“El Mundo”: a crise ucraniana relança o projeto do gasoduto Midcat entre Espanha e Portugal

A União Europeia deve considerar o aumento das interligações entre Portugal e Espanha e Espanha com toda a Europa como “absolutamente decisivo” para aumentar significativamente a segurança energética da Europa. Conforme noticiado pelo jornal “El Mundo”, é o que teria dito o primeiro-ministro lusitano, Antonio Costaao primeiro-ministro espanhol, Pedro Sanchez e ao Presidente da República Francesa, Emmanuel Macron, após o Conselho Europeu de 25 de fevereiro, relançando o projeto do gasoduto Midcat. Esta foi uma iniciativa ambiciosa proposta há alguns anos que incluiu um investimento de 442 milhões de euros para construir um grande gasoduto para transportar gás da Argélia e armazenado em Espanha para outros países europeus, nomeadamente França. A Espanha tem atualmente seis usinas de regaseificação dedicadas à conversão de gás, enquanto outra está localizada em Portugal e 3 na França. O projeto foi então encerrado em 2019 pelos reguladores franceses e espanhóis que decidiram não dar seguimento à iniciativa. Uma decisão que só será ratificada um ano depois pela própria União Européia, quando a retirará oficialmente de seus projetos.

Hoje, em meio à crise causada pela eclosão da guerra na Ucrânia e pela invasão da Rússia, muitas vozes se levantam para questionar o fracasso da tentativa de criar um hub de gás europeu na Espanha. Costa perguntou Sanches e Macron desenvolver um plano para receber navios dos Estados Unidos ou da Nigéria com gás natural liquefeito no porto português de Sines e passá-los por um novo gasoduto de alta capacidade para Espanha e França. “Se a Espanha pudesse levar seu gás excedente para o resto da Europa, ajudaria a compensar o que está chegando por gasoduto da Rússia, mas infelizmente isso não é possível porque não há interconexões”, disse o comissário europeu de Energia. Kadri Simson que afirmou ter discutido o assunto com a Ministra da Transição Ecológica, Teresa Ribera. Segundo o “El Mundo”, o ministro está “relutante” em assumir o projeto Midcat do governo do Partido Popular Espanhol (PP) e, além disso, acredita que não seria uma solução de “curto prazo” para cobrir um possível corte no fornecimento russo. Ribera argumenta que a própria Comissão Européia deixou de considerar esses novos interconectores como projetos de interesse comum, já que a França também se opôs a eles devido ao seu alto custo e que as novas regulamentações são hostis aos gasodutos. No entanto, o ministro das Relações Exteriores Albares em uma entrevista recente ao jornal “La Vanguardia” (“está na mesa”) e outras fontes do governo concordam que esta pode ser uma “grande oportunidade” para a Espanha.

Leia também outras notícias sobre Notícias Notícias
Siga-nos nas redes sociais da Nova News em Facebook, Twitter, LinkedIn, Instagram, Telegrama

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.