

Os mercados aguardam notícias dos bancos centrais e da inflação antes de ousar fazer escolhas direcionais que não sejam de curta duração. Por isso, os dias vão passando e só quem se contenta com os movimentos intradiários, com muita falta de ar (algumas horas no máximo) consegue perder o trabalho. Quem trabalha com uma perspectiva de vários dias é muito provável que veja os sinais distorcidos durante a noite e, com a mama depois, perceba que teria sido melhor não fazer nada.

A serra (como se parece com o gráfico de linhas de varredura horária do SP500 de 27 de maio) fechou outro dente ontem, com o SP500 (-1,08%) de volta logo acima de 4.110, pouco perto de onde fechou na sexta e segunda-feira passadas. O Nasdaq100 mostrou a mesma indolência, só conseguindo limitar um pouco a quebra (-0,76%).

As listas europeias quase imediatamente desistiram da continuação da subida de Wall Street na terça-feira e tornaram-se regularmente negativas antes do meio-dia, para depois fecharem com o Eurostoxx50, que as resume, com um triste -0,47%, que certificou a segunda sessão consecutiva de queda e pousar. novamente na média móvel de 50 sessões, que serão testadas corretamente hoje.

Hoje poderia começar uma reflexão sobre as futuras políticas monetárias dos bancos centrais. Com efeito, está reunido o Conselho do BCE, que comunicará à hora do almoço o roteiro para a “normalização” europeia e provavelmente algumas antecipações sobre os movimentos futuros da política monetária. Já sabemos que junho verá o fim do programa Quantitative Easing, a compra de títulos do governo, três meses depois da decisão semelhante do FED. A primeira alta de 0,25%, que ocorrerá em julho, já foi anunciada como provável e deve ser formalizada. Após a pausa de agosto, outro deve chegar em setembro. Enquanto isso, os juros negativos serão reduzidos a zero (agora em -0,50%) que os bancos comerciais europeus recebem (melhor dizendo pagamento, sendo negativo) sobre dinheiro não utilizado depositado no BCE.

Quem sabe se os vários tipos de impostos que os bancos europeus cobram há algum tempo às contas à ordem dos clientes também serão abolidos para lhes repercutir pelo menos parte deste “imposto” que agora pagam ao BCE, e que não vão pagar mais?

Além dessas coisas, que já sabemos, é improvável que Lagarde e seus companheiros anunciem qualquer outra coisa significativa. Também porque é particularmente difícil prever hoje como será a inflação na queda, especialmente para aqueles (os banqueiros centrais europeus, em boa companhia com os americanos) por um ano, a partir de junho de 2021, primeiro continuaram a desprezá-la e depois a considerá-lo “transitório”.

Nesse sentido, vale a pena, a OCDE divulgou ontem uma revisão significativa de suas estimativas econômicas para a economia global. A inflação média anual considera-se bastante sustentada não só este ano (5,9% para os Estados Unidos e 7% para a zona euro), mas também em 2023 (3,5% nos Estados Unidos e 4,6% na zona euro). ).

Voltando ao BCE, se nenhuma surpresa negativa chegar, os mercados podem relaxar e tentar subir. Tanto mais se se confirmarem os rumores de que está em estudo um programa de compra de obrigações, que substituirá o QE, mas servirá para combater o aumento dos spreads nos países mais estressados ​​financeiramente (Grécia, Itália, Portugal, Espanha).

No entanto, mesmo que o obstáculo do BCE tenha passado ileso, outro dado importante está se aproximando para amanhã, o que pode diminuir qualquer entusiasmo hoje: a inflação dos EUA em maio.

Portanto, o cuidado deve estar conosco hoje também.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.